Para cada dólar investido no tratamento da depressão ou da ansiedade, existe um retorno de US$ 4, já que a saúde dos pacientes melhora e eles se sentem mais capacitados para trabalhar.

Mas deixar de investir na saúde mental tem o seu custo, alerta a Organização Mundial da Saúde, OMS. A agência apresentou nesta quarta-feira o Atlas da Saúde Mental, informando que a falta de acesso ao tratamento de depressão e ansiedade resultam numa perda econômica global de US$ 1 trilhão por ano.

Urgência

Outro alerta feito pela OMS é sobre a falta de profissionais especializados em saúde mental. Em países de renda baixa, a taxa de trabalhadores do setor chega a ser de apenas dois entre 100 mil pessoas.

Segundo a agência, um entre 10 habitantes do planeta precisa de cuidados de saúde mental em algum momento. O diretor do Departamento de Saúde Mental da OMS, Shekhar Saxena, declarou que não investir no setor com urgência “terá custos econômicos, sociais e de saúde numa escala nunca vista”.

Suicídio

Enquanto países de renda baixa investem apenas US$ 1 per capita no tratamento de distúrbios mentais, as nações ricas gastam mais de US$ 80. Mais de dois terços de países avaliados no atlas não cobrem os custos de tratamento nos planos de saúde nem oferecem reembolso.

A OMS defende que “nenhuma pessoa deveria ficar sem tratamento de saúde mental devido aos custos” e lembra que por isso a cobertura universal de saúde é tão importante.

Imagem de capa: Bruno Aguirre on Unsplash

TEXTO ORIGINAL DE ONU NEWS

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


*O conteúdo do texto acima é de responsabilidade do autor e não necessariamente retrata a opinião da página e seus editores.


Compartilhar

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Psicologias do Brasil
Informações e dicas sobre Psicologia nos seus vários campos de atuação.