Por Amanda Rose Ph.D. para o Psychology Today

Quando as mulheres sonham com seu homem ideal, algumas evocam um cara que vai cuidar delas, admirá-las e colocá-las em um pedestal. Em outras palavras, tratá-las como uma princesa. Há apelo a isso, especialmente para mulheres modernas que tomam um milhão de decisões por dia e sentem o peso do mundo sobre seus ombros. No entanto, o que acontece quando a princesa decide que quer sair do castelo, para buscar uma oportunidade de trabalho importante ou apenas para beber com os amigos?

O outro lado de seu ser visto como delicado e merecedor de proteção é que ela também é vista como muito frágil para navegar pelo mundo exterior sozinha. Então, ser tratada como uma princesa pode ser legal … Até que não seja.

Homens que percebem as mulheres positivamente em muitos aspectos, mas também como o sexo que precisa de proteção, podem ser descritos pela Teoria do Sexismo Ambivalente, proposta por Peter Glick e Susan Fiske em 1996. A teoria diferencia entre sexismo hostil (HS) e benevolente sexismo (com sua abreviação não tão sutil, BS). Sexistas hostis veem as mulheres como menos competentes e inteligentes que os homens, muito emotivas e manipuladoras. Eles veem a sexualidade das mulheres como seu principal (ou único) traço desejável, que elas usam para ganhar o controle sobre os homens.

Embora alguns sexistas hostis possam ser motivados a esconder seus pontos de vista em certos contextos, quando expressam seus pontos de vista, é fácil reconhecê-los. Em contraste, as mulheres podem, sem perceber, encontrar-se disputando a atenção de um sexista benevolente.

O cara que abre a porta, pega o casaco e lhe dá uma bebida pode ser um sexista disfarçado e benevolente.

A principal diferença entre sexistas hostis e benevolentes é que os sexistas benevolentes veem as mulheres mais positivamente do que os sexistas hostis. De fato, os sexistas benevolentes se consideram muito valorizados pelas mulheres. O problema é que a rede de crenças mantida por machistas benevolentes entra em conflito com a igualdade de gênero.

O sexismo benevolente tem três componentes principais. O romantismo idealizado é a ideia de que, apesar das realizações mundanas de um homem, ele não consegue se sentir completo sem o amor de sua mulher. A ideia de papéis complementares de gênero é que as mulheres são mais gentis, mais sensíveis, mais atenciosas e mais cuidadosas do que os homens, o que as torna esposas e mães ideais.

Terceiro, o paternalismo protetor deriva dos dois primeiros componentes e sugere que, como o sexo mais justo, as mulheres devem ser valorizadas, protegidas, providas e colocadas em um pedestal. O que é complicado sobre o sexismo benevolente, então, é que o mesmo conjunto de crenças que fazem as mulheres se sentirem lisonjeadas, também restringem seu comportamento.

Por exemplo, as mulheres podem gostar que seu namorado ou marido queira levá-las ao carro à noite; no entanto, eles podem não gostar do parceiro dizer-lhes para não se candidatar a um emprego que envolva viagens porque é muito perigoso. Ou, podem apreciar seu parceiro intervindo em um bar quando um cara bêbado pertuba, mas não gostam de ser dito que elas não devem ir ao bar por conta própria.

Além disso, embora as características que os sexistas benevolentes percebem que as mulheres têm sejam lisonjeiras, também levam a julgamentos duros para as mulheres que não se encaixam em seu ideal. Considere mulheres que não correspondem a esse ideal porque são assertivas, se vestem de maneira sexy e não anseiam por crianças.

Dado que as pessoas são muito boas em detectar o sexismo hostil, por que as mulheres frequentemente não reconhecem os machistas benevolentes?

Um conjunto recente de estudos de Aife Hopkins-Doyle e colegas da Universidade de Kent aborda essa questão. A pesquisa sugere que as mulheres percebem os sexistas benevolentes como calorosos e com opiniões positivas sobre as mulheres.

Isso cria um efeito halo, que os leva a extrapolar ou assumir que os sexistas benevolentes também apóiam a igualdade de gênero e não têm visões hostis ou negativas das mulheres. Como discutido, porém, as visões positivas das mulheres como delicadas e frágeis levam a restringir as liberdades das mulheres e as percepções delas como morais e puras levam a visões depreciativas das mulheres que não correspondem a esse ideal.

Existe alguma maneira infalível, então, para as mulheres reconhecerem um sexista benevolente? Provavelmente não no primeiro encontro. Muitos homens que seguram as portas, pegam o cheque e levam as mulheres até seus carros, mantendo valores igualitários de gênero. Conforme o tempo passa, no entanto, bandeiras vermelhas podem aparecer, como se ele se irritasse com ela pagando ou querendo dirigir.

Conversas honestas serão importantes.

Reações a mulheres e mulheres assertivas que ganham mais dinheiro do que seus maridos podem ser especialmente reveladoras. No fechamento, então, quando se trata do companheiro cavalheiresco que insiste em carregar a caixa pesada, tenha cuidado também. Só o tempo dirá se ele é simplesmente um cara legal tentando ajudar ou alguém que é machista disfarçado.

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


*O conteúdo do texto acima é de responsabilidade do autor e não necessariamente retrata a opinião da página e seus editores.


Compartilhar

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




REDAÇÃO PSICOLOGIAS DO BRASIL
Os assuntos mais importantes da área- e que estão em destaque no mundo- são a base do conteúdo desenvolvido especialmente para nossos leitores.