Quando Eduardo Cabral ouviu de seu filho que ele estava tendo problemas com os colegas de classe da faculdade e pensando em desistir do curso, chegou à conclusão de que a melhor maneira de incentivar Erick, de 22 anos, diagnosticado com autismo desde os 7, seria estar com ele nas aulas. Erick cursa faculdade de gestão empresarial, e andava muito desanimado com seus estudos.

Quando estava no segundo semestre da faculdade, começou a ter alguns problemas de relacionamento com os outros alunos da sala e o pai começou a se preocupar: “Era muito difícil para mim”, disse ele ao G1.

Quando ele percebeu que o filho estava prestes a desistir, decidiu voltar a estudar e prestar vestibular. Ele, que é militar da reserva, nunca tinha feito um curso superior e a ideia parecia ser boa, afinal, além de estudar estaria ao lado do filho.

Desde que a família recebeu o diagnóstico de autismo de Erick, eles vêm lutando pela educação do jovem, que chegou a passar por 7 escolas até se formar no ensino médio. Segundo Eduardo, na maioria das vezes ele não foi acolhido: “No começo a gente não queria expor o problema, mas chega um momento em que nós precisamos de apoio, em que precisamos falar sobre o assunto para conscientizar as pessoas”, disse.

Diante desta questão, ele encontrou a solução e hoje, se orgulha em dizer que não se arrepende: “Ele queria desistir e eu não podia deixar isso acontecer. É uma experiência fantástica”, disse. Quando foi aprovado no vestibular, em gestão comercial, em 2016, Erick transferiu seu curso e hoje pai e filho estão na mesma sala. Não é incrível?

Com informações de G1

Foto: arquivo pessoal / Eduardo Cabral

TEXTO ORIGINAL DE RAZÕES PARA ACREDITAR

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


*O conteúdo do texto acima é de responsabilidade do autor e não necessariamente retrata a opinião da página e seus editores.


Compartilhar

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Psicologias do Brasil
Informações e dicas sobre Psicologia nos seus vários campos de atuação.