Por Içami Tiba

Uma família está almoçando num restaurante, num domingo, onde também estão outras famílias. Os filhos são crianças e, do nada, a filha do meio empurra o mais velho, enquanto os pais estavam entretidos com a caçula. Imediatamente o pai interfere repreendendo os dois: “parem com isso já!” Silêncio total na mesa…

Um nadinha de tempo depois, é o mais velho que solta para a irmã do meio um: “pára de me cutucar!” O pai já se irrita e resmunga aos dois: “já falei para pararem com isso!” E a mãe se dirige ao marido: “fica calmo, meu bem, relaxa! Estamos nos divertindo…” O pai fica emburrado.

A caçulinha pergunta: “o que foi, papai? Por que você está bravo?” A mãe logo lhe responde: “não foi nada, filha, continue desenhando…”

Entendendo esta situação:

Repreensor: pai sozinho — Ele foi solicitado pela filha do meio para dar uma bronca no irmão mais velho. Mas ele bronqueou os dois e não somente o mais velho. Papai não entrou no jogo da filha do meio. Ele deve conhecer seus filhos, pois não bronqueou somente o filho. Ele sabe que o relacionamento dos dois sempre foi de um cutucar o outro. Este é o clima permanente. Não importa mais descobrir “quem começou”. O problema é relacional.

O repreensor tentou estabelecer uma ordem funcional para não estragar o almoço de domingo da família. Mas sua figura é de uma autoridade jurássica: paciência curta, voz grossa e mão pesada. Não precisou usar a mão pesada, nem estava impaciente mas a voz saiu mais grossa do que falava com a caçula.

Repreendidos: dois filhos mais velhos — Mereceram a repreensão pois passaram do ponto social e adentraram no clima familiar, isto é, talvez em casa rolasse já uma briga entre os dois. O gênero feminino entrou em ação: empurrou o irmão e deu a entender ao pai que ela estava se defendendo do que o irmão lhe fizera, usando a agressão como meio de defesa. Ela poderia ter repreendido diretamente o irmão, antes de apelar para o pai.

Só Deus sabe onde esta “intriga” começou. Cada um jura de pés juntos que quem começou a confusão foi o outro. Ninguém estava lá para perceber se houve um cutucãozinho ou um “pontapezinho” por baixo da mesa. Era brincadeirinha que foi transformada em denúncia pela filha meio. O irmão deu o troco para a irmã do meio quando a denunciou com o “pára de me cutucar”. Será que ela o cutucou de fato? Com isso ele se sentiu vingado.

Mediadora: A mãe — colocou os “panos quentes”, na tentativa de voltar ao clima de família almoçando feliz num restaurante gostoso. Protegeu os filhos e, mandando-lhes o recado “não façam o pai ficar nervoso”, disse ao marido que ele já estava nervoso. Ninguém pede calma a quem está calmo.

Ingênua: A caçula que curtia o domingo como filha única. Com a sua pergunta ela pôs o de dedo na ferida da família. O problema é o papai ficar bravo…

Local da repreensão: Ambiente público. Em casa, num clima mais íntimo, talvez tudo desandasse ou passaria batido dependendo do tipo de reação que os pais tivessem.

Dica: Para uma repreensão dar o resultado esperado pelo repreensor, é preciso ter bem claro o que ele pretende:

1. Quer resolver na hora a inadequação?
2. Não quer ser incomodado?
3. Quer descarregar a raiva?
4. Seja o que Deus quiser?
5. Quer educar preparando as crianças para o futuro?

Moral da história: Repreender é ação educativa dos pais às crianças, sem nervosismo, com foco no futuro.

mais textos do autor em seu site

Compartilhar

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




REDAÇÃO PSICOLOGIAS DO BRASIL
Os assuntos mais importantes da área- e que estão em destaque no mundo- são a base do conteúdo desenvolvido especialmente para nossos leitores.