Os seres humanos são uma espécie gregária. Isto é, desde tempos ancestrais, vivemos em comunidade. Por essa razão, penso que tentar compreender como o cérebro funciona, separando-o da cultura e da sociedade a que pertence, é tão artificial e absurdo quanto fingir estudar os hábitos de um peixe retirando-o da água. Somos seres sociais. Nossa identidade é construída em parte de acordo com os olhos dos outros.

O mesmo é verdade para a auto-estima. A opinião que temos de nós mesmos é a amalgama final da interação de muitos fatores internos, tais como nossas características de temperamento, personalidade e fatores externos; isto é, tudo que vem do ambiente, como a educação que nossos pais nos deram ou a vizinhança em que crescemos.

Não é incomum afirmar que nosso senso de valor pessoal depende em grande parte do grupo ao qual pertencemos. O conceito que temos de nós mesmos é moldado não apenas por nossa identidade pessoal, mas também por uma identidade social .

A ligação entre auto-estima e fanatismo

O sentimento de pertencimento que emerge do fato de ser membro de um grupo pode, assim, contribuir para fortalecer ou enfraquecer nossa auto-estima. Portanto, quanto mais características positivas dermos ao nosso grupo, se é um partido político, um clube de futebol ou qualquer outra coisa, mais sentiremos melhor com nós mesmos .

A identidade social se funde com a identidade pessoal e isso tem um impacto direto na autoestima. Se eu acho que o grupo que me acolheu é fantástico, isso também me torna, como indivíduo, um ser fantástico. E é aí que nós encontramos o germe de fanatismo: Aqueles que lutam tenazmente para defender as bandeiras do grupo, em última instância estão defendendo a sua própria auto – estima, pois se sentem ameaçados.

Pesquisas em psicologia postulam uma equação simples: quanto mais baixa nossa auto-estima, maior a necessidade de identificação com uma comunidade poderosa que nos ajude a consertá-la ou ao menos sustentá-la. Quanto mais inseguros nos sentimos e quanto mais duvidamos do que valemos, mais forte é o impulso de salvaguardar nosso orgulho pessoal, associando-o a um sólido grupo de pertencimento.

Naturalmente, essa equação não é matemática; isto é, não se aplica a 100% das pessoas. Mas isso se aplica a muitos deles. Pelo menos no Ocidente, que é o lado do planeta de onde vem a pesquisa, a correlação entre baixa autoestima e fanatismo é significativa. Temos aqui alguns dos piores defeitos que temos como espécie. A seguir estão alguns exemplos.

1. Nacionalismo

Configurado como a crença absurda de que somos melhores que os cidadãos do país vizinho simplesmente porque nascemos aleatoriamente deste lado de uma fronteira, e não do outro. O orgulho patriótico se intensifica quando é acompanhado por um senso de moralidade que acreditamos ser inerente à nossa sociedade, como a ideia de que “Deus está do nosso lado” ou “O bem sempre triunfa sobre o mal e somos bons”.

2. Sectarismo Religioso

Deixando de lado o fundamentalismo (para sua obviedade) um dos mais notáveis ​​nestes casos respeito é o que ocorreu em 1978 na Guiana, onde mais de 900 pessoas que compunham a comunidade dos povos Temple cometeu suicídio submissa e impensadamente seguindo as ordens do Pastor Jim Jones, o líder espiritual do grupo.

3. O dogmatismo das ideias

A polarização em grupos antagônicos que atacam ou defendem uma causa específica geralmente é um sintoma ruim. O recente debate sobre a descriminalização do aborto na Argentina é um exemplo claro de que levou a grande parte da sociedade a se dividir em dois campos opostos e irreconciliáveis, onde os aspectos morais e argumentos científicos foram relegados para segundo plano , ofuscado por um discussão superficial em que não importava a chegada a conclusões lógicas, mas a vitória da própria posição em contraposição. Nesse sentido, culpar alguém ou demonizar o adversário nos fornece a desculpa perfeita para não nos encarregarmos de nossas próprias frustrações.

3. Afiliação política a todo custo

O grande mérito de Adolf Hitler, e isso permitiu que ele chegasse ao poder nos anos 30 na Alemanha, era dizer às pessoas exatamente o que elas precisavam ouvir, na hora certa. A moral alemã foi devastada após a grande guerra. Nesse contexto de crise generalizada e baixa autoestima social, Hitler sabia como canalizar a frustração das pessoas e conversar com elas para que elas começassem a se sentir orgulhosas de quem eram antes.

Com uma auto-estima tão deteriorada, até mesmo um povo educado como o alemão não resistiu e autorizou Hitler com os resultados que todos nós já conhecemos. “É mais fácil enganar as pessoas do que convencê-las de que foram enganadas”, disse Mark Twain.

4. A “paixão” esportiva

Especialmente no futebol, nos estádios ocorrem muitas batalhas reais. Em relação a este último ponto é comum ouvir muitas pessoas dizendo coisas como: “Ganhamos, somos os melhores” destacando o desejo pessoal para alcançar o maior identificação possível com seu grupo. Pelo contrário, dificilmente vamos ouvir alguém exclamar: “Nós perdemos, somos os piores!” (Em face da derrota amarga).

Conclusão

Somente aqueles que não se sentem bem na vida tentam melhorar sua auto-imagem, ligando-a a pessoas de sucesso. Eles não buscam prestígio em suas próprias conquistas, mas em outras pessoas. No outro extremo, aqueles que têm uma boa opinião sobre si mesmos não precisam reforçá-la apelando para a glória dos outros.

A premissa é válida que uma maior intransigência com relação a uma ideia ou doutrina, é provável que mais prejudicada seja a auto-estima e senso de identidade pessoal do indivíduo que a proclama. Nós nos sentimos superiores (de todas as maneiras possíveis) à mesma medida em que nos convencemos de que nosso grupo é o melhor, e essa é uma das piores falácias em que podemos cair.

 

Tradução feita pela CONTI outra, do original de Psicologya y Mente

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


*O conteúdo do texto acima é de responsabilidade do autor e não necessariamente retrata a opinião da página e seus editores.


Compartilhar

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




REDAÇÃO PSICOLOGIAS DO BRASIL
Os assuntos mais importantes da área- e que estão em destaque no mundo- são a base do conteúdo desenvolvido especialmente para nossos leitores.