No final do século XVIII, o pintor Johan Heinrich Füssli terminou uma das suas obras mais emblemáticas. A pintura, baseada em uma pintura de Giulio Romano, mostra uma mulher adormecida que tem um demônio sentado em sua barriga enquanto a cabeça de um cavalo aparece entre os tecidos que formam o pano de fundo da cena. Reproduzindo um distúrbio do sono bastante comum: a paralisia do sono.

O que é paralisia do sono?

O cenário onírico e sombrio deste trabalho chamado The Nightmare torna a imagem uma ilustração perfeita do que poderia ser uma das bestas da mitologia medieval européia: o incubus, um demônio que está associado ao mundo dos pesadelos e que supostamente tem relações sexuais com mulheres que, entre o sono e a vigília, permanecem imóveis sem poder fazer nada.

Hoje, alguns pesquisadores acreditam que a mitologia por trás da figura do incubus e seu alter ego feminino, o succubus, é na verdade uma interpretação sobrenatural de um distúrbio do sono perfeitamente documentado cientificamente. Esse distúrbio é chamado de paralisia do sono, e a imagem de Füssli expressa muito bem as sensações que são experimentadas enquanto esse curioso fenômeno ocorre.

Sintomas

O nome da paralisia do sono é bastante descritivo: é um distúrbio do sono em que a pessoa é incapaz de realizar qualquer movimento voluntário. Isto significa que, por um curto período de tempo, alguém que experimenta a paralisia do sono vai passar por um estado de consciência entre o sono ea vigília e só será capaz de ver o que acontece ao seu redor, incapaz de executar praticamente qualquer ação física.

Você será capaz de perceber o que está acontecendo ao seu redor no lugar onde você descansou, mas você não será capaz de se mover ou pedir ajuda. Naturalmente, a paralisia do sono não afeta as funções vitais, como a respiração e os batimentos cardíacos, uma vez que esses movimentos são involuntários. No entanto, isso não significa que seja uma ansiedade muito desagradável e geradora.Além disso, é comum ter a sensação de sufocamento ou dificuldade para respirar, mas é apenas uma consequência de não conseguir controlar conscientemente os músculos, e não há risco real de afogamento.

A paralisia do sono pode ocorrer com outros fatores de natureza subjetiva, como alucinações ou a sensação de ter presenças estranhas ou ameaçadoras nas proximidades, que perseguem a pessoa paralisada. Isto se deve principalmente ao fato de aparecer em uma fase de transição entre o sono e a vigília.

Causas comuns

Em termos gerais, a paralisia do sono é devido à falta de coordenação entre algumas áreas do cérebro e a parte do sistema nervoso responsável por enviar ordens para os músculos que podem ser controlados voluntariamente. Isso significa que, embora a pessoa tenha recuperado a consciência e tenha despertado, seus músculos ainda não estão “conectados” ao cérebro, porque permanecem no estado inerte que ocorre durante a fase REM do sono, enquanto sonhamos.

Durante a fase REM, o fato de ter os músculos isolados do que acontece em nossa consciência é útil, porque senão nos moveríamos no corpo dependendo de tudo o que acontece em nossos sonhos. No entanto, este utilitário desaparece em casos de paralisia do sono e o mecanismo responsável pela separação dos músculos e da consciência se volta contra nós.

Felizmente, isso é resolvido em pouco tempo, geralmente depois de alguns segundos. Em qualquer caso, quando esse fenômeno aparece em um estado de transição entre a vigília e o sono, a percepção do tempo pode ser um pouco alterada.As causas exatas desse fenômeno não são claras, e ainda há muito a ser investigado para entender seus mecanismos.

A quem pode isso acontecer?

Os diferentes estudos sobre a prevalência da paralisia do sono indicam que eles são casos raros, levando em conta o número de vezes que uma pessoa é colocada para dormir durante toda a vida, mas o número de pessoas que experimentarão essa parassonia em algum momento de sua vida poderia ser a maioria.

Especificamente, aproximadamente 60% da população poderia passar pela paralisia do sono. No entanto, os efeitos negativos da paralisia do sono são encontrados na subjetividade e nas sensações experimentadas pela pessoa que a vivencia, portanto, o fato de ter lido alguma coisa sobre esse distúrbio poderia tornar essa situação mais suportável.

Em qualquer caso, a linha de fundo é que, enquanto a paralisia em condições normais não constitui uma fonte de perigo, ou leva à asfixia, embora, por vezes, a falta de controle sobre os próprios movimentos gere esse medo de parar de respirar (processo automatizado pelo próprio sistema nervoso e que não depende de atos voluntários).

TEXTO TRADUZIDO DE PSICOLOGÍA Y MENTE

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


*O conteúdo do texto acima é de responsabilidade do autor e não necessariamente retrata a opinião da página e seus editores.


Compartilhar

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




REDAÇÃO PSICOLOGIAS DO BRASIL
Os assuntos mais importantes da área- e que estão em destaque no mundo- são a base do conteúdo desenvolvido especialmente para nossos leitores.