Seis sábios hindus, muito dados ao estudo, queriam saber o que era um elefante. Como eram cegos, decidiram descobri-lo pelo toque. O primeiro a chegar ao lado do elefante, bateu nas costas largas e duras e disse: “Eu vejo, é como uma parede”.

O segundo, tocando a presa, gritou: “É tão afiado, redondo e macio que o elefante é como uma lança”. O terceiro tocou no tronco trançado e gritou assustado: “O elefante é como uma cobra”. O quarto estendeu a mão ao joelho, palpou e disse: “Obviamente, o elefante é como uma árvore”.

O quinto, que acidentalmente tocou uma orelha, exclamou: “Até o mais cego dos homens perceberia que o elefante é como um abanador”. O sexto, que tocou a cauda oscilante, disse: “O elefante é muito parecido com uma corda”.

E assim, os sábios argumentaram longa e duramente, cada um sendo excessivamente teimoso e violento em sua opinião. Embora parcialmente certo, todos também estavam errados “.

A parábola dos seis homens sábios cegos e do elefante, atribuídos a Rumi, sufi persa do século XIII, mostra perfeitamente a nossa tendência a superestimar o que sabemos e nossa teimosia de aço no apego às nossas opiniões e crenças ignorando tudo o que coloca em questão. Em psicologia, isso é chamado de “preconceito do ponto cego”.

O que é preconceito de ponto cego?

Viés ponto cego, um projeto proposto pelo psicólogo Emily Pronin, da Universidade de Princeton, conceito refere-se à nossa incapacidade de realizar os nossos vieses cognitivos e nossa tendência a pensar que somos menos tendencioso do que outros. Achamos que vemos as coisas de uma maneira mais objetiva e racional, como são “na realidade”, enquanto outras têm um julgamento tendencioso.

Em geral, acreditamos que somos melhores ou mais corretos que os outros. Pensamos que estamos acima da média em termos das qualidades positivas que mais valorizamos. Por exemplo, se tivermos sinceridade ou justiça em alta estima, acreditaremos que somos mais sinceros e justos do que a maioria das pessoas.

Desta forma, estamos convencidos de nossa retidão moral e correção de nossas ideias, acreditando que nossas experiências e circunstâncias da vida deram-nos uma perspectiva mais ampla, rica e sábia.

A ciência provou a existência de preconceito de ponto cego. Um estudo realizado na Universidade de Stanford revelou que a maioria das pessoas (exatamente 87%) considera que elas são melhores que a média. 63% acham que o autorretrato de si mesmos é objetiva e confiável, eles não reconhecem a existência de viés, e 13% ainda afirma serem muito modestos na descrição.

Esses psicólogos descobriram que apenas 24% das pessoas, quando apontou a existência de preconceito ponto cego, são capazes de reconhecer que talvez o seu autoconceito pode ser mediada por um viés cognitivo.

Por que acreditamos que somos mais racionais e objetivos do que os outros?

A ideia de que percebemos a realidade sem distorções surge, pelo menos em parte, do fato de não analisarmos nossos processos cognitivos e motivacionais; isto é, nós não fazemos um exame de consciência. Por outro lado, para realizar nossos preconceitos e limitações, precisamos realizar um exercício de introspecção e inferir que, como todo mundo, não estamos imunes a vieses cognitivos.

No entanto, assim que há uma discrepância entre o que outra pessoa pensa ou percebe e o que pensamos ou percebemos, assumimos que estamos certos e inferimos que os outros são menos objetivos e racionais. Também evitamos o aparecimento de uma dissonância cognitiva, que nos forçaria a fazer um profundo trabalho interior para mudar algumas de nossas ideias, percepções ou crenças.

De fato, os psicólogos concluem que “fatores cognitivos e motivacionais reforçam-se mutuamente para produzir a ilusão de que somos menos tendenciosos do que os outros”. Ou seja, nos enganamos ao pensar que somos mais racionais e objetivos.

Esse auto-engano também nos permite avaliar a nós mesmos sob uma luz mais favorável que sustenta nossa autoestima. Em outras palavras, queremos pensar bem de nós mesmos, para evitar o trabalho árduo envolvido na mudança, então nos enganamos pensando que são os outros que são enganados.

Um “eu” que fabula o diferente é condenado à imobilidade

O problema de não reconhecer que somos vítimas do preconceito cego é que vamos acabar vivendo em um mundo cada vez mais distante da realidade. Alimentar nossa visão de mundo apenas com nossas crenças e através de nossas percepções, exclui tudo de diferente porque achamos que não tem valor.

Assim, acabaremos criando uma zona de conforto cada vez menor, na qual só permitimos o acesso ao que é confortável ou sintonizando com o nosso modo de pensar. Esse mecanismo de exclusão nos impede de crescer porque rompe qualquer ponte com os diferentes, o que é exatamente o que precisamos para expandir nossos horizontes.

Como escapar, ou pelo menos reconhecer, o preconceito do ponto cego?

Os preconceitos cognitivos e motivacionais são um produto inevitável da maneira como vemos e compreendemos o mundo ao nosso redor. Acusar os outros de imparcialidade, embora negue nossa própria imparcialidade, leva a mal-entendidos, gera desconfiança e provoca uma escalada no conflito, de modo que é impossível encontrar um ponto comum para chegar a um acordo.

Devemos partir da ideia de que não vemos as coisas como são, mas como somos. Isso significa que, como pessoas, somos tão tendenciosos quanto os outros, porque não podemos nos livrar de nosso “eu” ao nos relacionarmos com o mundo. Temos que assumir que muitas vezes nossa visão dos fatos é tão parcial quanto a dos sábios cegos da história.

Assumindo que nosso viés é difícil em um mundo que defende a imparcialidade e a objetividade, sem perceber que ambos os conceitos são um produto ilusório do racionalismo. Somos seres subjetivos, e não há nada de errado nisso, desde que tenhamos flexibilidade cognitiva suficiente para enriquecer nosso mundo com a subjetividade dos outros.

Para conseguir isso, uma dose de humildade intelectual não nos faria mal algum em perceber que ninguém é melhor ou pior, que somos apenas tendenciosos em diferentes aspectos da vida. Adotar essa atitude nos permitirá crescer como pessoas, sermos mais tolerantes e, com um pouco de sorte, tornar o mundo um lugar melhor ou, pelo menos, um mundo onde as diferenças tenham um lugar como expressão de autenticidade e singularidade.

TEXTO TRADUZIDO E ADAPTADO DE RINCON DA PSICOLOGÍA

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


*O conteúdo do texto acima é de responsabilidade do autor e não necessariamente retrata a opinião da página e seus editores.


Compartilhar

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




REDAÇÃO PSICOLOGIAS DO BRASIL
Os assuntos mais importantes da área- e que estão em destaque no mundo- são a base do conteúdo desenvolvido especialmente para nossos leitores.