Uma mochila nova, lancheira, sapatos e roupa escolar estão esperando pelo primeiro dia de escola da minha filha. Houve uma empolgação no ar quando compramos material escolar e encontramos a professora dela na semana passada. Ela escolheu seu crachá, como as outras crianças, e escolheu seu lugar. Ela deu um grande sorriso para sua nova professora e conversou interminavelmente sobre a escola estar começando de novo e como ela estava animada para voltar e aprender. Ela fez um novo corte de cabelo e contou ao cabeleireiro que começaria a terceira série.

Amanhã, tirarei a tradicional foto do primeiro dia de aula, e vou postá-la com orgulho em todas as minhas contas de mídia social. Eu provavelmente ainda rolarei o cursor de  volta e olharei para ela algumas vezes, me perguntando onde meu bebê foi e como esta menina de idade escolar, com pernas longas, está de pé na minha varanda.

E é aí que as semelhanças terminarão. Como muitos pais ficam felizes e aliviados por voltar a uma rotina, fico apenas com o nervosismo e a ansiedade. As férias na minha casa são felizes. Minha filha é uma criança que consegue explorar o ar livre e experimentar a vida como uma criança despreocupada e curiosa. Ela brinca com as crianças vizinhas até a hora de dormir e explora os acampamentos no fim de semana. Ela faz tortas de lama e recolhe a sujeira sob as unhas que precisam ser cortadas e esfregadas com frequência.

Infelizmente, a escola traz outras experiências. A criança que brincou despreocupada até a hora de dormir com os vizinhos é a mesma criança que é frequentemente vista sentada com seu professor assistente no almoço e brincando sozinha no playground. As unhas que cresceram e coletaram sujeira durante as férias foram substituídas por unhas mordidas, cortadas e mastigadas, tanto que suas camisas frequentemente chegam em casa ensanguentadas ou, em dias realmente ruins, têm que ser trocadas completamente.

A garota que conversava sem parar com a família e os amigos é a mesma garota que é quieta e reservada na escola, frequentemente calada quando é chamada ou quando alguém faz uma pergunta. A criança que conseguia explorar durante as férias e realizar atividades variadas é a mesma criança que perde o foco e não consegue se concentrar em assuntos da escola.

Minha filha tem deficiências de aprendizado invisíveis.

Muitas delas.

No entanto, por trás delas, ela é uma criança como todas as outras. Aliás, se olharem bem, verão que ela tem muito a ensinar também a vocês e seus filhos.

***

Tradução adaptada. Do original: As This School Year Begins, Please Teach Your Children to Be Kind” , de Laura Smith

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


*O conteúdo do texto acima é de responsabilidade do autor e não necessariamente retrata a opinião da página e seus editores.


Compartilhar

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




REDAÇÃO PSICOLOGIAS DO BRASIL
Os assuntos mais importantes da área- e que estão em destaque no mundo- são a base do conteúdo desenvolvido especialmente para nossos leitores.