A permissão dos pais funciona como uma autorização para os filhos. Criar é fácil, difícil é educar. Assim, não basta permitir, mas conferir à permissão um caráter educativo. Muitas permissões nascem da impaciência, do cansaço, da preguiça, do comodismo e da perda de referência dos pais para educar. Educar dá muito trabalho. E essa permissão, às vezes, está implícita no olhar ou até mesmo no tom de voz, apesar de a frase ser proibitiva: “não pode”.

Quantas vezes ouvimos uma proibição com tonalidade de permissão! Por exemplo, a criança vai fazer algo e a mãe fala não. Ela percebe o tom vacilante da mãe, aproveita a brecha e faz assim mesmo. nada lhe acontece. É a confirmação de que o não da mãe, no fundo, era um sim.

A criança está descobrindo o mundo. Tudo é novidade. O pode/não pode é um critério estabelecido pelos pais que terá consequências na conceituação da liberdade pessoal. É muito diferente o pai que permite e transmite ao filho o verdadeiro conceito da liberdade daquele que, exigindo demais, torna o filho um eterno revoltado.

Livro: Disciplina – Limite na medida certa, de Içami Tiba. Editora Integrare.

Conheça mais textos do autor em sua página oficial

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


*O conteúdo do texto acima é de responsabilidade do autor e não necessariamente retrata a opinião da página e seus editores.


Compartilhar

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Psicologias do Brasil
Informações e dicas sobre Psicologia nos seus vários campos de atuação.