Quantas vezes eu chorei secretamente sem saber que a vida estava me fazendo um favor, sem entender que o que aconteceu não foi o fim do mundo, mas o começo de algo melhor. Porque existir é reiniciar de novo e de novo, é fechar uma janela para abrir uma porta enquanto secamos as lágrimas para quem nunca mereceu.

Albert Einstein costumava dizer que, se havia alguma coisa pela qual ele era grato, era para todas aquelas pessoas que durante toda sua vida disseram “não” a ele. Cada uma das decepções sofridas por aqueles que se recusaram a ajudá-lo na época, permitiu-lhe mais tarde encontrar aquele motivador com o qual aprender a fazer as coisas por conta própria. Ser mais forte.

Ninguém sabe o quanto eu chorei, nem tudo o que essas lágrimas me ensinaram. Hoje eu sou o resultado de cada um desses gritos silenciosos que deixei escapar, e não por causa da fraqueza, mas por causa do cansaço de ser forte. Há momentos em que simplesmente não aguentamos mais. O estresse emocional causado por tantas decepções, fracassos e para cada “não” encontrado na estrada, nos obriga a parar. É quando o desamparo e a sensação clara de que perdemos o controle sobre nossas vidas aparecem.

Judith Orloff, um psiquiatra e autor do livro “Emotional Freedom, como parar de ser vítimas de emoções negativas”, diz-nos que o primeiro passo para promover o equilíbrio interno está chorando. Depois das lágrimas vem a calma e depois a clareza. Nós convidamos você a refletir sobre isso.


O que eu chorei pelo que aprendi: sofrimento útil

 

É muito possível que se agora você pudesse viajar para o seu próprio passado, sentiria compaixão por si mesmo quando a visse chorar por razões que nunca valeram a pena. Todas aquelas lágrimas derramadas por alguém que nunca mereceu nosso carinho ou por cada momento de angústia por um projeto ou sonho que nunca valeu a pena, são agora memórias inesquecíveis. Sonhos quebrados, mas úteis ao mesmo tempo, inscritos naquelas nuvens passageiras de nossos ciclos de vida.

Agora, deve notar-se que ninguém vem a este mundo “sabendo” de fábrica. As lágrimas são como ritos de passagem que temos que experimentar para continuar crescendo, para saber “quem faz e quem não faz”, para nos testar e medir nossas forças.

Na psicologia, muitas vezes fala-se do que é conhecido como “sofrimento inútil”. É um termo que chama nossa atenção e, acredite ou não, acontece mais do que pensamos. Refere-se àqueles momentos em que, quanto mais conscientes da nossa dor, mais nos perpetuamos nela.

Exemplos seriam aqueles relacionamentos de casais tempestuosos, onde, longe de terminar e nos libertar da dor, nós caímos ainda mais profundamente em sua areia movediça. Enquanto o sofrimento útil tem um fim e nos permite liberar lastros para nos limparmos dentro e aprendermos, o inútil nunca dará lugar ao luto, à mudança. Para o crescimento interior.

Depois da dor vem a oportunidade

É muito possível que você tenha ouvido em muitas ocasiões a expressão de que “somente quem sofreu pode entender o que a vida realmente é”. Deve ser dito que isso não é bem verdade. A felicidade também ensina, também nos oferece recursos adequados. Agora, a adversidade é essa travessia no caminho que a maioria de nós terá que passar.

Eu também chorei por coisas que não valeram a pena, por sonhos que o vento levou e por doces desejos que se tornaram amargos.

Quando sentimos dor em uma de suas formas, não seremos mais os mesmos. Portanto, é necessário promover “um sofrimento útil” de que falamos anteriormente, o que nos permite aprender a ser mais capazes, melhores estrategistas com mentes resilientes e pessoas capazes de ver novas oportunidades. Porque apesar de pensarmos que a vida nos deu um sonoro “não”, às vezes nada mais é do que “espere um pouco mais”.

Judith Orloff, no livro mencionado no início do artigo “liberdade emocional, como parar de ser vítimas de emoções negativas” nos ensina a ver as oportunidades em tempos de escuridão é necessário gerar calma interior adequada.

O alívio emocional é um mecanismo adequado e libertador para acalmar a mente e ver as coisas de maneira diferente.

Uma vez que tenhamos chorado por esse desapontamento, por essa ruptura ou por esse fracasso, é necessário gerar a mudança. Agora, um erro no qual muitas vezes caímos é esperar que algo aconteça ao nosso redor para encontrar uma motivação, um propósito que nos permita continuar avançando para deixar para trás o que aconteceu.

Esta não é a abordagem mais correta. A coisa mais bem sucedida é “ser a própria mudança”. Longe de esperar do lado de fora, você tem que induzi-lo por dentro. Porque quando alguém pára de esperar e reage, a vida muda. No final do dia, é nesses momentos de dificuldade pessoal que descobrimos quantas forças existem dentro de nós e tudo o que somos capazes de fazer. Porque, mesmo que você não acredite, somos como carvalhos, porque quanto mais o vento os atinge, mais fortes eles crescem.

TEXTO TRADUZIDO DE LA MENTE ES MARAVILLOSA

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


Compartilhar

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




REDAÇÃO PSICOLOGIAS DO BRASIL
Os assuntos mais importantes da área- e que estão em destaque no mundo- são a base do conteúdo desenvolvido especialmente para nossos leitores.