Muitas vezes caímos em algumas dinâmicas muito prejudiciais para nós em nossos relacionamentos interpessoais, especialmente nos do casal, onde afirmamos que algum comportamento ou ação do outro está nos prejudicando e a outra pessoa não para de fazê-lo.

Então, de quem é a responsabilidade de se machucar de novo e de novo?

Bem, aqui sempre haverá duas posições, aquela de quem afirma que a responsabilidade é de quem prejudica e de quem sustenta que a responsabilidade é de quem está ferido.

Pessoalmente, tenho a tendência de ir para o segundo. Há mensagens claras, embora seja doloroso para nós recebê-las. Quando uma pessoa mantém uma atitude que nos fere, ele deliberadamente decide tomar uma opção que nos torna vulneráveis ​​ao seu comportamento, ele não se importa com o efeito que pode ter sobre nós, ele sabe que isso nos machuca e continua a fazê-lo … Bem, essa pessoa obviamente um problema, mas isso não deve pertencer a nós.

O fato de que nós fazemos o nosso e nos submetemos ao comportamento ofensivo do outro, nos faz adotar um papel de vítima, no qual damos o controle da situação. A primeira vez que saiu ferido por alguém de sua responsabilidade, mas a partir daí, é nossa, nós decidimos confiar, dar-lhes outra chance, vá em frente, etc … E se alguém ainda é a mesma coisa que acontece uma e outra vez, você realmente esperar uma mudança positivo para você da outra pessoa?

Existem, certamente, aqueles que temem a perda torna mudar ou pelo menos simular a mudança, no caso da segunda opção, não é algo a ser sustentado ao longo do tempo e, mais cedo ou mais tarde, eles acabam correndo as mesmas ações que prometeram deixar do lado

Não é meu prazer generalizar, há pessoas que ao mesmo tempo tomam para si um aprendizado e exploram para uma segunda chance, mostrando uma versão melhor delas, antes de seu parceiro e antes de si.

No entanto, deve-se notar, em uma cor bem espalhafatosa, quando nós deixarmos ele, deixá-lo ir, perdoar, aceitar comportamentos que nos ferem, estamos ensinando a outra nossos limites e como podemos tentar e abusos nascem aqui.

É lamentável, às vezes amamos muito alguém, mesmo a despeito das feridas que gera, mas é um ato de sobrevivência reconhecer quando já temos tempo suficiente, essa pessoa não vai nos oferecer o que queremos e é preciso tomar mais medidas radicais

Certamente há uma questão pessoal que devemos rever e tentar não atrair tais situações ou pessoas de volta a nossas vidas, mas é crucial ter a coragem necessária para reconhecer que não vale a pena repetir a mesma coisa repetidas vezes, nem derramar lágrimas geradas pela mesma coisa de novo e de novo …

Se você não gosta de como te amam, vá embora … Se você não vai sair, pare de sofrer, mude sua atitude, estenda os limites da tolerância, mas pare de amargura e sofrimento … Comece a ase amar um pouco mais a cada dia e mais cedo ou mais tarde, você vai perceber que isso não se encaixa em sua vida e essa pessoa vai parar de ferir você ou vai se afastar completamente para longe de sua vida.

Por: Sara Espejo – Rincón del Tibet

Foto por me neosiam da Pexels

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


*O conteúdo do texto acima é de responsabilidade do autor e não necessariamente retrata a opinião da página e seus editores.


Compartilhar

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




REDAÇÃO PSICOLOGIAS DO BRASIL
Os assuntos mais importantes da área- e que estão em destaque no mundo- são a base do conteúdo desenvolvido especialmente para nossos leitores.