Alessandra Teixeira resolveu etiquetar o material escolar da filha, motivada por uma publicação na internet. Ao invés de colocar apenas o nome de Thainá, a mãe fez várias frases amorosas e de incentivo nos lápias e cadernos da filha.

“A minha intenção ao escrever as frases foi para que a Naná sempre se lembre de mim, mesmo quando eu estiver ausente. Que ela possa sempre se recordar dos valores que eu procuro passar para ela”, disse a mãe amorosa de ‘Naná’.

A ideia de Alessandra parece simples, mas é uma estratégia bastante interessante para outros pais. Pequenas atitudes como essa podem representar melhora no desempenho social e escolar da criança. Ter objetos, lembranças que remetam à segurança do lar e proteção das pessoas cuidadoras, confere autoconfiança aos pequenos que traz grandes benefícios a médio e longo prazo. Coisas que nos lembraremos por toda a vida.

Bilhetes, por exemplo, que a criança possa ter acesso longe da presença dos pais, com mensagens e conselhos dos valores familiares reforçam a presença do afeto. Não é a complexidade do ato de Alessandra, é o tanto que essa atitude tem o poder de afetar positivamente a autoestima de sua filha. Cada criança e cada cuidador é diferente, mas vale a pena pensar meios de deixar marcado, explicitamente, esse cuidado.

O testemunho da pequena Thainá confirma essa ideia. Ela diz que “se sentiu muito amada por Deus e pela mamãe.” Aqui está a chave para filhos saudáveis. O que você pode fazer para que eles saibam do seu amor? Faça essa pergunta a eles! Ou surpreenda como Alessandra fez!

***

Com informações de Tribuna de Jundiaí

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


*O conteúdo do texto acima é de responsabilidade do autor e não necessariamente retrata a opinião da página e seus editores.


Compartilhar

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




REDAÇÃO PSICOLOGIAS DO BRASIL
Os assuntos mais importantes da área- e que estão em destaque no mundo- são a base do conteúdo desenvolvido especialmente para nossos leitores.