A solidão, para mim, pode não parecer o mesmo que a solidão para você – é uma experiência altamente subjetiva e as mesmas circunstâncias que me fazem sentir à deriva no mar da humanidade podem não ter o mesmo efeito em você. Em suma, a solidão resulta quando sentimos que nossa rede de apoio social não está nos fornecendo o apoio de que precisamos em um dado momento. E enquanto há momentos em que nós absolutamente desejamos um “tempo sozinho”, a solidão é exatamente o oposto para a maioria das pessoas – é um buraco que desejamos preencher, não um lugar que queremos abraçar.

É uma questão de qualidade, NÃO de quantidade

A solidão, porém, é algo que realmente significa muito mais do que apenas uma pessoa estar sozinha em algum momento. A solidão é uma função da necessidade afetiva e reflete a ausência de conexão, não a ausência de pessoas. É por isso que podemos nos sentir solitários mesmo quando estamos na multidão. Na verdade, estar no meio de uma multidão pode nos fazer sentir ainda mais solitários, se estivermos sozinhos, não com membros de nossa rede de suporte conhecida e não conseguirmos nos conectar com aqueles que nos rodeiam.

Tipos de solidão

De uma perspectiva existencial, um pouco de solidão existencial é bom para a alma e é definitivamente uma parte inevitável da experiência humana. No entanto, a solidão tende a provocar sentimentos negativos e isso é algo que pode ser útil em termos de autoexploração, eles também são algo que somos avessos e queremos evitar o máximo que podemos.

Solidão emocional é a sensação de que você não tem relacionamentos ou apegos. Você pode experimentar solidão emocional quando todos têm um parceiro romântico no seu grupo, menos você.

A solidão social ocorre quando você não sente a sensação de pertencer a um grupo. Você pode até sentir solidão social quando estiver em um relacionamento romântico com um parceiro que você valoriza. Se você não sente que sua presença é valorizada em um círculo mais amplo, você pode experimentar a solidão social.

Por fim, há o fator cronicidade da solidão. Pode ser um sentimento transitório, um sentimento situacional ou um sentimento crônico. A maioria das pessoas pode ter um sentimento passageiro de solidão ocasionalmente; esses sentimentos transitórios são normais e naturais.

A solidão situacional pode ser um sentimento mais agudo de ausência, especialmente quando é acompanhado por alguma outra transição significativa – estar sozinho no almoço em um novo emprego, mudar para um novo lugar como um cônjuge e se sentir abandonado, quando seu cônjuge vai trabalhar e você é deixado desolado no novo lugar, sem conexões.

A solidão crônica, no entanto, pode crescer a partir da solidão situacional que não é abatida e é definida como a solidão que dura mais de dois anos. Isso é muito tempo para se sentir desconectado, sem senso de pertencimento!

A cura da solidão?

Existem muitos, muitos estudos que tentaram apontar uma simples “cura” para a solidão, já que ela tem sido associada ao bem-estar psicológico e físico. E, embora também pensemos que a solidão é mais uma “reclamação de velho”, os jovens de hoje são a geração mais solitária que existe – Geração Solitária, aparentemente.

Algumas das maneiras pelas quais os pesquisadores tentaram combater a solidão incluem esses quatro modos (Masi, Chen, Hawkley & Cacioppo, 2010):

  1. Aprimoramento de Habilidades Sociais – ensinar as pessoas a interagirem e serem mais efetivas em ambientes sociais.
  2. Melhoria do Suporte Social – agendamento de interações e organização de conexão social.
  3. Aumento do Contato Social – facilitar oportunidades adicionais de interação social.
  4. Mudar Pensamentos / Crenças sobre Interações Sociais / Suporte.

Adivinha? O método mais eficaz para combater a solidão não estava relacionado a habilidades sociais aprimoradas ou aumento de oportunidades de conexão social; a maneira mais eficaz de combater a solidão é mudar nossos pensamentos sobre situações sociais e interação social.

A solidão pode ser um estado de espírito?

Há perigos que se escondem se a solidão não for abordada e quando não é percebido um sentimento de pertencimento. A solidão pode se transformar em depressão e, quando a depressão está entrincheirada, a situação piora – um dos sintomas da depressão é a falta de interesse em se envolver com o mundo social. Pode ser muito desafiador forçar-se a abandonar as crenças negativas sobre você e os outros se sua mente estiver presa em um estado depressivo.

Pessoas solitárias muitas vezes têm níveis mais baixos de autoestima, assim como níveis mais altos de comparação social e ansiedade social. Se uma pessoa não se sente confiante em sua própria pele, pode ser incrivelmente difícil para ela se aventurar em um grupo e tentar fazer conexões sociais. No entanto, a pesquisa mostra que, se uma pessoa é capaz de mudar seus pensamentos sobre esse tipo de passo, é muito mais provável que ela comece a diminuir seus sentimentos de solidão.

Os jovens adultos geralmente sentem que não há tempo para uma conexão autêntica, mas até que mudem suas crenças sobre o valor da conexão com o bem-estar geral – e, em última análise, com o sucesso acadêmico e a satisfação com a vida – eles podem continuar se recuperando enquanto percorrem o caminho solitário para a conclusão do projeto.

A solidão também é um perigo para a saúde

Algumas pesquisas recentes identificaram a solidão e a falta de conexão social como um grave risco à saúde, que pode ser tão letal quanto o fumo ou a obesidade. No entanto, a maioria das pessoas subestima a importância de ter um sistema de suporte social intacto (Haslam et al., 2018). Das pessoas com maior probabilidade de desvalorizar o papel da conexão social, homens e pessoas mais jovens estavam no topo da lista. Alguns de nós podem achar que isso faz sentido – as mulheres tendem a se envolver mais ativamente na manutenção das redes sociais. E também sabemos que passamos mais tempo focando a educação em saúde, na prevenção de comportamentos de risco e escolhas de saúde negativas sobre os jovens do que em escolhas pró-sociais relacionadas à saúde.

A questão é que o nosso bem-estar psicológico está ligado ao nosso bem-estar físico e, quando você priva o seu coração e a sua mente de conexão social, também está privando o seu corpo de algo de que precisa.

  • Lembre-se de que há outras pessoas que têm dificuldades para se conectar, mas se você não se esforçar, o fracasso é certo.
  • Lembre-se de que quanto melhor você se sentir em relação a si mesmo, melhor os outros se sentirão sobre você também. A solidão é tão contagiante quanto a estima positiva. Quando você age como se fosse alguém que vale a pena conhecer, os outros acreditarão que vale a pena e também o tratarão dessa maneira.
  • Lembre-se de que você não precisa encontrar uma dúzia de “melhores amigos” para colher os benefícios de saúde da conexão; você só precisa encontrar uma ou duas pessoas que te deixam ser você e você as deixa ser elas. Não, nem sempre é fácil dar o primeiro passo e alcançar amigos em potencial, mas isso é factível e essencial.

***

Tradução CONTI outra. Do original Loneliness: Is It All in Your Head?

Foto de Soroush Karimi no Unsplash

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


*O conteúdo do texto acima é de responsabilidade do autor e não necessariamente retrata a opinião da página e seus editores.


Compartilhar

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




REDAÇÃO PSICOLOGIAS DO BRASIL
Os assuntos mais importantes da área- e que estão em destaque no mundo- são a base do conteúdo desenvolvido especialmente para nossos leitores.