Os transtornos de personalidade surgem quando o modo de ser, pensar e sentir da pessoa se afasta da normalidade, alterando seu funcionamento cotidiano, causando desconforto e impedindo que ela se adapte às situações cotidianas da vida (social, profissional, pessoal, …). Hoje vamos conhecer uma desordem muito específica, a desordem da instabilidade emocional da personalidade, caracterizada por uma impulsividade acentuada, juntamente com um humor instável e caprichoso.

O distúrbio na CID-10 e DSM-5

Transtorno de instabilidade de personalidade emocional é um transtorno incluído no CID-10, mas não no DSM-5 (Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais). A classificação da CID-10 para transtornos de personalidade, comparada com a do DSM-5, é mais complexa e estruturada. A CID-10 (Classificação Internacional de Doenças) agrupa transtornos de personalidade em diferentes categorias:Transtornos de personalidade específicos (onde o Transtorno de Distúrbio Emocional é encontrado).

Transtornos mistos e outros transtornos de personalidade.

Transformações persistentes da personalidade. Define a desordem da instabilidade emocional da personalidade como a existência de uma acentuada predisposição para agir de maneira impulsiva, sem levar em conta as conseqüências, juntamente com um humor instável e caprichoso. Nesse padrão de comportamento, a capacidade de planejamento é mínima e o aparecimento de intensas explosões de raiva, que levam a atitudes violentas ou demonstrações explosivas, é frequente;

Estes são facilmente provocados por receber críticas ou por serem frustrados pelo sujeito em seus atos impulsivos. Duas variantes deste transtorno de personalidade são diferenciadas, que compartilham os aspectos gerais da impulsividade e falta de autocontrole. São as seguintes:

Desordem da instabilidade emocional do tipo impulsivo

É caracterizada por instabilidade emocional e falta de controle de impulsos. Além disso, há explosões freqüentes de violência ou comportamento ameaçador, especialmente quando criticados por terceiros.Inclui para seu diagnóstico a Personalidade explosiva e agressiva e o distúrbio de Personalidade explosivo e agressivo, e exclui o diagnóstico do Transtorno Dissociativo de Personalidade.

Desordem da instabilidade emocional da personalidade limítrofe.

Nela aparecem características de instabilidade emocional, além de distorções da imagem corporal, dos próprios objetivos e da imagem íntima (que aparecem de forma confusa ou alterada). Há também um sentimento de vazio e a facilidade de se envolver em relacionamentos interpessoais intensos e instáveis, que podem gerar crises emocionais repetidas e serem acompanhados por uma sucessão de ameaças suicidas ou atos autodestrutivos.

Atos autodestrutivos também podem ocorrer sem fatores precipitantes claros. Assim, uma tendência à auto-lesão aparece. Inclui personalidade limítrofe e transtorno de personalidade limítrofe para o diagnóstico. No DSM-5, o transtorno da instabilidade emocional da personalidade limítrofe da CID-10 corresponde ao transtorno de personalidade limítrofe (TPL).

Tratamento da impulsividade e controle de impulsos

Vamos ver como esses dois transtornos de personalidade podem ser tratados no cenário clínico. Focalizando o primeiro subtipo, o distúrbio de instabilidade emocional da personalidade do tipo impulsivo, podemos diferenciar duas áreas a serem abordadas: impulsividade e controle de impulsos. Para impulsividade, técnicas de treinamento têm sido propostas em autoinstruções e resolução de problemas (embora as primeiras sejam mais voltadas para crianças e adolescentes, elas também podem ser usadas em adultos).

O treinamento de auto-instrução é uma técnica pela qual o sujeito se dá um conjunto de ordens ou instruções para a regulação autônoma de seu próprio comportamento. O objetivo é proporcionar à criança ou ao adolescente uma maneira rápida e eficaz de atuar para alcançar o sucesso em uma tarefa ou comportamento, impedindo-o de agir impulsivamente. A técnica de resolução de problemas, por outro lado, tem o objetivo de resolver os problemas através de etapas bem definidas e com a divisão do problema em pequenas partes.

Para o controle de impulsos, no nível psicológico e comportamental, as técnicas de exposição podem ser usadas com prevenção de resposta (por exemplo, para o jogo patológico associado a esse transtorno de personalidade), juntamente com a terapia cognitiva. No nível farmacológico, para o controle de impulsos podem ser utilizados: neurolépticos, antidepressivos, lítio e antiepiléptico, entre outros.

Tratamento do transtorno de personalidade borderline

A terapia que até o momento se mostrou mais eficaz para o transtorno de personalidade limítrofe é a terapia dialética comportamental, desenvolvida pelo psiquiatra Marsha Linehan no final dos anos 90. A terapia eleva a DBP como um distúrbio da desregulação emocional. Segue uma abordagem integrativa e baseia-se em princípios comportamentais e cognitivos, juntamente com elementos de Mindfulness.

Texto traduzido e adaptado de Psicología y Mente

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


Compartilhar

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




REDAÇÃO PSICOLOGIAS DO BRASIL
Os assuntos mais importantes da área- e que estão em destaque no mundo- são a base do conteúdo desenvolvido especialmente para nossos leitores.