O amor que é preciso ser implorado não é amor, é falta de dignidade, respeito por si mesmo. Porque quando você realmente ama alguém, você cuida e evita a dor se puder fazê-lo. Portanto, se você não cuida desses “falsos amores”, se não evitar a dor, não estará amando a si mesmo. Nesse sentido, fazer isso é o primeiro passo para viver plenamente o amor, de modo a não cair em manipulação, abuso ou vitimização. Provavelmente, nessa situação, pensamos e sentimos que o sofrimento é inevitável, mas isso não é verdade.

A dor por amar aqueles que não te amam

Perceber e dizer adeus a um amor que não nos ama e que não nos mostra atenção ou carinho exige que respeitemos nosso tempo de luto. Uma dor que requer em si um espaço para entender o que nos aconteceu. A dor do amor precisa de reflexão e superação, porque a angústia de perceber que alguém não nos ama nos faz sentir que algo nos devora por dentro. Nós sentimos que esse “nenhum amor” traiu nossos sentimentos e riu de nossa capacidade de amar.

Você tem que se permitir ficar com raiva, negar a realidade, fantasiar. Conhecer as partes que foram quebradas e aquelas que permanecem intactas, recompor os sentimentos contraditórios, etc. Tudo isso é essencial para nos amar, nos sentirmos importantes e valorizarmos a nós mesmos. No final do dia, quando um “não há amor” é deixado para trás, inicia-se um processo de liberdade emocional enquadrado no bem-estar pelo adeus à dor.

A falta de interesse mata o amor

O amor deve ser demonstrado, não implorado. Fazer isso é sujeitar nossa capacidade de amar o pior dos executores: a indiferença. A indiferença vive do desequilíbrio em uma relação e se sustenta graças à debilidade das fundações. Não há nada melhor que os sinais de desinteresse continuado para começar a abrir nossos olhos quando nos sentimos compelidos a fechá-los.

Então percebemos que nem todo “amor” é amor verdadeiro, que nem sempre “querer” é reciprocidade e que, para ser feliz como casal, é necessário que ambos os membros riam juntos, sejam cúmplices e bons amantes. Somente na ausência de mentiras, desculpas e desinteresse pode ser criado um amor que essencialmente baseia sua liberdade em comportamentos saudáveis e não em subjugações.

Nós merecemos um relacionamento que ter a liberdade de escolher, estar perto, seja baseado em apreciação, tempo compartilhado e pensamentos de afeto mútuo.

É necessário nutrir nossa autoestima, nos amar bem

Ninguém pode fazer você infeliz sem o seu consentimento. Para construir um relacionamento feliz você tem que importar, amar e valorizar a si mesmo. Ou seja, devemos mostrar que nos amamos todos os dias.

Uma vez que tenhamos isso, estaremos em posição de não procurar alguém que não sinta falta de nós e não demonstre nenhum interesse, não se entregue ao carrasco emocional da indiferença que pretendemos enfrentar com mensagens ignoradas ou silêncios infundados.

Não importa o amor que nos desaponta, não importa se sentimos que estamos próximos do amor da nossa vida ou que não acreditamos no amor eterno. O verdadeiro e indispensável amor é o amor por si mesmo e será a partir deste sentimento que poderemos nos separar e entender o que merecemos e o que não merecemos.

TEXTO TRADUZIDO DE LA MENTE ES MARAVILLOSA

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


Compartilhar

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Psicologias do Brasil
Informações e dicas sobre Psicologia nos seus vários campos de atuação.