Mais cedo ou mais tarde, a decepção vai bater à sua porta. Pode ser uma decepção amorosa ou no trabalho. Um projeto que não se concretizou. Algo que fez você se animar, mas não deu certo. A perda de algo ou alguém importante para você… De fato, você sabia que as pessoas que se sentem desapontadas têm um risco maior de sofrer problemas físicos e emocionais? Essas pessoas geralmente têm mais dores de cabeça e dificuldades gastrointestinais, bem como estresse crônico e depressão. A boa notícia é que o desapontamento, como tudo na vida, tem duas faces: você pode deixar que você se sinta na tristeza mais profunda ou aprenda a lição e siga em frente.

A Desilusão é alimentada pela lacuna entre suas expectativas e a realidade

Desilusão é uma forma de tristeza, uma sensação de perda que ocorre como resultado de uma lacuna dolorosa entre suas expectativas e a realidade. Você fica desapontado quando suas esperanças não encontram apoio na realidade. De fato, o filósofo Eric Hoffer disse que “a decepção é um tipo de falência: a falência de uma alma que gastou muito em esperança e expectativa”.

Se apenas se preparar para obter o melhor e para tudo correr bem, os contratempos que você encontrará ao longo do caminho irão desencorajá-lo. Quando você pensa que precisa de algo para ser feliz ou se sentir satisfeito, quando você alimenta muitas expectativas, você está se preparando para uma grande decepção.

É claro que nem sempre podemos evitar o desapontamento porque nosso cérebro está programado para antecipar eventos e muitas vezes esperamos o melhor. Acreditamos que o projeto que nos deixa tão empolgados e em que investimos tanto tempo e esforço se concretizará. Nós confiamos que os outros se comportam corretamente. Nós confiamos que nosso parceiro nos apoiará… No entanto, às vezes as coisas dão errado. Então a decepção chega. Não podemos evitar, mas podemos decidir como reagir. Embora as decepções não sejam agradáveis, elas nos fornecem informações valiosas sobre nós mesmos, nossas expectativas e outras pessoas. Toda decepção vem com um ensinamento, cabe a nós tirar vantagem disso.

Obviamente, ficar preso no desapontamento não é uma boa ideia. O evento já aconteceu. É passado. Você não pode voltar para mudar isso. Pode refletir sobre o que aconteceu, e é conveniente fazê-lo para que você possa aprender, mas você não pode esquecer que está olhando em um retrovisor. Ao dirigir, de vez em quando você deve olhar no espelho retrovisor, mas durante a maior parte da jornada você deve continuar olhando para frente, no futuro. Se você olhar muito para trás, você se exporá a sofrer um acidente com consequências sérias.

Desilusão é também uma grande mestre da vida, é simplesmente dizer-lhe que, por algum motivo, você acabou no lugar errado. A desilusão o alerta de que você está vivendo uma situação da qual não gosta e, portanto, deve se tornar um agente de mudança, uma razão para reagir e deixar aquele lugar onde não se sente confortável. Em vez de se lamentar , você deve se perguntar por que acabou lá e, acima de tudo, o que você pode fazer para não voltar àquele lugar.

Os 4 cavaleiros do apocalipse das grandes decepções

1. Se você ficar creditando que apenas uma coisa pode te trazer felicidade.

A exposição constante à publicidade transmite a ideia de que só podemos ser felizes se tivermos certas coisas. Dessa maneira, podemos começar a subordinar nossa felicidade ao nível aquisitivo. Sem perceber, deixamos as coisas determinarem como somos felizes. E quando não conseguimos o que queremos, nos sentimos desiludidos e infelizes.

O engraçado é que obter certas coisas não é garantia de felicidade. De fato, muitas vezes, quando chegamos a algumas coisas, percebemos que elas não dão a alegria e a satisfação que esperávamos. A satisfação que as coisas nos dão é muito efêmera. Pelo contrário, as experiências que desfrutamos nos dão uma felicidade mais duradoura. Portanto, é uma falácia pensar que só podemos ser felizes se conseguirmos certas coisas materiais.

2. Quem acredita que há apenas uma pessoa que pode satisfazer nossos desejos.

As maiores decepções geralmente vêm de nossos relacionamentos interpessoais. Quando esperamos que os outros se comportem de uma certa maneira e eles não o fazem, nos sentimos desapontados. O problema, obviamente, está nas nossas expectativas.

Em muitos casos, somos vítimas do “Efeito Aura”, segundo o qual, arbitrariamente, atribuímos qualidades positivas ou negativas às pessoas de acordo com nossas primeiras impressões. Na prática, fazemos inferências a partir de características isoladas, sobre como essas pessoas irão se comportar. Quando essas expectativas não são satisfeitas, nos sentimos desapontados. Quando colocamos esperança em uma pessoa e ela não nos satisfaz, ficamos desiludidos.

Nós não podemos escapar do efeito aura, mas podemos estar conscientes da sua existência. Em vez de pensar: “você deveria se interessar por mim” e se sentir mal se isso não acontecer, devemos nos perguntar: “o que podemos fazer para tornar essa pessoa interessada em mim?” Basicamente, trata-se de tomar conta da situação, ciente de que há uma margem para o desapontamento, em vez de apenas alimentar as expectativas.

3. Quando?! Definir um limite de tempo para conseguir o que quer.

Não apenas temos expectativas sobre o que queremos alcançar, mas também sobre o cronograma em que queremos obtê-lo. Infelizmente, uma sociedade que se transforma em uma velocidade estonteante, onde as necessidades são rapidamente satisfeitas assim que aparecem, nos faz pensar que devemos ter tudo, imediatamente. Se não alcançarmos nossos objetivos rapidamente, nos sentimos desiludidos, acreditamos que fracassamos.

Nós não percebemos que muitas vezes a vida está dizendo apenas “espera”, ao invés de não. Todos nós temos o nosso próprio ritmo, comparando-nos com os outros é totalmente contraproducente. Não devemos colocar prazos muito curtos, especialmente quando nossos sonhos são muito ambiciosos. A vida não é uma corrida de velocidade, mas de resistência. Portanto, não imponha limites de tempo arbitrários e irrealistas.

4. Como? Nós organizamos ideias rígidas sobre como as coisas devem ser.

Talvez a mais difícil expectativa de que devemos desistir para evitar o desapontamento seja como devemos fazer as coisas, como devemos nos sentir e pensar e como os outros devem se comportar. É normal que quando definimos determinados objetivos ou nos envolvamos em um relacionamento, estabeleçamos um roteiro. Esse roteiro prevê como tudo vai.

A vida vai tomar cuidado para nos informar que não podemos controlar tudo. Se você tem esquemas muito bem elaborados e se apega a eles, é mais provável que se sinta desapontado. Existem diferentes maneiras de atingir o mesmo objetivo, temos que nos manter abertos a todas as possibilidades. Se a vida não funciona de acordo com o seu roteiro, isso não significa que você não pode conseguir o que deseja, mas apenas que precisa mudar a estratégia.

De fato, Abraham Maslow explicou que uma das características das pessoas auto-realizadas é a capacidade de distinguir os meios dos fins. Essas pessoas são capazes de permanecer focadas em seus objetivos, estando abertas a diferentes meios para alcançá-los. A vida muda as regras do jogo continuamente, a chave é saber como se adaptar e aproveitar as oportunidades.

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


*O conteúdo do texto acima é de responsabilidade do autor e não necessariamente retrata a opinião da página e seus editores.


Compartilhar

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




REDAÇÃO PSICOLOGIAS DO BRASIL
Os assuntos mais importantes da área- e que estão em destaque no mundo- são a base do conteúdo desenvolvido especialmente para nossos leitores.