Até agora foi considerado como um dos passos finais na consolidação de um casal a decisão de morar juntos na mesma casa. Compartilhar espaço, rotinas e, ocasionalmente, bens comuns foi o ponto de virada para um relacionamento consolidado.

No entanto, há agora um número crescente de pessoas que decidem prolongar essa decisão, apesar de manterem relacionamentos estáveis. De certa forma, isso parece indicar que uma porcentagem da sociedade está aprendendo a gostar do fato de viver sozinha, embora seja verdade que outros tomem essa decisão por outros motivos.

Parece que um relacionamento estável não é incompatível com a vida plena de cada um sem ter que dividir espaço.

Segundo os últimos estudos, esta situação é de natureza global, pelo menos no Ocidente e, além disso, não é exclusiva de um país ou comunidade específicos. De fato, 35% das pessoas que moram sozinhas relataram que estão em uma situação sentimental estável, mas sem coabitação.

Estes dados não variam em excesso entre homens e mulheres, sendo estes últimos os mais numerosos em apenas 1%. Agora, o que parece ser um fator crucial é a idade, e não o gênero. Assim, parece que os idosos são menos influenciados pelas pressões sociais de formar um parceiro e coexistir com ele.

Os dados por idades

Entre as pessoas com mais de 51 anos que iniciam novos relacionamentos, apenas 22% relatam que seus planos futuros incluem a ideia de dividir uma casa com seu parceiro atual. A maioria deles considera importante manter seu estilo de vida sem afetar a qualidade de seu novo relacionamento.

No entanto, apenas metade das pessoas que estão entre as idades de 31 e 40 hoje e que têm relações estáveis ​​mantêm a coexistência nos próximos dois anos. Por outro lado, nas idades mais jovens, a não-convivência nos primeiros estágios do relacionamento é considerada um passo fundamental, além de colocar a formação e o desenvolvimento profissional antes de conviverem juntos como casal.

Quais são as razões pelas quais você não quer viver como um casal?

Este fenômeno parece responder a várias razões. Assim, o fato de ter vivido anteriormente com outro parceiro é o fator que mais se relaciona com a probabilidade de viver como casal, mas cada um em casa.

A experiência mostra que viver cada um em casa faz com que o casal se sinta mais livre no relacionamento e com a capacidade de fazer amizades fora dele. Eles também se sentem menos pressionados em face de conflitos trabalhistas domésticos e questões financeiras em comum.

Pessoas que decidem viver como um casal, mas todos em sua casa relatam que se sentem à vontade com a preservação de sua privacidade sem abrir mão da intimidade com seus parceiros. Muitos deles consideram que esta é também uma maneira menos traumática de sair de um relacionamento, se fosse esse o caso.

Casais que duram

O engraçado é que essa nova maneira de entender as relações não parece reduzir a qualidade ou a duração delas. Uma alta porcentagem deles permanecem juntos após 12 anos de relacionamento não coabitante.

Talvez a ideia de “ter que encontrar um parceiro” como um dos requisitos sociais mais prementes das gerações passadas esteja sendo transformada. Tudo parece indicar que o modo de entender as relações sentimentais hoje está mudando em muitos aspectos.

Uma nova visão sobre relacionamentos

Essa nova visão sobre relacionamentos sentimentais ainda está se consolidando. No entanto, aqueles que os experimentam dizem que isso proporciona uma maior sensação de liberdade, tanto ao nível da escolha como da oportunidade de desenvolvimento pessoal, em contraste com os casamentos convencionais.

Mesmo assim, o conceito de relacionamento, isto é, como é percebido e quais características ele possui, é subjetivo. Por isso, muitas outras pessoas não estão totalmente de acordo com essa nova visão. Tudo depende do link e seus participantes.

Agora, esta é a maneira de entender as relações sentimentais no futuro? Vai morar na mesma casa relegada ao desejo de formar e criar uma família? Estamos testemunhando pela primeira vez a clara diferença entre o desejo de ter um parceiro e ter uma família?

Esta última questão não parecia estar claramente separada da primeira até agora. Embora a verdade seja que existem muitas pessoas que querem ter um parceiro de longo prazo, sem que isso implique a criação de uma família. Sem dúvida, algo muito profundo está mudando em nossa sociedade.

Fonte indicada: La mente es maravillosa
Imagem de capa: Pexels

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


*O conteúdo do texto acima é de responsabilidade do autor e não necessariamente retrata a opinião da página e seus editores.


Compartilhar

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




REDAÇÃO PSICOLOGIAS DO BRASIL
Os assuntos mais importantes da área- e que estão em destaque no mundo- são a base do conteúdo desenvolvido especialmente para nossos leitores.