Você é uma daquelas pessoas a quem todo mundo vem pedir ajuda? Você diz sim com um sorriso quando na realidade você gostaria de dizer não?

Agradar aos outros é uma parte valiosa da vida, e a maioria das tradições espirituais nos ensinam a importância de cuidar e amar nosso próximo. No entanto, quando o fazemos buscando aprovação exagerada ou por medo de não ser amado, esse comportamento se torna um ciclo doentio que nos desconecta de nós mesmos.

Este ciclo é composto de um profundo sentimento de não ser digno de amor, de constantes tentativas de ser ou fazer o que acreditamos que os outros querem de nós, de uma grande preocupação de viver de acordo com essas supostas expectativas e a renúncia do próprio bem-estar.

As pessoas que vivem para agradar os outros deixam de lado sua própria personalidade e se tornam personagens, porque passam o dia fazendo coisas que não querem e perdem completamente o contato com sua identidade e seus verdadeiros desejos. Segundo o psicoterapeuta norte-americano Micki Fine, entre as situações que predispõem a uma vida de busca de aprovação dos outros estão certas experiências relacionadas à infância, como:

1. Receber amor condicional

Isto é, quando as pessoas de referência de uma criança lhe dão amor de acordo com o fato dela preencher certas expectativas, e privá-la quando não estiver de acordo com certos padrões.

2. Não ser valorizado pelo que somos

Neste caso, os pais vêem em seu filho uma extensão de si mesmos e tentam moldá-lo impondo seus próprios desejos, sem respeitar a personalidade e os desejos genuínos da criança, de modo que ela chega à conclusão de que sua pessoa não importa.

3. Não ter voz ou voto

Neste caso, os adultos de referência sempre tomam decisões pela criança. Se as crianças não são encorajadas a explorar e aprender com suas próprias experiências ou seus pensamentos, opiniões ou desejos não são valorizados, elas não aprenderão a encontrar seu próprio lugar no mundo e, ao contrário, sempre buscarão orientação de fora para saber o que fazer.

4. Maus tratos e negligência

O comportamento de complacência provavelmente será mais pronunciado entre aqueles que sofreram negligência ou abuso, uma vez que as crianças abusadas geralmente estão dispostas a fazer o que for necessário para permanecer afetiva com o abusador e evitar novos maus-tratos. Assim, internalizam que o mundo funciona dessa maneira.

Mindfulness

No entanto, de acordo com esse psicoterapeuta, autor do livro A necessidade de agradar, há uma saída para a busca constante pela aprovação dos outros: a atenção plena. Essa ferramenta, ele explica, é uma jornada “rumo ao desapego do medo, à abertura ao amor, à cura da ferida que produz a busca pela aprovação dos outros, ao aumento do respeito por si mesmo, à criação de um equilíbrio nos relacionamentos e a libertação para escolher o seu próprio caminho na vida “. A minúcia, segundo Micki Fine, pode nos ajudar a aceitar a vida como ela é, a ter a liberdade de dizer “não” quando necessário, a enfrentar conflitos com nossos entes queridos e a resolvê-los em paz, no lugar de se sentir em culpa com eles.

Como começar?

A maneira mais simples, segundo os especialistas, é retornar ao corpo. As pessoas que vivem para agradar aos outros tendem a sentir alguma dormência ou distanciamento de suas sensações físicas, o que acontece justamente por causa do desejo lógico de se desconectar da dor de não se sentir digno de ser amado. No entanto, como o corpo é a nossa casa e o lugar onde sentimos amor, Fine explica: “Ser insensível ao corpo nos separa do amor. Portanto, reconectar com ele é essencial para viver no momento presente e se curar “.

Imagine que estamos preocupados em não saber agradar a alguém, ou que nos sentimos em conflito, porque no fundo não queremos fazê-lo. Talvez o corpo fique tenso, dê um nó no estômago ou nossos ombros se contraiam. Mas se normalmente nos sentimos desligados de nossas sensações físicas, podemos não percebê-los, ignorá-los ou tentar afugentá-los, perdendo assim uma mensagem que nos convida a cuidarmos de nós mesmos. Pode ser difícil, a princípio, permitir essas sensações novamente, mas com a prática podemos alcançar isso e tirar proveito dessa sabedoria.

Uma maneira simples de começar a fazer isso pode ser: quando você está em um momento delicado de busca de aprovação, talvez sendo excessivamente amigável com alguém ou dizendo “sinto muito” quando um pedido de desculpas não é necessário, pare e observe seu corpo . Nomeie para si mesmo as sensações que você percebe, por exemplo: formigamento, tensão, dor … “Nomear as sensações fornece um espaço no qual você pode tentar liberar resistências e ter uma idéia mais clara do que está acontecendo”, explica Micki Fine.

Outra prática útil é perceber seu nível de energia. A próxima vez que você estiver em uma situação em que você pode estar carregando mais do que consegue, por exemplo, veja o que acontece com seu corpo. Você percebe mudanças no seu nível de energia? Existem outras sensações físicas associadas à sobrecarga? Os especialistas também recomendam que nos demoremos durante o dia. Podemos fazer alguns alongamentos suaves, dar um passeio, fechar os olhos para respirar conscientemente ou sentar em silêncio e tomar um chá. Vamos tentar observar então quais sensações aparecem em nosso corpo quando nos permitimos esse parêntese do autocuidado.

Para esse psicólogo especialista em mindfulness, livrar-se da busca crônica pela aprovação dos outros não significa deixar de desejar agradar ou nunca fazê-lo. Não se trata de adotar atitudes egoístas ou indiferentes, mas de nos importar profundamente com aqueles que nos rodeiam e com o bem-estar deles, pelo amor e não pelo medo. Desta forma, nossa identidade e nossa sobrevivência não residirão exclusivamente no cuidado dos outros. “Ao se livrar da busca crônica por aprovação você pode amar mais livremente, você vai parar de se preocupar tanto com o que os outros pensam de você, você vai se envolver mais em sua própria vida e em seus valores para entender o que dá sentido e alegria e se tornará seu próprio aliado.”

TEXTO TRADUZIDO E ADAPTADO DE CLARÍN

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


*O conteúdo do texto acima é de responsabilidade do autor e não necessariamente retrata a opinião da página e seus editores.


Compartilhar

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




REDAÇÃO PSICOLOGIAS DO BRASIL
Os assuntos mais importantes da área- e que estão em destaque no mundo- são a base do conteúdo desenvolvido especialmente para nossos leitores.