A série “Você” ou “You” em inglês, é sobre um psicopata e sua vítima. You nos desafia e convida a refletir sobre os mesmos riscos pelos quais estamos expostos através dos dados que entregamos às plataformas digitais, alimentando o ecossistema da internet. Isso ocorre, acredite se quiser, desde um like no Instagram até uma foto no Facebook ou um comentário no Twitter.

Beck, a protagonista, tem menos de 30 anos; ela é loira, poeta aspirante e mora em Nova York. E, em um dia como qualquer outro, decide entrar em uma livraria. Lá ela conhece Joe, o gerente da loja. que imediatamente se torna obcecado por ela. Eles começam uma conversa e ela lhe diz seu nome. E aí inicia o jogo de caça: basta entrar no Google e Joe começa a saber tudo sobre a mulher que conheceu naquele dia.

A partir dos comentários do Facebook, ele descobre que o pai de Beck morreu, conhece seus amigos, graças ao Instagram, e, usando a localização das fotos, ele se guia para o lugar onde ela mora. E é isso. O stalker está na entrada da casa da vítima.

Joe é charmoso e, em pouco tempo, Beck o aceita em suas redes sociais. Então, com mais esse aval, seu admirador descobre ainda mais sobre ela: seus gostos, seus autores favoritos, seu grupo de amigos. E tudo, absolutamente tudo, ele descobria através das informações acessada nas redes sociais. E como diz o ditado: informação é poder.

Mas alguém que sabe tudo sobre nós pode se tornar nosso pesadelo…

Somos vulneráveis ​​ao aparecimento de psicopatas como Joe? Quantos dados sobre nossa vida privada estão disponíveis nas redes?

Gabriel Zurdo é membro da BTR Consulting, uma empresa dedicada à segurança cibernética e fornece dados alarmantes de redes sociais em uma pesquisa recente: 58% das pessoas publicam seus números de telefone, mais de 30% mencionam seu local e horário de trabalho, 22% compartilham informações sobre sua casa e outros 20% informam local e data de suas férias. E assim, quase sem perceber, os dados mais sensíveis da nossa vida diária estão disponíveis para milhões de pessoas que não conhecemos.

“A identidade digital nem sempre tem a ver com a identidade física de uma pessoa”, afirma Zurdo em relação à identificação daqueles que solicitam nossos dados. Por exemplo, a vida que Beck nos mostra nas redes não mostra o duelo interno que ela sofre por não saber o que fazer com sua vida. E o anonimato de Joe é apenas sua arma para não ser identificado como o psicopata que ele é.

Sebastián Bortnik é especialista em segurança informática e fundador da ONG Argentina Cibersegura, e afirma que é necessário repensar o que é um dado sensível e o que é um dado privado.

“Primeiro você precisa se perguntar o por que quer fazer upload de uma foto específica, perguntar a si mesmo quem vai ver e analisar  e, finalmente, não carregar todas as informações pessoais na mesma rede social “, aconselha Bortnik, que tem uma visão positiva sobre o uso de redes sociais:” Devemos incorporar esses hábitos para evitar problemas”.

“Uma vez que enviamos algo para as redes, sejam fotos, áudios ou vídeos, perdemos o controle: mesmo que o tenhamos excluído, alguém poderia capturá-lo e se tornar viral em questão de segundos”, alerta Bortnik.

É quase uma utopia retornar a uma vida pré-social, mas estamos dispostos a perder nossa privacidade? “A privacidade é um direito humano e está sendo colocada em risco”, acrescenta Bortnik, e desaconselha cair na monopolização de dados no mesmo provedor.

Pensar sobre quais dados são necessários e quais não são, pode nos levar a ter uma vida mais agradável e longe de perigosos assediadores

O fato de não aparecer nas redes sociais também nos faz pensar que a pessoa quer esconder alguma coisa. Há uma necessidade de querer mostrar, relacionar sonhos, ideias, expor nossa vida. Agora, quem está por trás de todos esses dados e o que eles fazem com eles? Cada postagem funciona como uma impressão digital que estamos deixando em um caminho como migalhas para chegar ao ponto final de que somos nós mesmos.

Nos anos 90, foi lançada a comédia romântica “Mensagem para Você”, estrelada por Tom Hanks e Meg Ryan. Ela possuía uma pequena livraria – semelhante à série – e ele possuía uma rede de livrarias. Eles se odiavam na vida real, mas se apaixonaram pela Internet. Uma rede ainda incipiente, na qual não havia imagens, vídeos ou mensagens de voz. Apenas palavras e o desejo infinito de se encontrar pessoalmente.

Mas o filme nos trouxe o pontapé inicial sobre o que viria a seguir. A ideia de anonimato e privacidade seria cada vez mais turva até atingir esse nível máximo de exposição em que estamos agora submersos.

Isso quer dizer que, como afirma Zurdo, “quanto mais informações dermos, mais as pessoas podem abusar de nossos dados”. Porque não sabemos quem está recebendo nossas informações, os destinatários são infinitos, e a replicação de nossa mensagem ou informação, ainda mais. Pensar sobre quais dados são necessários e quais não são, pode nos levar a ter uma vida mais agradável e longe de perigosos assediadores.

“Você” tem um dos mais populares diretores da indústria, Greg Berlanti. Ele é a mente por trás dos super-heróis da DC em formato de seriado, Arrow e The Flash, e nos anos 90 ele foi o roteirista da bem-sucedida série teen Dawson’s Creek. Em 2017, ele estreou Yo soy Simón, que contou a vida de um menino de 13 anos que decide deixar o armário, com referências diretas à sua infância. Berlanti é reconhecido por suas histórias de jovens com problemas atuais, e em “Você” sua marca está presente novamente.

Caroline Kepnes é a autora do livro no qual a série foi baseada, e que levou ao destino de alguns personagens. Ela confirmou lançar na primavera de 2019 a próxima temporada, “Vou esperar para ver como resolver o suspense”. Informações sobre o passado de Joe, o stalker virtual de nossas redes, também serão expandidas.

***

Tradução e adaptação feita pela CONTI outra, do original de Teleshow

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


*O conteúdo do texto acima é de responsabilidade do autor e não necessariamente retrata a opinião da página e seus editores.


Compartilhar

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Psicologias do Brasil
Informações e dicas sobre Psicologia nos seus vários campos de atuação.