Quando você tem dinheiro em sua conta bancária, pode pagar contas, comprar coisas, acessar serviços e ter um estilo de vida mais ou menos confortável. Quando você está falido, quando sua conta está no vermelho, você não pode pagar nada. Este mesmo conceito se aplica às emoções.

A falência emocional é um conceito mais desconhecido que a insolvência econômica, mas é tão habitual e real como esta, especialmente na sociedade atual, cujas demandas, expectativas e ritmo podem acabar nos exaurindo.

De fato, se ultimamente você está mais irritado do que o habitual, fica com raiva praticamente por tudo, não consegue controlar suas emoções e tem dificuldade de expressá-las assertivamente sem prejudicar os outros, é provável que esteja se aproximando de zero em sua “conta emocional”.

O que é falência emocional?

A falência emocional é um estado em que não somos capazes de expressar, processar, compartilhar e / ou aceitar nossas emoções. Nós simplesmente perdemos a capacidade de gerenciar nossos estados emocionais, eles nos controlam, tornando-se uma força superior a nós.

Em alguns casos, podemos cair na indiferença emocional, sentir que tudo nos é estranho e que não podemos corresponder com o mesmo afeto às pessoas mais próximas a nós. Em outros casos, a falência emocional se manifesta através de inundações de sentimentos negativos que não podemos conter.

Alguns dos sinais mais evidentes de falência emocional são:

1. Você se irrita com coisas inconsequentes que, em outras circunstâncias, teria perdido. 2. Você reprime suas emoções, até não conseguir fazer mais e explodir. 3. Mudanças repentinas de humor que você não consegue explicar, indo da euforia à tristeza ou da motivação à apatia. 4. Você não aceita certas emoções, se culpa por experimentá-las e as rejeita, o que cria um sentimento de culpa. 5. Você não pode compartilhar seus estados emocionais com os outros, você se tranca em pensar que ninguém pode te entender. 6. Você se sente emocionalmente distante das pessoas que amam você, porque você não pode estabelecer um vínculo afetivo e empático. 7. Você desenvolveu um tipo de desamparo aprendido porque não vê a saída do estado em que se encontra.

O caminho para a ruína emocional

Muito poucas pessoas vão à falência durante a noite. O mesmo vale para a falência emocional. Embora seja verdade que podemos perder nosso equilíbrio psicológico devido a uma situação traumática que sacudiu nossas fundações, o mais comum é que a falência emocional é o resultado de um processo lento, resultado de pequenos problemas, obstáculos e microtraumas que foram adicionando sem você perceber. De fato, é provável que em um determinado momento você se pergunte como foi capaz de chegar a esse extremo, mas quando olha para trás, tudo é bastante confuso.

Há mais chance de perder o autocontrole emocional quando:

– Você faz muitas coisas, você ocupa muito os seus dias a ponto de não tomar tempo para cuidar de si mesmo e recarregar sua bateria emocional. – Você não presta atenção aos sinais de alerta, acha que perdeu a paciência por causa de outras pessoas sem assumir sua parcela de responsabilidade.

– Você adia a auto-análise pensando que tudo será resolvido amanhã, quando você conseguir um aumento salarial, seu parceiro for mais compreensivo, você acaba pagando a hipoteca … Desta forma você arrasta uma carga de insatisfação emocional que vai acabar explodindo porque, apesar dos problemas que hoje podem desaparecer, no lugar deles aparecerão outros.

O caminho mais seguro para o sofrimento é fazer planos sobre o que você espera que aconteça, em vez de tomar nota do que realmente está acontecendo. De fato, em muitos casos, a falência emocional é o resultado de um profundo esgotamento psicológico, de ter renunciado a sofrer esperando por tempos melhores, quando poderíamos ter feito algo para melhorar nossa situação.

Os terríveis efeitos da falência emocional

Obviamente, a falência emocional é tão prejudicial para a pessoa que sofre quanto para quem está relacionado a ela. Em primeiro lugar, o estresse emocional que essa situação gera pode acabar causando transtornos como ansiedade ou depressão ou pode até desencadear problemas de saúde.

Toda vez que você não aceita, processa, compartilha ou expressa seus sentimentos e emoções, você está gerando estresse em seu cérebro, que será refletido em seu corpo. Viver em um estado de falência emocional pode deixá-lo doente e, possivelmente, encurtar sua expectativa de vida.

A frieza emocional ou explosões emocionais também prejudicam seus relacionamentos e deixam cicatrizes nas pessoas mais próximas a você. Uma pessoa em falência emocional não pode atender às necessidades de afeto dos outros ou fornecer a validação emocional que todos nós precisamos. Como resultado, esses relacionamentos acabam se deteriorando ou finalmente se desfazendo.

Como evitar a falência emocional?

– Coloque-se no orçamento. Seria ideal se você pudesse higienizar sua economia emocional. É provável que, de tempos em tempos, você olhe para o anseio do passado, quando tudo estava mais calmo. O problema é que as crenças e comportamentos que colocaram você em problemas no começo provavelmente continuarão.

Não é incomum que, justamente quando você pensa que limpou suas contas, apareça uma nova safra de gastos, que, quando você acha que finalmente recuperou o controle emocional, outra situação o levará novamente. Essa situação é evitada ao projetar um orçamento sólido; isto é, estar ciente de quão longe podemos ir e parar muito antes do ponto sem retorno. Quantas horas de trabalho são demais? Quantos encontros com uma pessoa problemática você pode suportar?

Você tem que aprender a defender sua paz interior desenvolvendo a Inteligência Emocional e aproveitando o tempo necessário para recuperar a força. Lembre-se que às vezes você não cai por causa de fraqueza, mas porque tem sido muito forte por um longo tempo. No final, assim como não deixaria os outros entrarem em sua carteira e administrarem seu dinheiro, você também não pode permitir que eles administrem sua conta emocional.

– Aumente sua renda emocional. Todo orçamento tem duas partes: receitas e despesas. Até agora falamos sobre como reduzir essa despesa, mas você também pode aumentar sua saúde emocional. Descubra quais atividades ajudam a repor a energia emocional perdida. Algumas pessoas precisam de paz e tranquilidade, outras exigem atividade e emoção. Para alguns, a solidão é uma obrigação, mas outros precisam estar cercados de pessoas.

Encontre o que é melhor para você e invista naquilo que te faz feliz. Isso permitirá que você crie uma espécie de reserva emocional, que é chamada de resiliência e que o ajudará a enfrentar os momentos mais difíceis sem perder o controle.

Texto traduzido e adaptado de Rincon Psicologia

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


*O conteúdo do texto acima é de responsabilidade do autor e não necessariamente retrata a opinião da página e seus editores.


Compartilhar

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




REDAÇÃO PSICOLOGIAS DO BRASIL
Os assuntos mais importantes da área- e que estão em destaque no mundo- são a base do conteúdo desenvolvido especialmente para nossos leitores.