Autoestima e o mundo tecnológico

No presente, vivemos uma vida acelerada onde a necessidade de especialização é alardeada como indispensável. Novos conhecimentos são necessários para nos adaptarmos ao novo que se renova a cada dia. Especialização, capacitação, curso de formação, educação continuada tornaram-se produtos de consumo e ao mesmo tempo descartáveis.

É inegável a necessidade de especialização e de adaptação às mudanças, no entanto, é incontestável a insatisfação e o vazio identificado em muitos profissionais ao final de cada curso, uma vez que, ao vivenciarem suas atividades percebem que não estão preparados para exercer “com perfeição” suas tarefas.

Tal sensação pode ser resultado da falta de confiança em suas capacidades e habilidades, insegurança desenvolvida paulatinamente em seu íntimo como resultado da “lavagem cerebral” realizada pelas empresas de educação que investem milhões de reais em propaganda para convencer a todos que não somos bons o bastante.

É verdade que o mercado de trabalho exige pessoas com maior capacidade de articulação verbal e social e que o conhecimento tornou-se peça central para o mundo profissional, mas também é verdade que alguns de nós, com os conhecimentos adquiridos, poderíamos realizar muito mais se confiássemos em nossa capacidade de pensar corretamente e enfrentar os desafios que a vida nos apresenta.

É necessário uma boa dose de reflexão para diferenciar a insegurança pessoal da insegurança desenvolvida pela convivência com uma sociedade doente, onde os valores estão abalados e o interesse pessoal está acima do bem-estar social.

Os novos conhecimentos, produtos e serviços que se multiplicam de forma assustadora geram insegurança e necessidade de adaptação rápida ao novo estilo de vida, onde o conhecimento torna-se peça central.

Sobreviver no contexto atual requer um alto nível de confiança pessoal.

Desenvolver a autoestima é indispensável.

Mas o que é autoestima?

“A confiança em nossa capacidade para  pensar e enfrentar os desafios da vida”. Em outras palavras, confiar que somos capazes de gerar ideias e soluções para os problemas apresentados em nossa vida e ajustar nossas escolhas quando não atingimos nossos objetivos.

Cada novo desafio requer a certeza de que seremos capazes de aprender e nos exige a confiança em nossas capacidades e habilidades como o fizemos em situações anteriores. Se o desafio é complexo, levaremos mais tempo para nos adaptarmos a sua complexidade, porém sempre convictos que podemos aprender qualquer coisa se tivermos a determinação necessária e vontade suficiente.

Desistir não faz parte do vocabulário, sabe-se que a cada novo desafio, novos comportamentos devem ser aprendidos e é só questão de tempo para dominarmos as novas habilidades.

Cultive essa certeza, lembre-se de tantas coisas que não sabia fazer ou pensava serem impossíveis e que depois de algum tempo treinando e estudando você foi capaz de dominá-las. Sair da completa incompetência para a maestria.

Faça uma lista das suas conquistas e as valorize, aprenda que o passar do tempo é seu aliado quando o assunto é aprendizagem de novas habilidades e cultive a convicção de que está sempre amadurecendo com o decorrer dos dias, meses e anos.

E de forma serena conquistará a certeza do seu direito a felicidade e desfrutará da convicção de ser merecedor, digno e qualificado a manifestar suas necessidades e desejos e desfrutar dos resultados de seus esforços (BRENDEN, 1998).

Não é fácil, não é imediato, porém é possível.

Pense nisso.

Pense agora.

Wagner Costa – Psicólogo – CRP 20-04079

studio@vitalizar.com

Compartilhar
Wagner Costa
Psicologo CRP/RR 20/04079 graduado pela Faculdade Cathedral (2011). Pós-graduação (Lato Sensu) em Pedagogia Hospitalar pela Universidade Gama Filho (2011) e Mestrado em Ciências da Saúde pela Universidade Cruzeiro do Sul (2015). Atualmente é professor da Faculdade Cathedral de Ensino Superior no curso de Psicologia, atuando também como membro do Colegiado do curso de Psicologia e representante dos docentes no Conselho Superior da Instituição. Psicanalista Clínico pela Sociedade Psicanalítica Ortodoxa do Brasil. Possui formação em Programação Neurolinguistica pela Sociedade Brasilleira de Programação Neurolinguistica e atua na área de treinamento e palestras motivacionais.



COMENTÁRIOS