Como os pets nos deixam mais humanizados

Nos dias mais duros da tua vida, eles certamente estarão lá! Não julgarão a sua dor; não perguntarão se seu choro é necessário; se o que aconteceu é mesmo tão relevante para que você fique triste assim, ou mesmo darão argumentos vazios para tentar provar que a vida é linda, apesar da sua dor. Não! Eles vão apenas lhe acolher, dar uns bons “lambeijos, deitar ao seu lado e trazer o que tiverem de melhor para lhe oferecer: a presença deles. Se a sua tristeza não passar assim, com uma dose reforçada de carinho, prepare-se: eles tentarão o “plano b” que pode ser trazer para você o brinquedinho predileto, um rato recém caçado ou qualquer objeto que possa render brincadeiras. Com isto eles provam que são verdadeiros empatas e nos ensinam uma quantidade infinita de lições.

 

Se você já pensou em algum momento que adotar um pet irá ajuda-lo, repense. Na verdade, são eles quem nos ajudam a ser verdadeiramente humanos. Talvez eles que adotem a gente, vão se tornando nossos donos: dominam nossa casa, os nossos sofás e nossas roupas com seus pelos e quando vemos nosso coração já está cheinho deles, mesmo que a gente saia para uma longa viagem haverá pelos deles para nos fazer lembrar que tem alguém aguardando nosso retorno ansiosamente.

Os animais trazem para a vida e casa uma energia indescritível!  E não é só quem vive isso que concorda, a ciência já comprovou isto em diversos estudos. Esta parceria pode trazer benefícios como  diminuir riscos de problemas cardíacos e são excelentes terapeutas auxiliares nos tratamentos de patologias como Alzheimer, autismo, depressão, pânico entre outras (link para o outro artigo). Mas, para além dos benefícios para a nossa saúde, com sua alegria e inocência, eles nos trazem lições de vida e de como evoluir como humanos. Veja algumas coisas que você irá aprender com seu pet:

 

Benefícios de ter um bichinho em sua vida:

  • Diminuição do stress: Brincar com estes “serumaninhos” causam em nós a liberação de hormônios como a endorfina e a oxitocina, eles nos ajudam a combater o estresse e depressão causando em nós uma sensação de bem-estar, felicidade e amor, ao mesmo tempo aumenta nossa imunidade já que caem os níveis de cortisol, hormônio liberado pela glândula suprarrenal quando estamos estressados e ataca nosso sistema imunológico e nos deixando vulneráveis a doenças.
  • Aumento da criatividade – qualquer coisa pode ser transformada em algo muito útil e atrativo, independente de quanto custou:

Quando transformam objetos triviais em brinquedos magníficos nos fazem perceber que o valor das coisas não está no quanto dinheiro investimos, mas no significado que damos a elas. Preferem brincar com a garrafinha de agua vazia que encontraram, ao invés de usar o brinquedo caro que você comprou na petshop e ele mal olhou. Para eles, um fio de lã, uma linha solta ou uma meia “roubada” podem se transformar num grande tesouro que renderá muita diversão e longas gargalhadas. A gente se “derrete de fofura” com essas coisas, mesmo quando aprontam coisas como roubar seu batom preferido de dentro da sua bolsa e ficam com a fuça toda rosa mate! Rs…

  • Maior flexibilidade: Colocamos regras para discipliná-los, mas eles quebram várias. Muitas nos fazem rir, ao invés de ficar com raiva por ser contestadas. Isto porque vemos que estabelecemos algumas regras que para eles não tem o menor sentido. Podemos aprender que a convivência é uma via de mão dupla, nos tornamos flexíveis com nossa forma de agir com eles e no mundo.

 

  • Reconexão com nossa criança interior, com a nossa essência:

 

Ter um animal em casa é ser recebido como celebridade em um tapete vermelho estendido diariamente, mesmo que você só tenha ido até a padaria buscar o pão. Isso nos faz despertar aquela alegria que mora dentro de nós e não exige grandes coisas para ser mantida.   

  • Estimulam aos seus donos a melhorar habilidades sociais.

Não tem jeito! A partir do momento que chegam às nossas vidas fazem com que deixemos de voltar a atenção totalmente para as dores e dificuldades da vida. Querem brincar, dar carinho e nos ensinam receber atenção. Sim! Receber atenção é um aprendizado, mais que nos pedir atenção, eles nos dão atenção e amor. Sem contar que acabamos nos unindo a muitas pessoas por ter esta paixão em comum.

 

  • Nos ensinam a amar sem amarras:

 

Por ter suas vidas mais breves, mais curtas vivem e nos ensinam a amar verdadeiramente sem expectativas, sem grandes planos, sem mágoas. Apenas com a sinceridade, profundidade e pureza do coração. Nos ensinam o que é ser uns “pelos” outros. Você aprende a valorizar as coisas simples, os bons momentos e começa a perceber que eles estão ali por e com você independente de como estiver a sua vida, suas finanças, sua roupa, seu cabelo… nada de material importa! E, inevitavelmente você vê a vida por este ângulo em outros aspectos também!  

  • Ensinam a trocar a dor do sofrimento por ter perdido pela gratidão de ter vivido com alguém: Quantas pessoas você já ouviu afirmar que não quer ter animais porque sabe que sofrerá quando eles se forem. Sofreremos mesmo, é inevitável! Mas, o prazer de tê-los em nossas vidas, a alegria que trazem a cada dia vivido compensam qualquer futura dor. Eles nos fazem a rever nossa forma de se relacionar com a morte.

Acho importante destacar a questão simbólica dos animais. Para isto, é importante levar em conta que quando se trata de símbolos, os animais sempre trazem características ambivalentes. Em alguns casos, isto varias de cultura e até em relação ao período histórico.

O cão que é considerado em nossa cultura como o melhor amigo, protetor e símbolo da lealdade, é também, em seu arquétipo, o símbolo do guardião do mundo inferior. De acordo com a mitologia é associado aos impérios subterrâneos e invisíveis e sendo relacionado à morte. Se trouxermos isso para uma compreensão simbólica através da psicologia analítica, podemos compreender que o cão carrega em si a possibilidade de nos ajudar a entrar em contato com o nosso inconsciente, fazendo de forma leve a transição entre conteúdos da luz e sombra, despertando nossa consciência para coisas sutis, como citei acima no despertar para a simplificação da vida.

O gato, por sua vez, é um animal que simboliza a independência, a sabedoria, a sensualidade, a sagacidade, o equilíbrio e mistério. Além disso, esse animal místico representa a fusão do espiritual e do físico e seu simbolismo é muito diverso, oscilando entre as tendências benéficas e maléficas. No Egito antigo os felinos em geral eram animais adorados como deuses, já que representavam a personificação da deusa da fertilidade. Aqui podemos notar que eles carregam em si o aspecto do feminino. O que nos ajuda compreender que na idade média tenham sido perseguidos e assassinados junto a tantas mulheres que foram consideradas bruxas, devido ao seu símbolo misterioso e incompreensível pelo patriarcado que rechaçava os aspectos do feminino. Já para os primeiros budistas os gatos eram dignos de ser reverenciados por sua sabedoria e capacidade de concentração, essencial para a meditação. 

Outro animal que traz um símbolo importante é o cavalo que está associado diretamente ao inconsciente, e ao lado instintivo/impulsivo. Sua simbologia é complexa. Proveniente de das figuras lunares, em que associa a Terra ao seu papel de mãe suprema, e à Lua, por isso relaciona-se com a vegetação, as renovações cíclicas, a sexualidade, os sonhos e as adivinhações.

Então, no inconsciente coletivo a dualidade de cada bicho estará presente. Mesmo que conscientemente a gente veja apenas um dos aspectos deles, o outro aspecto estará representado simbolicamente e será captado pelo nosso inconsciente.

A transformação da nossa vida a partir da chegada deles é imensa e o resultado é, certamente, nos tornar melhores. Cada mascote carrega seu símbolo de transformação na vida daqueles que o amam.

A festa das caudas inquietas e “lambeijos” sinceros e dos olhares que nos tocam a alma trazem alegria as nossas vidas e nos recordam o quanto é bom valorizar a presença das pessoas que amamos. Perceber isso é celebrar a vida que acontece em cada momento, no aqui e agora. Naqueles dias em que tudo parece estar ruindo, após um dia terrível no trabalho e ver que alguém lhe esperou o dia inteiro só para rolar no chão, jogar a bolinha e lhe “dizer” o quanto você é importante transforma instantaneamente sua energia que é renovada e seu dia melhora mudando a sua forma de pensar e agir.

Nesta parceria ganhamos muito mais do que oferecemos. Resgatamos valores que vamos perdendo ao longo da vida, nos transformamos e, tudo o que podemos dar por tantos benefícios é o nosso puro e sincero amor, é apenas o que eles esperam!

 

Compartilhar
Fernanda Alcantara
Psicóloga e psicoterapeuta junguiana em formação pelo Instituto Sedes Sapientieae no núcleo Jung e Corpo. Adoro auxiliar as pessoas a organizar suas vidas, suas histórias e dar um novo sentido às coisas e as experiências. Por isso, também sou Personal Organizer, auxiliando neste processo dentro do consultório e em suas casas, quando necessário.



COMENTÁRIOS