Como identificar se o seu filho precisa de psicoterapia

Em minha experiência, percebo que os adultos têm dúvidas sobre quando buscar psicoterapia para seus filhos e onde procurar ajuda. Desta maneira, posso oferecer a seguinte orientação:

Será que seu filho precisa de psicoterapia?

Os motivos mais comuns que levam os pais ou responsáveis a buscarem ajuda são problemas relacionados à morte, doença ou nascimento de algum membro da família, separação dos pais, atrasos no desenvolvimento, problemas do sono, problemas comportamentais e emocionais, como agressividade, irritabilidade, fobias, ansiedade, choros excessivos. Alguns transtornos como o Espectro Autista e síndromes, como Asperger, Down, Tourrete, entre outros.

Aqui vão dez maneiras de identificar se o seu filho precisa de um psicólogo:

  1. Agressividade: Tem intensos acessos de raiva, com birras e gritos em casa e em outros locais.
  2. Tristeza excessiva: Chora com muita facilidade e sem motivo aparente.
  3. Aprendizagem: O rendimento escolar está baixo ou houve uma grande mudança em suas notas.
  4. Comunicação: Não consegue se comunicar com clareza ou contar como foi o seu dia.
  5. Desligamento: Não presta atenção ao que está acontecendo ao seu redor.
  6. Medo: Apresenta medo exagerado, sem motivação aparente.
  7. Socialização: Não consegue fazer amigos ou se distanciou dos velhos e tem dificuldades para brincar em grupo.
  8. Sono: Tem pesadelos frequentes ou faz xixi na cama, quando não é mais esperado para a sua idade.
  9. Agitação: Demonstra ansiedade e não consegue se concentrar em uma única dificuldade.
  10. Alimentação: Tem se alimentado de forma diferente do habitual, exagerando na quantidade ou deixando de se alimentar.

Se seu filho parece precisar de ajuda, o primeiro passo que você deve dar é consultar um psicólogo. O propósito dessa consulta inicial é determinar se as dificuldades individuais de seu filho requerem ou não uma intervenção terapêutica. Alguns dos fatores a serem considerados na consulta são:

  • Há quanto tempo ele apresenta esta dificuldade ou comportamento?
  • Foram feitas tentativas, no passado, de ajudar a criança a superar o problema? A criança respondeu bem, mas depois voltou ao comportamento? Ou a tentativa não teve sucesso?
  • O problema está interferindo no desempenho escolar ou no desenvolvimento natural da criança?
  • Existe apenas um problema, ou o problema apresentado faz parte de um número maior de problemas, alguns dos quais talvez não sejam imediatamente óbvios?

As crianças em geral expressam seus sentimentos através de seu comportamento, por exemplo, ficar brava, bater, chorar, ou inclusive, por aquilo que falam. Às vezes, no entanto, elas se comunicam de maneiras sutis. Por exemplo, as crianças podem ficar muito quietas e retraídas, ou podem não querer brincar com outras crianças. Outro sinal que muitas vezes passa  despercebido é quando a criança adoece com muita freqüência. Caso isto esteja acontecendo, é possível que ela esteja fazendo um esforço além de seu limite para lidar com alguma questão em sua vida.

Se o psicólogo que você procurar julgar que existe um problema, ele pode recomendar que seu filho receba acompanhamento psicológico. O tratamento pode facilitar o desenvolvimento psíquico da criança de forma mais saudável, trazendo a orientação aos pais para a continuação do processo em casa.

Para encontrar um psicólogo, peça sugestões ao pediatra, ao orientador educacional ou ao professor de seu filho. Não fique constrangido ao buscar um psicólogo para o seu pequeno. Fazer perguntas e descobrir se você e seu filho ficarão à vontade com um determinado psicólogo é a atitude certa. É importante que você se lembre quão essencial você é para ajudar o psicólogo a ajudar o seu filho.

 

Compartilhar
Thaisa Fér Scandiuzzi
Psicóloga de crianças e adolescentes em Ribeirão Preto/São Carlos - SP. Formada pela Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM), Pós Graduanda em Psicopedagogia Clínica e Institucional, com ênfase em desenvolvimento infantil.



COMENTÁRIOS