O Luto Complicado

“São só dois lados da mesma viagem. O trem que chega é o mesmo trem da partida” (Milton Nascimento)

Existem situações em que o processo de luto, principalmente por morte de um ente querido, não segue a evolução normal, ou seja, o indivíduo não consegue se reestruturar, podendo ocorrer fixação numa das etapas e, consequentemente, a não elaboração do luto. Num processo de luto complicado há uma dificuldade extrema em aceitar a perda. Nestas circunstâncias, o luto permanece não resolvido ao longo do tempo, durante vários anos, e, por vezes, para o resto da vida, interferindo no estado emocional da pessoa e impactando significativamente a sua vida. Este se caracteriza por uma melancolia duradoura, acompanhada em geral de profunda tristeza, problemas de saúde, distúrbios psíquicos e diminuição dos contatos sociais.
Segundo Horowitz, o luto complicado é a intensificação do luto até o ponto em que a pessoa se sente sobrecarregada, recorre a um comportamento mal adaptado ou permanece interminavelmente num estado de luto, sem progressão do processo em direção a seu término.
Podemos pensar que a diferença entre as reações emocionais e comportamentais de um processo de luto normal e as de luto complicado não se diferenciam pelo modo como aparecem e sim pela sua duração e intensidade.
O diagnóstico de luto complicado não é tarefa fácil, mas alguns fatores podem nos auxiliar a identificar que a pessoa está vivenciando este processo. Por exemplo: foco extremo na perda e lembranças da pessoa morta; intenso desejo ou anseio de encontrar a pessoa; dificuldade para aceitar a morte; dificuldade para realizar coisas do cotidiano; estado de humor permanentemente alterado; comportamento antissocial; ideação suicida e comportamentos autodestrutivos; sentimento que a vida não tem qualquer significado ou propósito. Esta sintomatologia também pode ocorrer num processo de luto normal, no entanto, no luto complicado estes sintomas não mostram sinais de evolução e/ou melhora ao longo do tempo.
Alguns fatores podem contribuir para o risco de uma pessoa caminhar para o luto complicado, tais como: uma morte inesperada e/ou violenta; morte por suicídio de um ente amado; falta de suporte social – familiares e amigos; experiências traumáticas na infância; ansiedade de separação na infância; não aceitar a morte como um processo natural; dificuldade de adaptação a mudanças de vida.
O luto complicado pode levar a depressão maior, mas não significa que são a mesma coisa, suas características diagnósticas podem ser diferenciadas por critérios do DSM, ajudando a realização de um diagnóstico correto. (Zisook; Shear, 2009).


Contudo, em recente aula no St Christopher’s Hospice, o Prof. Parkes nos alertou sobre a importância de discutirmos esta diferenciação para que não haja erro de diagnóstico. Segundo ele, Complicated bereavement is complicated (Luto complicado é complicado).
Não temos como prevenir o luto complicado, mas as pessoas que apresentam maior risco de desenvolvê-lo devem ser orientadas a buscar ajuda terapêutica, para dissolver as crenças negativas sobre a perda, falar sobre a dor e a angústia que se está vivenciando e permitir-se chorar.

Referências:
Horowitz MJ. Pathological grief and the activation of latent self images. American Journal of Psychiatry; 1980.
Parkes CM. Luto: estudos sobre a perda na vida adulta. Tradução: Maria Helena Franco Bromberg. São Paulo: Summus; 1998. 291 p.
Parkes CM. Complicates Grief in the DSM5. Aula no St Christopher’s Hospice; 2014.
Zisook S; Shear K. Grief and bereavement: what psychiatrists need to know.World Psychiatry; 2009.

Compartilhar
Nazaré Jacobucci
Psicóloga Clínica Especialista em Luto e Psicologia Hospitalar.Professora e Blogueira.Member of British Psychological Society.



COMENTÁRIOS