O que se passa na cabeça do seu filho?

Por Maria Clara Vieira

 

A obra é um best-seller americano que acaba de chegar ao Brasil. Repleta de figuras ilustrativas, quadrinhos, tabelas e linguagem acessível, traz conselhos de especialistas para que os pais consigam lidar com os episódios mais desafiadores enfrentados com as crianças, como os ataques de raiva, medo e descontrole emocional. Escrito pela psicoterapeuta Tina Bryson e pelo psiquiatra e professor universitário Daniel Siegel, o livro ensina que os momentos mais conturbados são, na verdade, valiosas oportunidades para ensinar os filhos sobre a importância da inteligência emocional. A seguir, confira a entrevista que Tina (mãe de três filhos) concedeu à CRESCER.

 

Você afirma que, muitas vezes, os episódios de birra acontecem simplesmente porque a criança está com fome ou sono – e não consegue se expressar. Como os pais podem identificar isso? Cada vez que o filho tiver uma explosão emocional, os pais devem perguntar a si mesmos: “O que ele precisa nesse momento?”. Quando observamos com curiosidade o que a criança está tentando nos comunicar e tentamos descobrir a melhor maneira de ajudá-la, é possível determinar o que fará com que ela se acalme.

Por que os pais devem permitir que a criança fale e se expresse a respeito de algum evento traumático pelo qual passou? Como identificar se isso é suficiente ou se ela precisa de mais apoio, como um psicólogo, por exemplo? As crianças costumam nos dar sinais de que ainda precisam trabalhar determinada situação. Quando o assunto ou o sentimento envolvido no episódio marcante continuam vindo à tona com frequência durante as brincadeiras e conversas, então isso indica que há necessidade de discutir os acontecimentos.

Podemos ajudá-las, por exemplo, incentivando que criem um livrinho narrando o que se passou e permitindo que contem a história quantas vezes for necessário. No entanto, se o seu filho vivenciou uma situação que deixou um trauma profundo, capaz de atrapalhar o bom funcionamento da vida diária ou ainda se foi um fato assustador também para os pais, a ajuda profissional é muito bem-vinda.

Com que idade a criança começa a demonstrar raiva e medo?
Esses sentimentos podem surgir logo no início da vida. É possível notá-los já nas primeiras semanas após o nascimento. A entonação e o volume do choro do seu bebê, assim como as pistas não verbais – narinas abertas, olhos arregalados, lábios cerrados, respiração ofegante e perda de ar – são algumas características que podem ser observadas e que indicam as emoções da criança.

Em sua opinião, se os pais pudessem passar uma única lição ou habilidade aos filhos, qual deveria ser e por quê?
Uma das ferramentas mais importantes que podemos ensinar às nossas crianças é que elas não precisam ser reféns das circunstâncias e nem das próprias emoções. Isto é, devemos mostrar que têm a capacidade de usarem suas mentes para acalmarem a si mesmas e para serem resilientes diante das situações difíceis.

O Cérebro da Criança – 12 Estratégias Revolucionárias para Nutrir a Mente em Desenvolvimento do seu Filho e Ajudar a sua Família a Prosperar, de Tina Bryson e Daniel Siegel, editora nVersos, R$ 39,90.

TEXTO ORIGINAL DE REVISTA CRESCER

Compartilhar
Psicologias do Brasil
Informações e dicas sobre Psicologia nos seus vários campos de atuação.



COMENTÁRIOS