Perda de desejo e interesse sexual: precisa apimentar a relação?

Será que manter o desejo e o interesse sexual na cama, após anos de casamento e/ou vivência é fácil?

Vivemos um período em nossa sociedade, no qual a correria do dia-a-dia nos obriga a focar em algumas coisas e esquecer outras, empregar maior tempo em dadas situações e limitar o tempo para outras… As obrigações e exigências advindas do capitalismo, por vezes, levam-nos a “funcionar no automático”, tornado a nossa própria existência monótona e mecânica.

Conhece alguém assim? Qualquer semelhança é pura coincidência.

Será que conseguimos separar qual área das nossas vidas, que condicionaremos ao “modo automático”? Algumas coisas eu viverei intensamente, outras eu vou viver intensamente e inovar todos os instantes. Até quando esse comportamento de inovação será capaz de se manter sem tornar monótono?

Já parou para pensar no seu relacionamento? E se aprofundarmos esse pensamento e focar especificamente na relação sexual? Como tem sido a sua relação sexual?

Ouço relatos de muitos casais, em meu consultório, em seus discursos declaram que, apesar de se amarem muito e terem um ótimo relacionamento, reclamam que as coisas na cama tendem a ficar repetitivas. E quando a monotonia entra o interesse e a vontade acaba.

Quando chega a essa situação, faz-se necessário o casal refletir sobre os motivos que fizeram com que estivessem juntos…  É preciso conversar sobre a situação, de maneira clara e verdadeira, buscando “juntos”, caso percebam que vale a pena continuarem unidos, criar estratégias de superação que seja atrativa para ambos, buscando reestabelecer a intimidade e apimentar a relação.

Já imaginou viver o resto da vida, sem o fogo sexual? Coloca pimenta nisso! Faça arder… Ressuscita o fogo e deixe os feromônios agir em sua cama. É importante lembrar que entre quatro paredes, na relação sexual, tudo pode existir desde que, seja o desejo de ambos.

O primeiro passo para reviver o desejo e o interesse sexual, é sempre estimular a mente e o corpo com novidades e nada melhor do que utilizar estratégias que vão direto ao ponto central do desejo sexual: a mente.

Para estimular a mente, pode-se fazer o uso da excitação causada pela curiosidade e a busca pelo novo. Segue sugestões que vão deixar você e seu/sua parceiro(a) super animados:

Já pensou em começar estimulando o(a) outro(a) mostrando o seu prazer?

Já se deparou vendo outra pessoa sentindo prazer? Pode ser um estimulante mega prazeroso! Quem sabe essa não seja a oportunidade para você ver ou mostrar como se masturba. Essa pode ser uma forma excitante de levar uma novidade para o quarto.

Quer deixar a coisa mais séria? Faça seu/sua parceiro(a) “subir as paredes” de desejo por você!

Coloque-se em uma posição sensual e fala com o seu parceiro(a) que por um instante ele(a) só pode ver, porém não pode tocar… Comece a percorrer seu corpo devagar com as suas mãos, de maneira sensual e livre olhe bem nos olhos dele(a) e devagar vá se despindo. Não se preocupe, no começo, é normal sentir um pouco de vergonha, mas com o tempo você vai se soltando e a brincadeira passará a esquentar…

Permita-se dar prazer com os movimentos que você mais gosta e lhe excita. Possibilite que seu/sua parceiro(a) curta um pouco este momento apenas com os olhos, antes de permitir que ele(a) lhe toque.

Às vezes, assistir um filme erótico pode estimular a criatividade e o desejo. Busque filmes com cenas quentes, que não apenas valorizam o prazer do homem, mas também da mulher e com corpos mais próximos da realidade.

Pensou que as dicas haviam acabado? Calma! Há muitas maneiras e estratégias para fazer o(a) seu/sua parceiro(a) “ir às nuvens”.

Que tal ler um conto erótico, quando o(a) parceiro(a) estiver deitado(a) na cama? Pode ser um estimulante em si ou até mesmo uma forma de relaxar e se preparar para o momento do sexo. Ouvir o parceiro(a) contando a história e falando abertamente de erotismo pode ser extremamente excitante.

Não perca tempo! Prepare o ambiente com uma luz mais amena; você pode incluir óleos, velas perfumadas no ambiente e tudo o que estiver ao seu alcance, para tornar o momento e o espaço, propícios para o prazer.

Convide o(a) seu/sua parceiro(a) para deitar-se confortavelmente e fala que você andou lendo algumas histórias gostosas (nesse momento, mostre um lindo sorriso) e que separou uma que você gostaria de compartilhar. Já pensou que após contar/ouvir o conto, podem colocar em prática encenando?

Não se limitem! Explorem, ousem, divirtam-se.

Cabe destacar que: nenhum relacionamento sobrevive à mesmice, muito menos a apenas essas dicas, o respeito deve ser em primeiro lugar… Respeito aos limites, respeito às diferenças e também aos desejos.

Compartilhar
Juliano Coimbra dos Santos
Psicólogo, Especialista em Sexualidade Humana, Especialista em Gestão Empresarial e de Recursos Humanos, Graduado no Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos. Atua como Psicólogo Clínico, Sexólogo e como Psicólogo na Execução da Medida de Internação Socioeducativa no Instituto de Atendimento Socioeducativo do Estado do Espírito Santo – IASES. Diretor da JCSPSIC – Treinamento & Desenvolvimento Humano e atua como Professor do Centro de Pós Graduações – CESAP.



COMENTÁRIOS