Por trás dos relacionamentos saudáveis

Por Marcela Pimenta Pavan

“Vocês são uma espécie interessante, uma mistura interessante, são capazes de sonhos tão lindos e de pesadelos terríveis. Se sentem perdidos, sozinhos, mas não estão. Sabe, em toda a nossa vida a única coisa que achamos que torna o vazio suportável é o contato…” (Carl Sagan).

Esse trecho do filme “Contato”, baseado no romance de Carl Sagan, chama atenção especialmente por deixar evidente a importância do contato, da relação com o outro, em nossas vidas.

A busca pelo outro tem, entre outros, um caráter instintivo, somos antes de tudo animais gregários, e precisamos do outro para nos proteger, para nos acasalar, mas também buscamos uma completude, alguém que nos compreenda, que nos ampare, oriente e que nos ame.

Apesar de ansiarmos por uma boa companhia sabemos que nem sempre é fácil manter uma relação. Muitas vezes surgem os desencontros e as frustrações dificultando o contato. Isso acontece não só no aspecto amoroso, mas também no familiar, social, profissional.

O que será que atrapalha?

O ser humano se constitui na relação com o outro. O bebê busca desde cedo o olhar e a atenção da mãe. Com o tempo as relações vão se ampliando para a família, amigos, professores, trabalho, amores. Segundo VYGOTSKY, desde o nascimento o individuo é socialmente dependente do outro, para que possa entrar em um processo de desenvolvimento histórico, cultural e social e, consequentemente, constituir-se como um sujeito social.

No meio das relações que construímos ao longo da vida projetamos muito de nós mesmos nos outros. Esperamos que o namorado perceba a insatisfação, que o chefe reconheça nosso esforço, que o amigo venha nos socorrer, ou seja, esperamos que o outro nos corresponda. Criamos idealizações do que é ou não importante para nós e deixamos de ver o outro como ele realmente é, com seus atributos e dificuldades. Quanto mais idealizado for o nosso desejo maior o risco da realidade ser diferente do imaginado. O resultado geralmente é a frustração e a mágoa.

Outro ponto importante que gera o desencontro são experiências passadas desagradáveis. Todos nós passamos por frustrações em nossas relações passadas mas algumas pessoas, na tentativa de evitar novas angústias, se fecham em demasia. Isso dificulta a vivência de novas relações e experiências diferentes. O fato é que, agradáveis ou não, as relações são fundamentais para o nosso amadurecimento. Quando tentamos nos acertar com o outro precisamos repensar nossa forma de ser, tentar novos caminhos, olhar sob novos pontos de vistas. São as relações de amizade, de amor, de trabalho que nos fazem crescer e perceber o que nos traz bem estar.

Como se relacionar melhor?

Um mundo sem projeções é improvável, todos nós temos as nossas expectativas e, de certa forma, isso nos move e indica aquilo que queremos. O ponto é equilibrar as expectativas com a realidade e evitar colocar no outro toda a responsabilidade pela nossa satisfação. Quando buscamos nos conhecer mais entendemos também o que buscamos no outro. Com o autoconhecimento ganhamos mais autonomia sobre as nossas escolhas e a dinâmica do relacionamento se torna mais saudável.

As experiências passadas são também muito importantes, através delas vamos aprendendo e crescendo. Qualquer pessoa que olhar sua história verá nela situações boas, ruins, engraçadas, tristes. A diferença é como as interpretamos, podemos ver as situações ruins como catastróficas ou como comuns a espécie humana e aprendermos com elas. O fato é que as relações colorem a nossa vida, estamos sempre em busca de trocas significativas com as pessoas à nossa volta. Cabe a nós construirmos relações positivas e saudáveis. Elas são os alicerces do caminho, a base para uma vida mais feliz!

Compartilhar
Marcela Pimenta Pavan
Marcela Pavan é Psicóloga Clínica. Especialista em Família e Casal pela PUC-Rio. Experiência em questões ligadas a relacionamentos, conflitos pessoais, ansiedade, carreira, envelhecimento, entre outras. Site de atendimento online: www.acaminhodamudanca.com.br



COMENTÁRIOS