Sobre o Binge-Watching e nossas fugas diárias

Por Germana Belo

“É impossível enfrentar a realidade o tempo todo sem nenhum mecanismo de fuga.” – Freud

O surgimento dos serviços de streaming de vídeos online marcaram a história da indústria do entretenimento e inauguraram novos hábitos de consumo de mídia que, hoje, fazem parte de nossa rotina. O binge-watching é o principal deles, e se refere ao ato de assistir vários episódios de uma série ininterruptamente.

Nos últimos tempos, esse novo costume tem se tornado objeto de estudo e alvo de críticas. Em recente pesquisa, uma universidade americana afirmou haver uma correlação entre o binge-watching e a incidência de estados depressivos, e algumas pessoas já o apontam como uma nova categoria de adicção. Por outro lado, o hábito também tem sido acusado de relegar a arte a um lugar contínuo de subterfúgio da realidade, se prestando como um poderoso meio de alienação.

Não é novidade que o consumo excessivo de algo (“binge”) se coloca para nós como uma possibilidade de fuga de sentimentos ruins experienciados. Quem nunca comeu compulsivamente ao lidar com uma decepção amorosa? Quem nunca “bebeu todas” para esquecer os problemas? Da mesma maneira, às vezes, entramos em uma sala de cinema tentando deixar a angústia do lado de fora, ou nos lançamos na leitura de um livro para ocupar uma mente inquieta. A ascensão definitiva do cinema americano, por exemplo, se deu durante a Grande Depressão de 1929, quando o estilo de vida uma vez invejável dos americanos estava desmoralizado e o cinema se tornou uma fuga imaginária para a população da época.

A questão aqui se volta, porém, não para o que o mundo nos apresenta como mecanismo de defesa contra estados emocionais desagradáveis mas, sim, para a relação que temos com estes e o que essa relação pode dizer ou nos alertar sobre nós mesmos ou sobre a sociedade em que vivemos.

Acredito que a atenção deva estar não no comportamento em si mas em sua incidência, ou padronização. Se o excesso vira rotina, talvez esteja na hora de pararmos e refletirmos sobre o porquê. Se procuramos a arte apenas como meio de alienação e nunca elucidação, se deixamos de procurar nela causa e procuramos apenas consolo, talvez seja o momento de nos questionarmos sobre a qualidade desse vínculo. Mas, principalmente, se a dinâmica que estabelecemos com esses mecanismos defensivos começam a afetar a maneira com a qual nos relacionamos com o mundo e com os outros, aí, talvez seja hora de nos preocuparmos.

De resto, a verdade é que viver não é nada fácil, e a fuga, se por um lado pode tornar-se patológica, por outro, também pode ter uma função restauradora. O excesso de estímulos, de informação, de afetos… O excesso da vida faz com que, às vezes, seja mesmo necessário dar um unplug e se refugiar na segurança de um universo imaginário. Talvez, seja um tempo necessário de elaboração e digestão de tudo que nos atravessa no dia-a-dia. Talvez, seja um tempo que precisamos dar de nós mesmos.

Compartilhar
Germana Belo
Carioca, Psicóloga de formação, roteirista por vocação, paladina das artes e da Psicanálise. Entre um café e outro escreve sobre os assuntos que lhe ocupam a mente e o coração. Recém-saída da zona de conforto, caminha pela vida buscando inspiração, desejando devolvê-la ao mundo.



COMENTÁRIOS