Algumas vezes fazemos algo que vai ser motivo de arrependimentos. Quando isso acontece, nossos desejos nos dominam e nos comportamos impulsivamente, sem pensar nas consequências.

Existem impulsos de todos os tipos, bons e ruins, mas por trás deles está a dificuldade de controlar como nos comportamos. Dizer algo horrível para aqules a quem amamos, comer muito doce, ou comprar muitas roupas e gastar a poupança são exemplos de comportamento impulsivo.

Embora variados, todos eles trazem consequências que podem nos prejudicar, então é importante seguir uma série de dicas para aprender a controlar os impulsos.

Dicas para aprender a controlar impulsos

Existem várias maneiras pelas quais podemos reduzir o tempo em que nos comportamos impulsivamente, permitindo-nos assumir o controle de nosso próprio comportamento e obter um maior grau de autocontrole. Confira algumas delas:

1. Identifique como e quando eles ocorrem

A grande maioria dos comportamentos impulsivos tem uma razão por trás, seja associada a um distúrbio psicológico ou a fatores mais contextuais.

Na medida do possível, identificar o que está por trás do início do comportamento impulsivo e quando ele ocorre é um fator-chave para aprender a gerenciá-lo. Por exemplo, se estamos lutando contra o desejo de comer um doce entre as refeições, podemos fazer várias perguntas, como: Por que eu quero comer? A comida me satisfez o suficiente? O que me fez querer comer chocolate?

Assim, respondendo a essas perguntas , podemos entender mais profundamente por que o impulso acontece e, por sua vez, optar por comportamentos alternativos que impessam que ele seja realizado.

2. Reveja as emoções

Quando estamos tendo um impulso, como nos sentimos? Essa questão é muito importante, principalmente observando o antes, o durante e o depois do comportamento temido e preocupante.

É possível que nosso humor seja um fator causal no surgimento do comportamento. Devemos meditar sobre como nos sentimos antes de decidir realizá-lo.

Enquanto realizamos o impulso, podemos nos sentir satisfeitos, mas essa satisfação vai durar muito pouco, porque depois de realizar o comportamento, o arrependimento virá e nós nos perguntaremos ‘por que eu o fiz isso?’

Levar isso em conta pode evitar que você caia em tentação.

3. Encontre uma distração

O mundo está cheio de todos os tipos de estímulos, o que pode nos ajudar a evitar um comportamento que racionalmente não queremos ter.

Por exemplo, você acabou de conversar com seu namorado no telefone e ele te disse que não gostou da maneira como você lavou a louça na noite passada, algo que ele sempre te diz, mas que você nunca entende, pois não sabe onde está errando ao lavar a louça.

Diante dessa situação, seria fácil responder impulsivamente a ele com um ‘bem, a partir de agora você lava a louça então!’ ou ‘você é muito ranzinza e perfeccionista’, algo que claramente não vai ajudar a acalmar seu espírito.

Em vez de responder, é melhor esperar assistindo televisão, lendo um livro ou pintando uma imagem. São atividades que ajudam a se isolar do mundo, a se desconectar por um tempo.

Então, quando você estiver mais calmo, pense mais racionalmente e diga ao seu namorado para te explicar onde você está errando ao lavar a louça.

4. Pense no futuro imediato

Uma das idéias mais compartilhadas pelos psicólogos, especialmente da Mindfulness, é a idéia de viver o aqui e agora, o momento presente.

No entanto, uma boa maneira de evitar um impulso é pensar em como nos sentiremos imediatamente depois de fazê-lo, e no que isso vai impactar a minha vida.

Podemos tentar pensar friamente sobre as conseqüências de ser sincero demais, quebrar um objeto ou fazer um lanche que não deveríamos, para citar alguns exemplos.

5. Conte até dez

Respire fundo e conte até dez, apesar de simples e barato, é muito eficaz. Isso nos permite refletir com um certo grau de profundidade o desejo de fazer o que queríamos.

Os dez segundos são apenas uma sugestão. Dependendo do nosso grau de impulsividade, podemos precisar de mais tempo para acalmar nossa impulsividade.

6. Meditação e yoga

Toda prática em que é realizada uma profunda reflexão de nosso estado psicológico contribui não apenas para um melhor controle e ajuste emocional, mas, como um efeito colateral benéfico, também nos permite controlar melhor nossos impulsos.

Isso pode ser feito de todas as formas possíveis, embora as meditações mais conhecidas e mais efetivamente estudadas sejam a atenção plena.

O yoga também funciona, pois, como atividade física, oferece não apenas benefícios ao nível do corpo, mas também mentalmente, permitindo-nos ter uma visão mais calma e racional de nossos desejos momentâneos.

7. Pense em alternativas

Por causa do tédio ou porque estamos imersos em uma raiva enorme, impulsos acontecem. Uma boa maneira de evitar o comportamento temido, como comer aquele chocolate que guardamos para o fim de semana ou socar alguém que acabou de nos dizer algo desagradável, é conduzir um comportamento que o substitua.

É óbvio que, uma vez que existem tantos tipos diferentes de impulsos, haverá, por sua vez, muitas maneiras de substituí-los, mas seja o que for, ele deve cumprir a função de impedir que comportamentos indesejados sejam executados.

Por exemplo, para evitar comer chocolate quando não pode, você pode tomar uma decisão saudável de beber um copo de água e, se não encher o suficiente, tomar outro até ficar cheio.

Quanto a dar um soco, uma opção menos prejudicial para outras pessoas é pegar uma almofada e fazer desse objeto a vítima do golpe.

8. Identifique os impulsos positivos

Da mesma maneira que existem impulsos negativos, há outros que nos ajudam diariamente. Embora seja preferível pensar nas coisas antes de fazê-las, pensar com profundidade antes de fazer qualquer coisa pode não ser um comportamento muito adaptável, pois pode nos fazer perder um tempo muito valioso.

Exemplos de comportamentos impulsivos que podem ser positivos seria dizer a um amigo que as roupas que ele escolheu usar para determinada ocasião estão horríveis e, assim, impedí-lo de se fazer de bobo; ou então comprar no supermercado todos os legumes que estão na promoção.

Uma vez identificados esses impulsos positivos, eles podem contribuir significativamente para mudar o seu comportamento, principalmente se esses comportamentos que implicam algum benefício forem priorizados, em vez de executar os impulsos considerados prejudiciais.

9. Aprenda a tolerar frustração

Os impulsos surgem de desejos, de querer expressar uma opinião, querer fazer algo ou interagir socialmente de maneira ruim, mas isso pode nos trazer algum alívio a curto prazo.

Portanto, tentar impedir que esses impulsos ocorram gera frustração, o que não facilita o autocontrole, uma vez que o ser humano, por natureza, tenta satisfazer seus desejos o mais rápido possível.

Se você conseguir aceitar esse desconforto e tentar conviver com ele, pouco a pouco você treinará seu corpo e sua mente para suportar o momento.

10. Aprenda com os seus erros

O ser humano é o único animal capaz de tropeçar duas vezes na mesma pedra, e impulsos de qualquer tipo são um exemplo claro disso.

Em mais de uma ocasião, dissemos para nós mesmos “caí de novo”, “não sei como me controlar” e outras frases do tipo. Errar é humano, mas não aprender com nossos erros é perder uma oportunidade muito boa de corrigi-los.

Um bom método para gerenciar esses impulsos é ter um caderno ou calendário no qual seja anotado quando você caiu novamente naquele impulso que tenta evitar e o motivo pelo qual você cedeu.

Com base nisso, haverá uma visão mais holística do seu comportamento, o que te levará a entender quais são os fatores que contribuem para que você ceda ao impulso, portanto, sendo capaz de evitar os gatilhos.

11. Vá para a terapia

Na maioria dos casos, os impulsos realizados não são algo que implica necessariamente um problema sério; no entanto, certos comportamentos, como vícios, agressões ou autolesões, envolvem a contratação de um profissional .

O psicoterapeuta ficará encarregado de oferecer terapias que permitam reduzir essa impulsividade que é claramente prejudicial à pessoa, diagnosticando o possível distúrbio por trás.

Existem muitos distúrbios que podem estar relacionados ao conceito de impulso, como no caso de muitos transtornos de personalidade, distúrbios alimentares (com comportamentos purgativos e compulsões), TDAH e, é claro, distúrbio de controle os impulsos.

***
Destaques Psicologias do Brasil, com informações de Psicología y Mente.
Foto destacada: Reprodução.

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


*O conteúdo do texto acima é de responsabilidade do autor e não necessariamente retrata a opinião da página e seus editores.


Compartilhar

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




DESTAQUES PSICOLOGIAS DO BRASIL
Uma seleção das notícias relacionadas ao universo da Psicologia e Comportamento Humano.