Os problemas de saúde mental sempre foram um tema recorrente no cinema, mas o distúrbio mais exposto nos filmes é nada mais e nada menos que o da personalidade múltipla, porque inspirou uma grande fonte de histórias.

De fato, o nome correto para essa condição é transtorno dissociativo de identidade, caracterizado por alternar personalidades diferentes, cada uma com qualidades e históricos pessoais únicos, que emergem como um mecanismo de defesa após sofrer um trauma.

Esses 10 filmes emblemáticos retratam personagens que sofrem do Transtorno Dissociativo de Identidade e, além de cativar os fãs de cinema, também despertaram grande interesse na comunidade psiquiátrica.

# 1 Cisne Negro.

O que acontece quando você quer algo tão forte que se desconecta? É o que acontece com Nina (Natalie Portman), uma talentosa dançarina de balé que tem uma intensa ambição de conseguir o papel principal na assembléia de Swan Lake, uma oportunidade que mudaria sua vida.

A pressão de sua mãe, o diretor da peça e uma rivalidade doentia com outra dançarina levará Nina a se perder na própria cabeça e confundir o real com o imaginário. Um filme que vale a pena assistir.

# 2 Psicose.

Um clássico de suspense imperdível, inspirado no romance homônimo de Robert Bloch. A história acontece no Bates Motel, onde o gerente Norman (Anthony Perkins) recebe uma noite chuvosa para um jovem hóspede que altera a “ordem” no motel sombrio.

Um desaparecimento para resolver, confusão e muito suspense neste filme que acabou se tornando um marco na história do cinema e, curiosamente, teve dificuldades de financiamento porque os produtores não acreditavam que era uma boa história.

# 3 Eu, eu mesmo e Irene.

O título único do filme já trai a presença de um protagonista que tenha pelo menos duas personalidades; nesse caso, é Charlie (Jim Carrey), um policial que trabalha e um pai amoroso e dedicado.

No entanto, seu alter ego agressivo chamado Hank acorda quando Charlie para de tomar seus remédios, agora eles têm um problema; Ambos estão apaixonados pela mesma mulher e nem estão dispostos a compartilhar.

# 4 Fragmentado.

Se duas personalidades dentro de um corpo parecem pouco para você, que tal 23? Esse é o número de pessoas que “vivem” em Kevin (James McAvoy), que, apesar de levar anos tomando terapia, começa a perder o controle sobre si mesmo e, em um dia ruim, uma de suas personalidades dominantes sequestra três adolescentes que fazem parte de seu plano para algo maior e perigoso.

Um fato curioso é que, originalmente, Joaquin Phoenix iria interpretar Kevin, mas devido a problemas na agenda, James McAvoy acabou ocupando seu lugar nas filmagens, você pode imaginar como teria sido?

# 5 O Médico e o Monstro.

Se falamos de clássicos, é inevitável mencionar este filme, embora a história seja baseada em um romance que foi adaptado várias vezes ao cinema, a versão mais emblemática é a de 1920 e um século depois, ainda é reconhecida por lidar com o terror usando os recursos de a época.

O Dr. Henry Jekyll (John Barrymore) desafia-se a criar uma fórmula que pode separar a natureza boa e má do homem em dois corpos distintos. No entanto, um cálculo incorreto faz com que ambos habitem o mesmo corpo, causando problemas sérios. Embora a origem do distúrbio do Dr. Jekyll se deva a um experimento científico, no filme podemos ver um sentimento confuso de identidade, um sintoma do distúrbio dissociativo.

# 6 As Duas faces de um crime.

Se alguém comete assassinato enquanto está “possuído” por uma personalidade alternativa, ele é realmente culpado? Esta é a questão colocada neste filme em que um jovem coroinha (Edward Norton) é acusado de tirar a vida de um arcebispo. Seu advogado (Richard Gere) usará o transtorno de personalidade múltipla como principal alegação para sua defesa e tentará obter o perdão.

‘As duas faces de um crime’ coloca sobre a mesa questões éticas que desencadeiam controvérsias sobre o bem e o mal, razão e justiça. É uma história de crime e como a saúde mental não deve ser relegada como uma questão secundária.

# 7 Sybil.

É um filme baseado na história real de Shirley Ardell Mason, nomeada na ficção como Sybil (Sally Field), conta o que uma jovem artista vive quando começa a sofrer perda de memória por curtos períodos, acordando em lugares desconhecidos e com feridas. o corpo. Determinada a procurar ajuda, ela vai a uma terapia psiquiátrica que revelará que Sybil não está sozinha, ela é acompanhada por 15 outras personalidades.

O impacto deste filme vai além do cinematográfico, contribuiu para abrir uma discussão na comunidade psiquiátrica e o chamado transtorno de personalidade múltipla foi incluído no Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais ( DSM ) ), editado pela American Psychiatric Association.

# 8 Frankie e Alice.

Nada parece extraordinário na vida de Frankie (Halle Berry), uma dançarina que começa a mostrar suas outras duas personalidades alternativas sem estar ciente disso. É assim que Alice aparece, uma personagem maligna e extremamente racista que não se importa de machucar alguém ou qualquer coisa.

O filme teve críticas mistas, mas reconhecendo o grande trabalho dramático de Halle Berry, cuja performance lhe rendeu uma indicação ao Globo de Ouro em 2010.

# 9 As três Faces de Eva.

Eva (Joanne Woodward) é uma mulher casada que se cansou de sua vida como dona de casa e um casamento que parece estagnado em monotonia. Quando a menina começa a ter problemas de perda de memória, seu marido percebe que algo está errado com ela e decide procurar ajuda com um psiquiatra que descobrirá o alter ego oculto de Eva.

À medida que a história avança, vemos o protagonista lidar com uma terceira personalidade que está disposta a levar o corpo de Eva para sempre, mas não antes de confrontar suas personalidades “vizinhas”.

# 10 Clube da luta.

Um jovem trabalhador de escritório (Edward Norton) farto de sua vida cinzenta e monótona conhece Tyler Durden (Brad Pitt), um vendedor de sabão peculiar que o leva a questionar seu modo de vida e acha que a autodestruição faz mais sentido do que parece, então Juntos, eles decidem abrir um clube de luta que mudará suas vidas com uma mudança inesperada.

Embora em sua estréia em 1999 não tenha se saído muito bem nas bilheterias, hoje é considerado um dos melhores filmes dos anos 90 e se tornou um filme cult, motivo de elogios a seu diretor e protagonistas. O clube da luta é um filme em que o TID é fundamental, mas ao mesmo tempo é apenas um dos grandes temas que ele inclui.

***
Destaques Psicologias do Brasil, com informações de Nation.
Fotos: Divulgação.

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


Compartilhar

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




DESTAQUES PSICOLOGIAS DO BRASIL
Uma seleção das notícias relacionadas ao universo da Psicologia e Comportamento Humano.