Há cerca de dois meses a Netflix disponibilizou em seu catálogo o longa “Por Lugares Incríveis, um drama baseado no romance homônimo de Jennifer Niven. O filme foi dirigido por Brett Haley e tem como protagonistas Elle Fanning e Justice Smith.

O “drama romântico” é o eixo condutor que alicerça uma temática extremamente necessária: o estado emocional e a saúde mental de jovens expostos a realidades bastante perturbadoras. Afinal, em uma fase repleta de mudanças pessoais, o quanto mais é possível aguentar sem perder o rumo da própria vida?

Violet Markey, interpretada por Elle Fanning, é uma jovem em luto pela perda recente da irmã. Sem sentido para continuar, ela sofre com pensamentos sobre a real importância de continuar vivendo.

Já Theodore Fitch, interpretado por Justice Smith, é um conhecido da escola que, no momento em que Violet mais precisou, esteve presente.

Theodore, a partir de um encontro decisivo, desafia Violet a redescobrir bons momentos da vida através de visitas a “lugares incríveis”, ideia que deu nome ao filme.

Mas, você ainda pode estar pensando, por que eu veria um filme que, em sua proposta inicial, é adolescente?

Para isso, e baseados no texto do site Jetts, adaptei uma lista com razões de interesse da psicologia para ver “Por Lugares Incríveis” o quanto antes:

1- A vida não é fácil para ninguém e muitos dilemas podem afetar nossa jornada. Nesse filme em específico o enredo contempla de forma poética, mas também crua e realística temas como a depressão, a solidão (mesmo que acompanhada), a perda e o luto e o processo de recuperação;

2- Embora os protagonistas e a trama sejam adolescentes, a sensibilidade da abordagem é capaz de agradar pessoas de todas as idades. Dá para sentir na pele o que eles sentem, independente de quantas primaveras já tenhamos acumulado em nossa jornada. Sentir empatia e entender como a dor pode afetar pessoas diferentes é algo fundamental na hora de ajudar. No filme, vemos como os personagens lidam com essa dor, e vemos também como a capacidade de se superar o processo e se reinventar não é igual para ambos;

3- Para além das temáticas inseridas no tópico 1, o bullying é um assunto também trabalhado no filme.  Vemos, em diversas cenas, como as sequelas do bullying acontecem ao longo do tempo e também no quanto ele afeta a autoimagem e a formação da personalidade posterior de quem o sofre.

4- A interpretação do ator Justice Smith é louvável. Nós passamos o tempo todo tentando entendê-lo, pensando em como ele sente e procurando com muita dificuldade nos colocar em sua pele. Nós sofremos suas aflições como se fossem nossas. E, o que mais nos toca, é a luta que ele demonstra, por mais que tente desesperadamente encontrar uma lógica e motivação para continuar (como o usos dos post its) para conseguir prosseguir. O filme dá inúmeros exemplos de como ele, após um período de tentativa, precisa se afastar de tudo e de todos para tentar reorganizar seu pensamento e seguir.

5- O filme faz com que entendamos como, muitas vezes, a alegria reside mais em detalhes inesperados e em como o nosso olhar capta esses os momentos em que o simples e belo nos sorri. Nesse ponto é um sentido muito positivo do filme. Por outro lado, entretanto, o filme mostra um pouco sobre como uma pessoa muitas vezes pode parecer eufórica e feliz enquanto, na realidade, encontra-se emocionalmente fragmentada, perdida e sem perspectivas reais de melhora;

6- O filme ainda nos mostra, mais do que um relacionamento afetivo, a força da empatia e da amizade que os protagonistas tiveram um pelo outro. A dor os ligou e permitiu que ambos vissem verdadeiramente um ao outro. É mais fácil eu reconhecer no outro uma dor que, de alguma forma, eu também sinto.

7- O filme também mostra que, por mais que tentemos, nem sempre é possível salvar alguém. Ele nos coloca em choque com a realidade de nossas limitações pessoais tanto como amigos, quanto como profissionais da saúde;

8- E, mais ainda, o filme nos ensina que doenças psiquiátricas podem ser muito sérias e  merecem atenção especializada.  Vemos, ainda, como quem tem uma rede de apoio familiar e amigos próximos tem mais chance de se recuperar do que quem tem família ausente e um histórico familiar mais traumático, como aconteceu com o personagem interpretado por Justice Smith.

9- Vemos, ainda, como a escola é um lugar que pode identificar sinais de alerta. Theodore Fitch sumia dias da aula e só voltava quando se sentia bem novamente. Entretanto, seus sumiços eram talvez os maiores sinais de alerta, uma vez que ele escondia seus momentos de maior dor.

10- O filme, em resumo, nos toca a alma de forma bruta, mas também doce e poética. E, talvez, seja esse o seu mérito maior: permitir que entendamos as histórias paralelas de seus personagens sem julgá-los ou condená-los por suas limitações e ações.

***
Imagens reprodução/divulgação

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


Compartilhar

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Josie Conti
É idealizadora, administradora e responsável editorial do site CONTI outra e de suas redes sociais. Psicóloga com 19 anos de experiência, teve sua trajetória profissional passando por diversas áreas de atuação como educação, clínica (consultório, grupos pré-cirurgia bariátrica e de reeducação alimentar, acompanhamento de pacientes idosos e acamados em projeto da UNIMED), além de recursos humanos e saúde do trabalhador. Teve um programa diário, o CONTI oura, na rádio 94.7 FM de Socorro. Atualmente realiza vídeos, palestras, cursos, entrevistas, e escreve para diversos canais digitais. Sua empresa ainda faz a gestão de sites como A Soma de Todos os Afetos e Psicologias do Brasil. Possui mais de 11 milhões de usuários fidelizados entre seguidores diretos e seguidores dos sites clientes. Também realiza atendimentos psicológicos online.