Está de volta para mais uma temporada a série sensação da Netflix, “Você”, que acompanha a história de um homem que persegue uma jovem de forma perturbadora.

A série nos mostra como as fotos, os dados e as reflexões despretensiosas que publicamos nas redes sociais podem ser usados ​​contra nós.

Baseada no romance homônimo de Caroline Kepnes, a série da Netflix conta como o vendedor de livros Joe Goldberg tenta fazer a aspirante a escritora Guinevere Beck se apaixonar por ele e, para isso, entre outras coisas, usa informações que ela compartilha nas redes sociais.

“Joe sabe muito bem que o Instagram é uma mentira, o Twitter é puro robô e o Facebook é um buraco negro, mas ele também sabe que é aí que as coisas interessantes estão para ele”, disse o jornalista especialista em TV James Donaghy no jornal britânico The Guardian.

“Conhecimento é poder, e cada grama revelador que você extrai desses lugares inclina a balança ainda mais a seu favor na sua busca por Beck”, acrescentou.

É preciso ter um cuidado especial para não compartilhar algumas informações específicas nas redes sociais. E, se você já as publicou, é melhor apagá-las. São elas:

Esse gesto não é tão inofensivo quanto parece (Foto: Getty Images via BBC News)

1. Impressões digitais

É um lugar-comum posar para uma foto fazendo o sinal de “paz e amor”. Mas esse gesto inocente pode estar nos colocando na mira de criminosos digitais.

O pesquisador do Instituto Nacional de Informática no Japão, Isao Echizen, alerta que mostrar a parte interna do indicador e do dedo médio na câmera pode facilitar o roubo de nossa identidade.

De acordo com o especialista, as novas tecnologias permitem ampliar facilmente as imagens e escanear graficamente as impressões digitais, principalmente se os dedos estiverem “expostos a uma luz intensa”.

Para provar isso que o que diz é verdade, o professor realizou um experimento com fotografias em que os sujeitos mostravam as pontas dos dedos a até três metros de distância.

Echizen afirmou à BBC Mundo (serviço da BBC em espanhol) que, uma vez digitalizadas, as impressões digitais estão “amplamente disponíveis” para reprodução indiscriminada, algo que “qualquer um pode fazer”.

Ainda segundo o especialista, essse tipo de foto é um comportamento cada vez mais perigoso, devido ao avanço das ferramentas biométricas usadas para garantir a segurança em dispositivos móveis, como telefones celulares.

Publicar que você está de férias mostra também que sua casa pode estar vazia (Foto: Getty Images via BBC News)

2. Seu destino de férias

Eu sei que é grande a tentação de fazer inveja aos amigos contando onde você vai passar as próximas férias, mas compartilhar essa informação nas redes pode não ser a melhor ideia!

É possível que essa atitude chame a atenção para possíveis criminosos no local, ou ainda pode sinalizar que você deixou sua casa vazia, à mercê de assaltantes.

Segundo um estudo publicado em 2018 no Reino Unido, aproximadamente 22% dos entrevistados afirmaram que tiveram suas casas furtadas durante as férias. Todos os participantes que responderam sim haviam publicado fotos de seus dias de folga nas redes sociais.

Para o jornalista especialista em questões de tecnologia e mídia social Nilton Navarro, existem algumas empresas que podem não pagar o seguro em caso de assalto, se você mostrou no Facebook ou no Instagram o quanto estava feliz na praia.

“Algumas empresas consideram que, de alguma forma, você é responsável pelo furto, tornando sua ausência pública”, disse Navarro em seu blog.

Além do seu destino de férias, você também não deve postar fotos do cartão de embarque do voo no qual você embarcará.

Com esses dados, por exemplo, é possível extrair as informações que compartilhou com a companhia aérea e até o número do cartão de crédito com o qual você fez a compra.

Data de aniversário não deveria ser tão compartilhada publicamente (Foto: Getty Images via BBC News)

3. Data de nascimento

“Para alguém roubar sua identidade e cometer fraude em seu nome, em muitos países você só precisa ter seu nome, endereço e data de nascimento. É simples assim”, escreveu a analista de segurança informática Amelia Murray no jornal britânico The Telegraph.

É comum ser parabenizado em seu aniversário por meio das redes sociais e incluir as informações sobre quantos anos você tem. Isso facilita o cálculo de quando você nasceu.

“A data de nascimento é uma parte crucial da identificação, pois é o único fato que nunca muda. E, uma vez publicada on-line, fica disponível para sempre”, disse John Marsden, da empresa Equifax.

É recomendável também evitar senhas que estejam relacionadas a informações pessoais, a exemplo da data de nascimento.

 

 

 

(Foto: Netflix via BBC News)

4. Número do telefone pessoal

Se você pensar bem, terá muitas informações armazenadas no seu telefone celular: fotos, e-mails, acesso à maioria das suas redes sociais.

Por esse motivo, especialistas apontam que a publicação do número de telefone pessoal está abrindo a porta para várias ameaças e que isso pode comprometer seriamente a sua privacidade.

“Se você já usou seu smartphone para pagar algo on-line, um hacker especialista pode obter informações sobre cartão de crédito simplesmente com o número”, disse James Robbins, do portal de segurança virtual Mighty Call.

Portanto, os especialistas recomendam ter um número profissional que possa ser compartilhado.

Quantas informações sobre seus filhos você compartilha nas redes sociais? (Foto: Getty Images via BBC News)

5. Fotos de seus filhos (ou de crianças em geral)

Quanto você compartilha na internet sobre a vida de seus filhos? E até que ponto você deseja ver informações sobre a vida dos filhos de outras pessoas nas redes sociais?

Sharenting — um termo que faz a combinação das palavras em inglês compartilhar (compartilhar) e paternidade (paternidade) — consiste em documentar os primeiros sorrisos, palavras, etapas… e cada uma das histórias dos pequenos no Facebook, no Instagram e em outras redes sociais.

No entanto, de acordo com a empresa de serviços financeiros Barclays, o compartilhamento é uma porta para fraudes na internet.

De acordo com a companhia, muitos pais estão comprometendo a segurança financeira futura de seus filhos (e dos seus) compartilhando dados de menores de idade na rede sem moderação.

De fato, a empresa estima que até 2030 o compartilhamento de dados pessoais custará mais de US$ 870 milhões em fraudes online — sendo responsável por dois terços do phishing na próxima década — e diz que cometer golpes na internet “nunca foi tão fácil”.

***
Destaques Psicologias do Brasil, com informações de Época Negócios.
Foto destacada: Divulgação/Netflix.

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


*O conteúdo do texto acima é de responsabilidade do autor e não necessariamente retrata a opinião da página e seus editores.


Compartilhar

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




DESTAQUES PSICOLOGIAS DO BRASIL
Uma seleção das notícias relacionadas ao universo da Psicologia e Comportamento Humano.