Eu trabalhei por vários anos na área de Saúde do Trabalhador e, se tem duas coisas que eu aprendi junto a pessoas que precisavam utilizar EPI´s (equipamentos de proteção individual, como é o caso das máscaras) foi que:

Eles são extremamente desconfortáveis;

A curto prazo os benefícios de sua utilização nem sempre são visíveis.

Pronto, acima talvez já tenhamos encontrado os alicerces que serão a base de qualquer outro argumento desfavorável ao uso da máscara que venha a seguir. Entretanto, mesmo sabendo o quanto as máscaras podem ser desconfortáveis e como, no caso do COVID-19, o “inimigo” é algo invisível, nenhum (ou praticamente nenhum) argumento para o não uso da proteção poderia sobrepujar a sua utilização.

Assim, segue abaixo uma lista de razões e/ou desculpas que vão de motivos razoáveis que até entendemos (embora não possamos aceitar) a desculpas risíveis e sem nenhuma razoabilidade.

1- Falta de hábito

Mudar hábitos é algo extremamente difícil, principalmente quando essa mudança envolve perda de conforto. Assim, um dos maiores desafios para o uso da máscara é a pessoas conseguir assimilar a mudança de comportamento. Informação motivadora: qualquer pessoa é capaz de mudar um hábito, mesmo quem tem mais idade!

2- Atrapalha para respirar

A respiração com a máscara, definitivamente, não é tão fácil quanto sem ela. Algumas pessoas chegam a dizer que têm a sensação de sufocamento quando a colocam (e nós entendemos). Entretanto, e ao menos que a pessoa tenha um problema de saúde grave, a nossa respiração também consegue se adaptar ao uso da máscara.  Informação consoladora: Se as outras pessoas conseguiram, você também consegue!

3- Motivos estéticos

Por incrível que pareça não são poucas as pessoas que colocam a aparência na frente da saúde. E, para elas, esconder parte do rosto pode ser algo bastante desafiador. Entretanto já ficou claro que hoje feio é quem não se protege. Dica de moda: chique é se proteger (e agora também não faltam modelos incríveis de máscara).

4- Perda da audição!

Muita gente reclama que, ao usar máscara, tem dificuldade para entender o que os outros dizem. E, embora esse seja um motivo bem estranho e engraçado, isso acontece porque a nossa compreensão do outro não se restringe ao som. Nós, sem perceber, costumamos observar os movimentos dos lábios das pessoas e fazemos uma espécie de leitura labial inconsciente durante nossas conversas. Assim, quando não podemos ver o todo, temos a impressão de que não estamos ouvindo. São nessas horas que vemos gente tirando a máscara para conversar, às vezes até sem perceber. MAS ISSO NÃO PODE!!! Boa notícia: a gente também se acostuma com isso e volta a “ouvir melhor” com o tempo.

5- Não acreditar na ciência, nos políticos e/ou na mídia

Embora estejamos falando de três coisas diferentes, é compreensível que as pessoas duvidem do que não conseguem ver e/ou entender. Mesmo sabendo racionalmente do perigo do vírus, na prática ninguém o vê e isso permite que nosso cérebro nos sabote e queira relaxar. Agora, somemos a dificuldade universal em aceitar um dado científico não visível ao bombardeio diário de discursos políticos e midiáticos repletos de informações contraditórias. De um lado, temos uma política atual negacionista, de outro, pessoas que se utilizam dos espaços da mídia para propagar fake news. Assim, o resultado na pessoa é, no mínimo, a desconfiança sobre quem realmente tem razão. E o preço disso é a não aceitação total das medidas de segurança. Dica: acredite na ciência

6- Motivos Religiosos

Infelizmente nem sempre a religião é usada a favor das pessoas e, não raro, alguns grupos baseiam-se em uma interpretação deturpada ou antiquada das escrituras para justificar atos que em outros meios não seriam bem vistos. Logo no começo da pandemia, por exemplo, vimos alguns pastores dizendo aos seus fiéis que eles deveriam continuar frequentando os cultos. E, mais grave do que isso, diziam que pegar a doença seria sinal de pouca fé. Para eles, se a fé for forte, a pessoa não pega. Dica: lembrem-se de que todas as pessoas são passíveis de erro, inclusive líderes religiosos. Se alguém lhe disser para fazer algo que lhe traga desconforto é sempre bom pensar a respeito e discutir o assunto com mais pessoas antes de obedecer.

7- Egoísmo e falta de empatia

Esse é um motivo grave porque o egoísmo e a falta de empatia (eles costumam andar juntos) não permitem que a pessoa olhe para nada além de seu próprio umbigo. Assim, a pessoa não será capaz de se colocar no lugar do outro para entender que suas ações refletem e podem gerar consequências na vida dos que vivem no seu entorno. E, o que é ainda mais grave, algumas dessas pessoas até entendem que podem prejudicar os outros, só não dão a mínima para isso. Foi por causa disso que alguns especialistas começaram a fazer relação entre pessoas que não usam máscara e traços sociopatas.

Falar desses motivos pode ajudar as pessoas a reconhecerem qual é o ponto com o qual mais se identificam (isso é bom porque gera autocrítica). Entretanto, mesmo que entendamos as razões para não usar, é preciso compreender que a vida, nosso bem mais valioso, ainda é a razão máxima para que usemos a máscara!

***

Photo by Flavio Gasperini on Unsplash

RECOMENDAMOS






É idealizadora, administradora e responsável editorial do site CONTI outra e de suas redes sociais. Psicóloga com 20 anos de experiência, teve sua trajetória profissional passando por diversas áreas de atuação como educação, clínica (consultório, grupos pré-cirurgia bariátrica e de reeducação alimentar, acompanhamento de pacientes idosos e acamados em projeto da UNIMED), além de recursos humanos e saúde do trabalhador. Teve um programa diário, o CONTI oura, na rádio 94.7 FM de Socorro. Atualmente realiza vídeos, palestras, cursos, entrevistas, e escreve para diversos canais digitais. Sua empresa ainda faz a gestão de sites como A Soma de Todos os Afetos e Psicologias do Brasil. Possui mais de 11 milhões de usuários fidelizados entre seguidores diretos e seguidores dos sites clientes. Também realiza atendimentos psicológicos online e possui um Podcast semanal, ao lado de Felipe Souza, o "Corra, Forrest, corra!" que trata de assuntos da atualidade mesclando-os com dicas de filmes e séries.