Existem pais que não conseguem amar seus filhos. Essa é uma realidade que raramente é admitida. Na verdade, em muitos casos, a falta de reconhecimento desse problema é mais negativa do que a própria falta de afeto.

Se os pais deixarem de amar seus filhos, mas não admitirem, eles provavelmente acabarão se envolvendo em comportamentos mais prejudiciais do que a própria falta de amor. Desprezam os filhos, desaprovam ou criticam sem motivo, submetem-nos a diferentes formas de abandono, etc.

Não é fácil admitir a existência de pais que não amam seus filhos. Supõe-se que isso seja contra a própria natureza, mas não é. O pai ou a mãe podem ser incapazes de amar de maneira saudável. O lado positivo é que isso pode ser trabalhado e superado para o bem de todos. Por que isso está acontecendo? A seguir estão sete razões.

“ Quase todos os pais sentem que amam seus filhos. Mas o que os pais sentem internamente deve ter um componente externo nas ações que são amorosas, a fim de ter um efeito positivo sobre os filhos.”, Robert W. Firestone.

1. Autoimagem negativa

Às vezes, os pais deixam de amar seus filhos porque eles não deram o primeiro passo, o de amar a si mesmos. Nesse caso, opera um mecanismo projetivo: se eu me rejeito, como não posso rejeitar o que no fundo também considero parte de mim?

É impossível amar alguém sem primeiro desenvolver um sentimento de apreciação por si mesmo. É muito mais difícil amar um filho nessas condições, já que este é um pedaço de seus pais em vários sentidos. Os pais nessa posição freqüentemente rejeitam os filhos que são mais semelhantes a eles de uma maneira especial.

2. Imaturidade, uma razão pela qual os pais não amam seus filhos

Ser pai implica adotar uma perspectiva diferente de vida. Acima de tudo, o significado da palavra “responsabilidade” muda. A partir de agora, cada pessoa não é mais responsável apenas por si mesma, mas também pela vida que traz ao mundo.

Na ausência de maturidade suficiente, essa responsabilidade é vista como um fator ameaçador que cria uma dependência íntima, mas indesejada. Nessas condições, é fácil desenvolver certo ressentimento ou rejeição pela criança, visto que ela é vista como um obstáculo ou um fardo.

3. Traumas

Não é fácil exercer uma paternidade saudável quando você passou por uma criação não saudável. É muito comum uma pessoa rejeitar as atitudes, comportamentos e padrões com os quais foi criada e, ao mesmo tempo, acabar repetindo-os com os próprios filhos. Um dos efeitos do trauma não resolvido é exatamente esse.

Existem pais que deixam de amar os filhos porque a própria situação familiar foi traumática para eles. É como rever uma infância encenada que gerou muito sofrimento. Se não der certo, a história acaba se repetindo. É uma tentativa inconsciente e desesperada de superar o trauma.

4. Extrema ansiedade em relação à morte

Existem pessoas que têm um medo extremo da passagem do tempo e da morte. O fato de se tornarem pais, de uma forma ou de outra, está associado ao envelhecimento e isso gera rejeição.

Nesse caso, uma maneira de evitar a ansiedade em relação à velhice e à morte é inibir os sentimentos de amor pelos filhos. Afasta-se e evita-se um vínculo muito próximo com eles. É uma forma de evasão.

5. Narcisismo

O narcisista não se ama muito, muito pelo contrário. No fundo, ele tem dúvidas sobre seu próprio valor, mas opta por ignorá-las por meio de um superdimensionamento de si mesmo. Isso leva ao extremo oposto: parece que não há mais ninguém no mundo.

Nesses casos, os pais deixam de amar seus filhos porque descobrem que eles não são simplesmente uma extensão de si mesmos e nem sempre estão lá para atender às expectativas dos pais. Percebendo isso, o narcisista opta por desprezá-los.

6. Deficiências da infância

Esta é uma situação complexa em que os pais se relacionam intimamente com os filhos, mas o fazem com entusiasmo. Na verdade, eles não esbanjam amor com eles, mas procuram suprir a falta de afeto que eles próprios tiveram na infância.

A proximidade e as próprias carícias são uma forma de absorver, possuir e integrar os filhos como parte de si mesmas. Obviamente, eles acusam as tentativas do filho de quebrar a cerca e isso muitas vezes leva a relacionamentos muito conflitantes.

7. Padrões de comportamento da criança

Às vezes, a paternidade resulta em filhos desafiadores, sobrecarregando os recursos dos pais para contê-los. Isso pode gerar rejeição consciente ou inconsciente.

Outras vezes, o filho tem um jeito de ser que não condiz com o caráter do pai. Por exemplo, ele pode ser introvertido quando os pais prefeririam que ele mantivesse uma postura mais sociável. Ou pelo contrário: ele é muito extrovertido e isso irrita os pais.

A maioria dos pais deixa de amar seus filhos porque existem fatores ou circunstâncias que os impedem, e não porque eles são desnaturados. A família inteira pode ganhar muito se esses pais decidirem explorar o que está acontecendo e resolver o problema; uma tarefa sempre mais fácil com a ajuda de um profissional.

***
Destaques Psicologias do Brasil, com informações de La Mente es Maravillosa.
Foto destacada:

Compartilhar

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




DESTAQUES PSICOLOGIAS DO BRASIL
Uma seleção das notícias relacionadas ao universo da Psicologia e Comportamento Humano.