A protagonista desta história é uma professora panamenha de 37 anos chamada Graciela Bouche que elevou seu amor e compromisso com a educação a outro nível, indo de sua casa em uma área urbana da província do Panamá para uma cidade rural em a província de Colón para ajudar um grupo de crianças indígenas que não tem acesso à Internet a ter aulas online.

E é que depois que o governo panamenho estabeleceu as medidas para conter o contágio da COVID-19 naquele país, milhares de pessoas, entre esses grupos indígenas, tiveram sérias dificuldades para se adaptar ao novo normal do teletrabalho e das aulas online, devido ao falta de recursos econômicos para ter celular ou computador, e às vezes ficam tão isolados que não têm sinal de telefone e nem de internet.

Um desses casos ocorre com crianças da etnia Emberá que têm problemas para se conectar a aulas online por morarem em uma área de selva na cidade de Gamboa, na província de Colón, onde o sinal é escasso. Porém, a professora Graciela decidiu fazer todo o possível para que os alunos pudessem receber suas aulas e por isso vai à comunidade 1 ou 2 vezes por semana, atravessando o rio Chagres que divide as províncias do Panamá e Colón, com a ajuda de Madelaine, uma indígena de 25 anos que com seu remo e canoa leva a professora ao porto de Ella Puru.

Graciela envia um quadro-negro, um laptop e alguns alimentos para seus alunos e em entrevistas com a mídia local ela explica que “a decisão foi devido ao problema de conectividade que eles têm e que não estavam recebendo o conteúdo acadêmico como o resto do alunos. Isso me motiva a vir e me aproximar deles para dar uma aula semi-presencial ”. E acrescentou que antes da pandemia, as crianças de Ella Puru e de outras comunidades próximas normalmente iam para uma escola na província do Panamá cruzando o rio e depois pegando o ônibus escolar em uma viagem de 40 minutos.

Em entrevistas à mídia local, Evelyn Cabrera, secretária da comunidade Ella Puru e mãe de uma criança que está na primeira série, comentou que em sua localidade não há luz elétrica e que o celular nem sempre é uma opção: “pelo telefone em Às vezes aqui passa o sinal ou não há dados ou não tenho um cartão para conectar a criança e como são páginas da web fica difícil entrar ”. Porém, Graciela está fazendo todo o possível para que os filhos tenham uma boa educação e se tornou o elo entre os alunos e os demais professores, trazendo seu laptop e celular para que as crianças pudessem fazer videochamadas com eles e ter as aulas do outros assuntos.

Por fim, Evelyn mencionou algumas palavras de agradecimento em nome de todos os pais da comunidade: “A experiência tem sido boa, porque nem todos se esforçam. A jornada é longa e perigosa. Mas ela o faz por amor às crianças e estamos aqui para apoiar a professora ”.

***
Destaques Psicologias do Brasil, com informações de Nation.
Fotos: Reprodução.

Compartilhar

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




DESTAQUES PSICOLOGIAS DO BRASIL
Uma seleção das notícias relacionadas ao universo da Psicologia e Comportamento Humano.