Lendo o interessante livro “Psicologia da alma” do autor Joshua David Stone, fiquei encantado com uma perspectiva sobre o sentimento de raiva que até esse momento ainda não tinha parado pra pensar e venho compartilhar com todos vocês nesse texto. Ele diz no livro que toda raiva nada mais é do que a perda de controle nas situações do dia a dia e a tentativa de recuperar esse controle! Uau! É muito verdadeiro isso! Fiquei pensando em muitas situações nas quais eu me deixei dominar pela raiva e percebi que em 100% dos casos se verificou que foi uma perda do controle da situação!

Trarei aqui alguns exemplos genéricos e um que aconteceu comigo na mesma semana na qual escrevi esse texto! Pense num pai ou numa mãe que fica com raiva do filho ou filha após eles terem feito alguma danação! O que essa raiva representa? Que eles perderam o controle da situação e queriam que os filhos se comportassem de outra forma. A tentativa de recuperar o controle pode ser das mais diversas, pode ser uma simples conversa com eles, ou um sermão mais ríspido, ou mesmo colocá-los de castigo por um tempo.

Você fica irritado com sua namorada ou namorado porque fez alguma coisa que você não gostou. A raiva está ligada a você querer que tudo seja sempre do seu jeito e não do jeito da outra pessoa. Nessa hora as reações também são as mais diversas, você pode ficar de cara amarrada sem se comunicar, pode começar uma baita discussão querendo se colocar como a pessoa que está certa, pode ficar com altos julgamentos, menosprezando ou culpando seu parceiro ou parceira etc. etc.

Você se irrita porque alguém lhe deu uma fechada no trânsito ou porque o congestionamento está muito grande. A raiva surge porque isso está totalmente fora do seu controle, você não pode controlar os veículos que circulam ou as vias que ficam muito cheias, isso é impossível! Da mesma forma que você não controla a atitude de alguém imprudente que lhe dá uma fechada. Nessa hora a melhor opção é respirar fundo e tentar não se deixar dominar pela raiva, ouvir uma música ou um podcast e saber que chegar atrasado a algum compromisso por causa do trânsito congestionado não é o fim do mundo nem você vai perder o seu emprego por causa disso…

Você vai a um restaurante ou pede uma pizza por delivery e percebe que está demorando muito pra vir a comida. Você fica irritado porque está com fome, o estômago roncando e quer comer o mais rápido possível, mas você não tem controle sobre essa situação. O ideal é tentar se distrair com alguma coisa boa como conversar com alguém querido, ou ouvir música, assistir a uma Live bacana no Instagram, até que a comida chegue entende?

Você está competindo numa corrida qualquer e treinou pra caramba pra vencer, porém você chegou meio segundo depois do vencedor, ficando em segundo lugar. Você fica com raiva porque se tivesse treinado mais teria conseguido, se tivesse feito uma alimentação mais rigorosa teria vencido, se, se, se… Mas não adianta, você perdeu a corrida! Em vez de chorar pelo leite derramado, você pode treinar a gratidão por ter ficado em segundo lugar no meio de uma competição que tinham dezenas de pessoas, ou seja, você foi muito bem, apesar de não terminar em primeiro!

Concluo com um exemplo bobinho que aconteceu nessa semana. Estava em casa e percebi que de repente a internet caiu. Esperei um pouco, liguei e desliguei o modem e nada de ela voltar. Saí pra corrida que faço diariamente pensando: “Daqui pra volta da corrida tem voltado a internet…”. Só que não! Daí a raiva começou a subir, liguei pra empresa da internet e eles disseram que foram problemas técnicos na região onde moro e bastava esperar que até às 23h ela voltaria. Por volta das 20h e pouco a internet voltou. Foram mais de 7h sem acesso.

A raiva surgiu porque perdi o controle dessa situação percebe? Não havia o que fazer, apenas esperar! Respirei fundo e fui fazer outras coisas até que ela voltou e pude fazer minhas atividades de trabalho normalmente.

Com todos esses exemplos acho que deu pra você perceber que a raiva está de fato ligada à perda de controle das situações não é? Que tal após perceber tudo isso a gente trabalhar dentro de nós a serenidade, a paz de espírito, a respiração consciente, práticas meditativas? Em minha opinião, esse é o maior de todos os antídotos contra a raiva!

Que aprendamos cada vez mais a lidar com esse sentimento tão comum e que está presente em absolutamente todas as pessoas…

Photo by Usman Yousaf on Unsplash

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


Compartilhar

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Isaias Costa
Bacharel em Física. Mestre em Engenharia Mecânica e Psicanalista clínico. Trabalha como professor particular de Física e Matemática e nas consultas com Psicanálise em Fortaleza. Também escreve no seu blog "Para além do agora" compartilhando conteúdos voltados para o autoconhecimento e evolução pessoal. Contato: isaiaspsicanalista@gmail.com