Embora ainda existam pessoas que acreditam que os homens dominam melhor algumas disciplinas escolares, como ciência, tecnologia, engenharia e matemática, um grupo de garotas recentemente provou que essas pessoas não podiam estar mais erradas. As garotas podem e devem ser o que quiserem!

As meninas Joy Njekwe, 17, Rachael Akano, 15, e Margaret Akano, 17 criaram um aplicativo inovador chamado Memory Haven que tem o objetivo de ajudar pacientes e com demência e seus cuidadores. E não é só isso, a criação rendeu a elas o primeiro prêmio na competição Technovation Girls no Technovation World Summit 2020. Elas superaram 1.500 participantes de 62 países.

As adolescentes de origem nigeriana vivem em Drogheda, na costa leste da Irlanda. Sua mentora, Evelyn Nomayo, está atualmente examinando seu doutorado em ciência da computação e estatística.

Quando Nomayo percebeu que muitas vezes era a única mulher ou pessoa negra em suas aulas, o desequilíbrio óbvio a perturbou. Portanto, com o objetivo de trazer mais meninas e pessoas de minoria etnicas para esse espaço, ela fundou a Phase Innovate , cuja missão é orientar e treinar minorias sub-representadas nas áreas de tecnologia e negócios.

Inspirada pela lembrança da batalha de sua própria mãe contra a demência, e preocupada sobre como as pessoas com a doença podem estar enfrentando a quarentena, a mentora ajudou o trio de garotas a fazer um brainstorming, codificar e criar o aplicativo Memory Haven ao longo do desafio Technovation de 12 semanas.

“Minha mãe começou a ter problemas de demência três ou quatro anos atrás”, disse Nomayo, cuja mãe faleceu no início deste ano.

“A primeira vez que percebi que algo estava errado foi quando ela começou a ter alucinações. Ela morava na América, mas pensava que estava na Nigéria. Uma vez [quando eu a estava visitando] dei a ela algo para costurar e pude ver a dor em seus olhos porque ela se esqueceu de como.

“Ela era costureira, mas não podia mais fazer isso. Algumas das minhas experiências que tive com ela, a equipe traduziu em tecnologia para ajudar outras pessoas.”

O Memory Haven é voltado para lidar com as três dificuldades mais comuns associadas à demência: deficiência na fala, perda de memória e diminuição da capacidade de reconhecimento.

O aplicativo apresenta uma lista de reprodução de música com reconhecimento facial e vocal integrado que ajusta o tom de acordo com o humor específico do usuário e uma função de alcance para pedir ajuda em situações de emergência.

Outras funções incluem uma carteira de fotos que permite aos usuários digitalizar fotos marcadas de pessoas importantes em suas vidas; jogos da memória para melhorar a função cognitiva e alertas de saúde que oferecem aos pacientes e cuidadores lembretes de compromissos ou quando é hora de tomar medicamentos.

“Nosso principal objetivo é apenas ajudar o maior número de pessoas possível”, disse o gerente de projeto Akano à BBC . “Esperamos que nosso aplicativo possa se tornar global um dia e alcançar milhões de pessoas que são afetadas pela demência e apenas tornar suas vidas um pouco mais fáceis.”

Devido às restrições do COVID-19, Njekwe e as irmãs Akano conduziram a maior parte de seu trabalho para o projeto Technovation Girls via WhatsApp.

Mesmo a cerimônia de premiação deste ano foi realizada virtualmente, mas isso não diminuiu a resposta alegre das meninas quando souberam que haviam levado para casa o prêmio principal.

***
Destaques Psicologias do Brasil, com informações de Good News Network.
Foto destacada: Notícias globais / YouTube.

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


Compartilhar

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




DESTAQUES PSICOLOGIAS DO BRASIL
Uma seleção das notícias relacionadas ao universo da Psicologia e Comportamento Humano.