Nesta sexta-feira (12), a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) anunciou que registrou o primeiro medicamento para tratar pacientes hospitalizados com Covid-19, o antiviral remdesivir, que ainda é alvo de estudos.

O Remdesivir é um antiviral usado de forma intravenosa (injetado) que funciona impedindo a replicação do vírus. No Brasil, será usado em adultos e adolescentes com mais de 40 kg hospitalizados com pneumonia. Ele não poderá ser administrado em paciente que esteja em ventilação mecânica.

O Remdesivir é produzido pela biofarmaceutica Gilead Sciences e o seu nome comercial é Veklury. Vale destacar que o medicamento não é vendido em farmácias e não substitui as vacinas contra a Covid-19.

Os resultados de um estudo usado pela Anvisa como justificativa para a liberação apontam que os pacientes que passaram pela terapia se recuperaram mais rapidamente que os demais: os que receberam o remdesivir tiveram melhora clínica em 10 dias, enquanto que os que não receberam tiveram melhora em 15 dias.

De acordo com a Anvisa, nenhum paciente que utilizou o antiviral durante o estudo faleceu. Entre os efeitos adversos, foi observado, em alguns casos, toxidade no rim.

O gerente geral de Medicamentos e Produtos Biológicos da Anvisa, Gustavo Mendes, esclareceu que o remdesivir pode ser utilizado apenas com supervisão médica.

“É uso restrito pelos hospitais para que os pacientes possam ser adequadamente monitorados”, disse Mendes.

***
Destaques Psicologias do Brasil, com informações de Bem Estar/G1.
Foto destacada: Ulrich Perrey / Pool / AFP.

RECOMENDAMOS






Os assuntos mais importantes da área- e que estão em destaque no mundo- são a base do conteúdo desenvolvido especialmente para nossos leitores.