Angelina Friedman, que tem 102 anos e mora em uma casa de repouso em Nova York, recentemente sobreviveu à sua segunda luta contra a COVID-19, como reata sua filha Joanne Merola.

“Ela não só venceu o COVID aos 101, ela também o venceu aos 102”, disse Merola à PIX11.

Se o fato de ter derrotado duas vezes o Covid-19 não basta para que entendam que Angelina Friedman é alguém destinado a grandes feitos, é preciso dizer ainda que ela também viveu durante duas pandemias globais.

Angelina Sciales nasceu durante a pandemia de 1918 em um navio de passageiros que levava imigrantes da Itália para a cidade de Nova York.

“Ela nasceu em um navio vindo da Itália durante a gripe espanhola”, disse Merola no início deste ano. “O nascimento dela foi em 18 de outubro de 1918.”

A mãe de Angelina morreu durante o parto no navio.

“Ela foi ajudada por suas duas irmãs”, disse Merola sobre sua mãe.

Quando o pai de Angelina se reuniu com suas filhas em Nova York, ele as levou para morar no Brooklyn.

“Ela era uma entre 11 filhos”, disse Merola. “Ela é a última sobrevivente.”

Angelina acabou se casando com um homem chamado Harold Friedman. O casal lutou contra o câncer mais tarde na vida, mas apenas Angelina superou a doença.

Ela perdeu a maior parte da audição e sua visão está ruim, mas ela manteve seu entusiasmo pela vida.

Friedman, residente do Centro de Enfermagem e Terapia Restaurativa de North Westchester, lutou contra o COVID-19 mais recentemente em outubro, de acordo com sua filha.

Sua primeira luta com o vírus aconteceu em março, quando ela foi levada ao hospital para um pequeno procedimento médico.

Quando ela testou positivo para COVID-19, o procedimento foi adiado e Friedman passou uma semana no hospital. Ela então voltou para a casa de repouso e se isolou em seu quarto.

Depois de ficar com febre por várias semanas, Friedman finalmente testou negativo para coronavírus em 20 de abril.

Na época, a filha de Friedman recebeu um telefonema tarde da noite de enfermeiras. Disseram que Friedman estava indo muito bem, que estava comendo de novo e procurando lã para fazer crochê.

“Minha mãe é uma sobrevivente”, disse Merola em abril. “Ela sobreviveu a abortos espontâneos, hemorragias internas e câncer.”

Seis meses após o primeiro diagnóstico de COVID-19, a filha de Friedman disse que recebeu um telefonema da casa de saúde no final de outubro, “para me dizer que ela testou positivo novamente.”

“Ela tinha sintomas – febre, tosse seca. Eles deram a ela um monte de remédios. Eles pensaram que ela também poderia estar com gripe.”, disse a filha.

Mais funcionários e residentes da casa de saúde estavam adoecendo, de acordo com Merola, então os residentes mais velhos foram colocados em isolamento.

Merola disse que recebeu atualizações diárias sobre a situação e no dia 17 de novembro recebeu uma ótima notícia. “Minha mãe invencível testou negativo”, disse ela.

Depois que outro teste deu negativo, Friedman saiu do isolamento e voltou para seu quarto normal.

Merola disse que atribui a sobrevivência de sua mãe a “uma vontade de ferro de viver”.

“Ela não é a mais velha a sobreviver ao COVID, mas pode ser a mais velha a sobreviver duas vezes”, disse ela.

***
Destaques Psicologias do Brasil, com informações de Pix11.
Fotos: Reprodução.

Compartilhar

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




DESTAQUES PSICOLOGIAS DO BRASIL
Uma seleção das notícias relacionadas ao universo da Psicologia e Comportamento Humano.