No jogo das recriminações, a culpa se transforma em dardos tóxicos que, mais cedo ou mais tarde, nos atingirão. Se aceitarmos a culpa dos outros e assumirmos responsabilidades que não são nossas, corremos o risco de nos tornar o bode expiatório de alguém. E uma vez que assumimos esse papel, é muito difícil livrar-se do enorme peso emocional que ele carrega.

O que significa “bode expiatório”? História, simbolismo e má sorte

Para celebrar o Dia da Expiação, uma jornada que envolvia confissão de pecados e arrependimento ao longo do ano, os judeus antigos escolheram duas cabras. Então eles selecionaram aleatoriamente um dos animais para sacrificar a Yahveh.

“Ele lançará sortes para as duas cabras, uma para Yahveh e outra para Azazel”, diz Levítico 16 no Antigo Testamento. “Ele apresentará a cabra em que caiu o lote ‘para Yahveh’, oferecendo-a como sacrifício pelo pecado.”

O outro bode não teve um destino melhor, pois a culpa de todos os pecados caiu sobre ele. O rabino colocou as mãos na cabeça do animal em uma cerimônia simbólica para transferir a culpa das pessoas para o animal.

Mais tarde, a cabra foi levada ao deserto como emissário, onde o abandonaram. Embora também se diga que eles o apedrejaram até falecer, pois com esse sacrifício o povo poderia limpar e apagar seus pecados.

Dessa tradição veio a expressão “bode expiatório”. Em um nível psicológico, esse fenômeno continua a manter sua principal característica histórica: o bode expiatório é escolhido aleatoriamente para carregar a culpa que não lhe corresponde e, assim, liberar – no sentido real ou metafórico – quem tem a verdadeira responsabilidade.

O que é um bode expiatório na psicologia?

Na psicologia, o bode expiatório é a pessoa ou grupo que você deseja culpar, mesmo sendo inocentes, por exonerar o verdadeiro culpado. Portanto, é uma pessoa sobre quem as acusações ou convicções recaem, embora não seja a verdadeira pessoa responsável pelo que aconteceu.

A história está cheia de bodes expiatórios, já que esse fenômeno é tão antigo quanto o próprio homem. Talvez um dos exemplos mais trágicos e icônicos do bode expiatório tenha sido o processo de culpa que os nazistas lançaram contra os judeus, apenas porque eles pareciam ter mais sucesso em seus negócios, enquanto muitos outros alemães estavam sofrendo as consequências devastadoras da Primeira Guerra Mundial.

Hoje, diferentes grupos carregam o estigma que vem sendo considerado um bode expiatório. É o caso dos imigrantes ou minorias sociais em que uma parte da sociedade descarrega seu desconforto. Muitos líderes políticos, especialmente em tempos de crise, também exploram inescrupulosamente o mecanismo do bode expiatório para desviar a atenção de suas próprias falhas e tentam fugir de seu legítimo ônus de responsabilidade, colocando-o em outras pessoas.

Esse processo de culpar também é comum em famílias disfuncionais, nas quais dificuldades e complexos psicológicos de grupo são transferidos para um membro específico. É essa pessoa que carrega todos os problemas, vergonha e culpa da família, desviando assim a atenção dos conflitos reais que devem ser resolvidos.

Por que precisamos de um bode expiatório?

O fenômeno do bode expiatório na psicologia pode ser atribuído a dois mecanismos de defesa freudianos: deslocamento e projeção. De fato, a escolha do bode expiatório costuma ser um processo inconscientemente alimentado.

Segundo Freud, para manter um certo equilíbrio, tanto psicológico quanto interpsicologicamente, temos a tendência de remover de nossa consciência as coisas, emoções, impulsos ou pensamentos que nos incomodam ou representam um conflito.

Quando algo gera hostilidade, tendemos a mudar esse sentimento em direção a metas mais socialmente aceitáveis ​​ou a pessoas mais vulneráveis ​​que não são um perigo para nós. Por exemplo, em vez de ficar com raiva de nosso chefe, podemos acabar transferindo essa raiva para o parceiro ou parceira no relacionamento.

Em outros casos, o bode expiatório é o resultado da projeção; isto é, projetar aqueles sentimentos ou ansiedades que não aceitamos em nós mesmos para os outros. O problema é que aceitar esses sentimentos alteraria a imagem que temos de nós mesmos, provocaria uma dissonância cognitiva, de modo que, ao projetá-los nos outros, mantemos um relacionamento livre de tensão com o nosso “eu”. Por exemplo, podemos culpar nosso parceiro por não nos ouvir, quando na verdade não estamos ouvindo.

Quando estamos frustrados porque não vemos como resolver o problema e ele se torna muito ameaçador, a resposta mais simples para canalizar esse desamparo, medo ou ansiedade é direcioná-lo para uma terceira pessoa ou grupo.

Assim, a criação de um bode expiatório responde a duas razões psicológicas: 1. manter o valor moral pessoal percebido, minimizando sentimentos de culpa sobre a responsabilidade por um resultado negativo; e 2. manter o controle pessoal percebido, obtendo uma explicação clara de um Um resultado negativo que, de outra forma, parece inexplicável, como explicaram os psicólogos da Universidade do Sul do Mississippi.

Quando encontramos alguém para culpar por infortúnios, problemas, calamidades sociais ou mesmo pandemias, facilitamos nossas próprias responsabilidades e dissipamos sombras inaceitáveis. Também fortalecemos nosso senso deturpado de poder e justiça, aliviando a culpa e a vergonha, livrando-nos da necessidade de fazer algo, pois a responsabilidade não é nossa.

O bode expiatório torna-se, assim, uma espécie de saco de pancadas, o reservatório onde deixamos os problemas e conflitos mais dolorosos ou complicados para resolver. Portanto, não precisamos nos aprofundar muito em suas causas. Simplificamos tudo. E aliviamos a dor psicológica que viria com a aceitação de certas culpas e responsabilidades.

O problema é que a criação de um bode expiatório não resolve os problemas. Fechar os olhos para as sombras não os fará desaparecer. Culpar o outro não resolve nossos conflitos e cria novos problemas para a pessoa que está carregando responsabilidades que não lhe correspondem.

As feridas emocionais do bode expiatório

Muitas pessoas que se tornaram bodes expiatórios não estão totalmente conscientes dessa dinâmica. Dado que aqueles que culpam geralmente são pessoas com as quais temos um vínculo emocional estreito ou pessoas que ocupam posições de poder, o mais comum é assumir essas falhas. Não percebemos que estamos envolvidos em uma situação de abuso emocional até que seja tarde demais e o dano já esteja feito.

Os bodes expiatórios geralmente experimentam grande sofrimento e angústia desde que passaram por anos de invalidação e abuso. Pais que os culparam por arruinar suas vidas, casais ou chefes altamente tóxicos que não assumem suas responsabilidades.

Essas pessoas estão tecendo uma história baseada em mentiras, negação e distorção da realidade em que o bode expiatório se torna o único culpado por todos os infortúnios que ocorrem. Como resultado, não é incomum que essa pessoa acabe acreditando que é má ou inútil.

Essa pessoa achará cada vez mais difícil identificar seus desejos e necessidades, acredite que não é digna de ser bem-sucedida ou amada e perderá a confiança em suas habilidades para perseguir seus objetivos e sonhos. Também é provável que você se culpe excessivamente e sinta que não tem o direito de ser feliz.

Para sair dessas redes, você precisa romper com os estereótipos do vilão / culpado e do herói / vítima. Isso significa assumir que não há ninguém completamente bom e ninguém completamente mau. E que em qualquer relacionamento, responsabilidades ou culpa são distribuídas.

Nunca é tarde para descobrir e recuperar nossa verdadeira identidade, livre da narrativa distorcida e culpada que os outros querem impor e que nos pintam como “ruins” ou “defeituosos”.

***
Destaques Psicologias do Brasil, com informações de Rincón de la Psicología.
Imagem destacada: Reprodução.

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


Compartilhar

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




DESTAQUES PSICOLOGIAS DO BRASIL
Uma seleção das notícias relacionadas ao universo da Psicologia e Comportamento Humano.