No esporte de atletismo, os atletas competem não apenas uns com os outros, mas contra si mesmos, e a cada corrida eles se esforçam para alcançar um novo recorde pessoal.

Para um adolescente de Nebraska (EUA) correndo no que provavelmente seria sua última corrida de Cross Country antes de se formar no Ensino Médio, seu melhor resultado pessoal não foi marcar o tempo mais rápido, mas sim oferecer às pessoas uma lição de solidariedade e espírito esportivo.

O adolescente, Brandon Schutt, sabia que se seu tempo fosse bom o suficiente naquela corrida, ainda tinha potencial para se qualificar para a próxima competição estadual.

No entanto, ao atingir pouco mais de 1 km em uma corrida que teriam 5 km no total, Brandon percebeu que não seria capaz de manter o rítmo.

Em vez de se arriscar a se machucar, ele diminuiu a velocidade para um ritmo confortável que lhe permitiria simplesmente aproveitar o momento e o dia.

Enquanto isso, Blake Cerveny, estudante do segundo ano da Omaha Burke High School, estava disputando um tipo de corrida muito diferente.

Com o objetivo de bater seu próprio recorde pessoal, após um início rápido, ele continuou a se esforçar muito.

Com menos de 400 metros pela frente, as pernas de Cerveny se contraíram e falharam.

Mas Blake estava determinado a terminar a corrida, então levantou-se do chão e continuou, apenas para cair novamente após mais 150 metros… e novamente, levantou-se e começou a correr. Desta vez, ele fez apenas 25 metros a mais antes de cair. Mas ele ainda não tinha terminado.

Preocupado, seu pai e seu treinador perguntaram a Cerveny se ele queria parar. Ele não o fez. Com um esforço hercúleo, o jovem corredor se levantou e com um andar instável, avançou para um empurrão final.

Não foi o suficiente. A escassos 100 metros da linha de chegada, ele estava enrolado no chão. Suas pernas simplesmente cederam.

Antes que o pai de Cerveny pudesse alcançar seu filho, outro corredor – Brandon Schutt – estava ao seu lado para oferecer uma ajuda.

Sua primeira tentativa de levantar Blake Cerveny falhou, mas, como Cerveny, ele também se recusou a desistir. Com um segundo puxão, Blake Cerveny pôs-se de pé.

Em uma corrida medida, com Blake Cerveny segurando Brandon Schutt para suporte e Schutt ajudando Cerveny a manter o equilíbrio, os dois completaram os 75 metros finais do percurso em conjunto.

Schutt ainda garantiu que o corredor lesionado cruzasse a linha de chegada primeiro, garantindo ao oponente um tempo mais rápido.

(Embora Cerveny tenha sido automaticamente desclassificado por ter recebido ajuda, o tempo de Schutt para a corrida permanecerá.)

“Eu vi Blake ziguezagueando a 100 metros do final, um sinal clássico de que suas pernas estavam prestes a ceder. Enquanto mantive minha atenção concentrada nele, vi Brandon entrar em cena. Comecei a sussurrar: ‘Não, não, não’ para mim mesmo, porque na época, eu não sabia que a regra do Bom Samaritano havia sido mudada”, disse Jay Slagle, o jornalista que primeiro divulgou a história em seu blog.

“Esta é a primeira vez que vejo um atleta parar sua corrida e trabalhar tanto para ajudar seu colega competidor a cruzar a linha de chegada”, acrescentou. “Talvez o mais impressionante seja que Brandon não teve praticamente nenhum tempo para pensar se deveria ajudar ou não; ele reagiu tão rapidamente que o fez instintivamente. ”

Três semanas antes deste encontro, Brandon Schutt se viu na mesma situação que Cerveny, incapaz de completar a corrida. “Eu me senti péssimo por não terminar”, disse ele. “Senti que estava decepcionando meus companheiros de equipe e me decepcionando – então, no final das contas, resolvi ajudá-lo.”

Como Cerveny foi levado para a tenda médica para cuidados, Schutt juntou-se aos seus companheiros de equipe para um relaxamento pós-corrida. (Cerveny, que estava sofrendo apenas de fadiga muscular extrema sem lesões sustentadas, logo se levantou e foi capaz de sair por conta própria.)

Ironicamente, embora a dupla tivesse competido em cinco corridas diferentes ao longo da temporada, eles ainda eram estranhos. No final do dia agitado, nem Cerveny nem Schutt sabiam os nomes um do outro.

Graças à cobertura de Slagle e um turbilhão de mídia social, no entanto, o ato de bondade não creditado de Schutt foi rapidamente tudo menos anônimo. Logo, o meio de comunicação local que publicou a história organizou um reencontro diante das câmeras e os meninos tiveram a oportunidade de refletir sobre o que os eventos do dia significaram para eles.

No mundo competitivo de hoje, no qual a ênfase no atletismo é tantas vezes colocada na quebra de recordes, foi inspirador ver que, para um atleta como Brandon Schutt, o valor do verdadeiro espírito esportivo ainda fala mais alto.

“Brandon é uma pessoa excelente”, disse a treinadora-chefe da pista de Bellevue East, Rachel Carraher. “Ele é muito gentil e um grande líder na equipe.”

E para outros, como Blake Cerveny, saber que terminar a corrida – independentemente das probabilidades ou adversidades – é o verdadeiro significado de uma vitória.

***
Destaques Psicologias do Brasil, com infirmações de Good News Network.
Fotos: Reprodução.

RECOMENDAMOS






Uma seleção das notícias relacionadas ao universo da Psicologia e Comportamento Humano.