Quem nunca passou por brigas na relação, provavelmente leva um relacionamento à distância. Ou um dos parceiros se cala ao primeiro sinal de turbulência.

Há casais que tomam gosto pela briga por causa do depois – aquele climinha de ‘nada no mundo irá destruir o que temos’, ‘eu te amo’ e outras frases que dão um ar de “está tudo bem, obrigada e melhor que antes”.

Existem pessoas que gostam de resolver as divergências no grito. Que acham que desrespeitando o parceiro (a), provocando desentendimentos é o melhor caminho para resolver problemas. E os que não dão o braço a torcer, custe o que custar.

Como se trata de relação a dois, é normal surgirem diferenças. São duas pessoas com cultura, forma de ver situações e criação distintas. No começo da relação é mais normal acontecerem brigas e discussões. Afinal, é uma nova vida para o casal e há muito o que acertar. O que piora tudo, é quando ambos, empurrados pelo ímpeto de ‘não parar’, vão dizendo palavras e mais palavras, não se importando muito com o que dizem e só pensando em atingir o outro.

Vencer uma discussão com quem está ao seu lado, pagando o preço de magoar a pessoa, talvez não seja lá uma vitória que te dê orgulho. O fim de toda confusão, vem quando um dos dois dá o braço a torcer. E se cala enfim.

Pede desculpas e propõe uma conversa. Talvez isso leve horas, dias.

No fim das contas, as brigas na relação não convêm. Se for para ter um clima de amor e parceria, que isso seja pelo diálogo. Se for para deixar rolar uma briga só para resolver um problema difícil de conversar, que um dos dois inicie dizendo algo como “é chato falar disso, mas preciso falar”.

Se for para terminar, que ocorra numa boa, como dois adultos.

Desentendimentos são destrutíveis, mesmo dando a ideia de que o depois deixa tudo mais quente, acaba levando parte do respeito de um em relação ao outro. Como um buraco infinito, um abismo, há palavras que doem mais que uma agressão física. Se a briga já começou, pare-a no meio, diga “chega, vamos nos acalmar e conversar” e não diga mais nada enquanto o outro não se acalmar. Sair do local onde está acontecendo a briga também é uma boa forma de pausá-la. Parece que ao sair, você consegue ficar na sua até que o outro se cale, acalme os ânimos.

Pensando no poder de destruição das brigas na relação, fica mais fácil colocar um pause em tudo que estiver ocorrendo. O diálogo é sempre o melhor caminho, pois apesar do clima “bom” depois de uma briga, as palavras ficam, por que têm o poder de magoar.
E uma mágoa leva um bom tempo para ser curada, às vezes, anos e anos. A pessoa que você escolheu pra dividir a vida, não merece ser magoada por causa da gana de vencer a tal briga.

Nunca se esqueça: um dos dois precisa se calar. O quanto antes isso acontecer, antes a discussão perde força. Se as brigas na relação se tornarem uma rotina, o que vocês têm hoje vai acabar se perdendo. O melhor é se calar. Evitar que tudo piore. E sempre tentar dialogar, por mais difícil que seja o assunto a ser tratado.

Imagem de capa: Shutterstock/FCSCAFEINE

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


*O conteúdo do texto acima é de responsabilidade do autor e não necessariamente retrata a opinião da página e seus editores.


Compartilhar

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




É graduanda em Psicologia, tem 33 anos. Como o que faz o mundo dela girar, são as pessoas, trabalha com Recursos Humanos. É mineira, bem casada com um Gaúcho lindo. Mora em Porto Alegre desde 2012. Está sempre lendo e ama escrever. Se sente rica, por ter vários livros em uma estante que é o seu tesouro. Ama se engajar em causas sociais, crê que a única coisa que levamos desse mundo, é o que plantamos e que as boas obras, são fundamentais.