Pesquisadores da Universidade de Illinois estudaram os efeitos de um regime de exercícios de 12 semanas em 148 militares da Força Aérea em serviço ativo, metade dos quais também recebeu uma bebida nutritiva duas vezes ao dia que incluía proteínas; o ácido graxo ômega-3, DHA; luteína; fosfolipídios; vitamina D; Vitaminas B e outros micronutrientes; junto com um composto de promoção muscular conhecido como HMB.

Ambos os grupos melhoraram na função física e cognitiva, com ganhos adicionais entre aqueles que consumiam regularmente a bebida nutricional, relata a equipe.

Os resultados, que aparecem na revista Scientific Reports, mostram que os participantes foram aleatoriamente designados para os dois grupos. O regime de exercícios combinou treinamento de força e desafios de aptidão aeróbica com intervalo de alta intensidade. Um grupo recebeu a bebida nutricional e o outro consumiu uma bebida placebo que não continha os nutrientes adicionados. Nem os pesquisadores nem os participantes sabiam quem recebeu a bebida enriquecida com nutrientes ou o placebo.

“A intervenção do exercício sozinho melhorou a força e a resistência, a mobilidade e a estabilidade, e os participantes também viram aumentos em várias medidas da função cognitiva. Eles tiveram melhor memória episódica e processaram as informações de forma mais eficiente ao final das 12 semanas. E eles se saíram melhor em testes que exigiam que resolvessem problemas que nunca haviam encontrado antes, uma aptidão chamada inteligência fluida”, disse Aron Barbey, professor de psicologia da Universidade de Illinois que conduziu o estudo com o pesquisador de pós-doutorado Christopher Zwilling.

“Quem também consumiu o suplemento nutricional viu todas essas melhorias e muito mais. Por exemplo, eles foram mais capazes de reter novas informações em sua memória de trabalho e tiveram respostas mais rápidas em testes de inteligência fluida do que aqueles que tomaram o placebo ”, disse Barbey.

A força física aumentou em ambos os grupos como resultado do treinamento físico, disse Zwilling.

“A força é uma medida de aptidão física que se baseia em vários fatores, como a velocidade com que um participante pode puxar um trenó pesado em uma distância definida, a que distância ele consegue lançar uma bola com peso e quantas flexões, pullups ou abdominais podem executar em um determinado período de tempo”, disse ele.

O treinamento físico reduziu o percentual de gordura corporal dos participantes e aumentou sua eficiência de captação de oxigênio, ou VO2 máx. Os aviadores também tiveram um desempenho melhor do que inicialmente em várias medidas de função cognitiva. O mais notável deles foi um aumento na precisão de suas respostas a problemas projetados para medir a inteligência fluida.

“Mas também queríamos saber se tomar o suplemento conferia uma vantagem acima e além do efeito do exercício”, disse Zwilling. “Vimos que sim, por exemplo em relação à frequência cardíaca em repouso, que baixou mais naqueles que tomaram o suplemento do que naqueles que não tomaram.”

Os participantes que consumiram a bebida nutricional também notaram maiores melhorias em sua capacidade de reter e processar informações. E seu tempo de reação em testes de inteligência fluida melhorou mais do que seus colegas que tomaram o placebo, descobriram os pesquisadores.

Então aí está. Os shakes de proteínas enriquecidos para acompanhar os seus exercícios não são apenas bons para o corpo. Eles são ótimos para o cérebro também.

***
Destaques Psicologias do Brasil, com informações de Good News Network.
Foto: Reprodução.

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


Compartilhar

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




DESTAQUES PSICOLOGIAS DO BRASIL
Uma seleção das notícias relacionadas ao universo da Psicologia e Comportamento Humano.