A questão dos limites aplicados à educação e criação de crianças e adolescentes é freqüentemente controversa. Em parte, porque a questão de como educar os pequenos em casa tem uma forte carga emocional quando atinge muitos pais “de perto”: ninguém gosta de se sentir questionado numa área tão importante da vida e até da própria identidade.

No entanto, na prática, as crenças sobre se esses limites são bons ou ruins são mais ideológicas do que reais. A verdade é que, na prática, todos os pais estabelecem limites em casa, estabelecem regras mais ou menos claras sobre o que o filho pode ou deve fazer. Agora… como devemos aplicar esses limites ao criar nossos filhos? Este é o verdadeiro debate.

Por que é importante encontrar um equilíbrio ao estabelecer limites na educação dos filhos?

Muitos pais e mães presumem que, uma vez que os pequeninos da casa não podem se defender sozinhos e não sabem o que pode prejudicá-los a curto e longo prazo, eles devem ser constantemente supervisionados por meio de vigilância e controle estritos, e que quase toda ação que se desvie do convencional deve ser desencorajada ou até proibida.

Outros, por outro lado, apresentam uma predisposição totalmente contrária à anterior: partem do pressuposto de que tentar estabelecer limites e regras cria mais problemas do que resolve e que a opção mais simples e adequada é deixar a rédea solta, permitindo que  que os filhos aprendam por si mesmos e que encarem as consequências positivas e negativcas das próprias atitudes para entenderem o que podem e o que não podem fazer.

Ambas as posições se baseiam em equívocos e, no fundo, baseiam-se em uma forma muito simplista de encarar a formação e a educação das crianças na infância e na adolescência. Na realidade, a existência de limites na educação de crianças é natural, tendo em conta que o nosso papel de adultos implica proteger as crianças e, ao mesmo tempo, permitir que se desenvolvam na sua própria aprendizagem da melhor forma possível. Uma educação sem aplicar essas regras se anula, não pode existir.

Portanto, a aplicação de limites com nossos filhos pequenos é uma consequência lógica de nosso papel como pais. Essas “linhas vermelhas” que não devem ser cruzadas não são tanto proibições quanto referências e orientações para se orientar em um mundo muito complexo e ambíguo. Os limites podem ser o sinal de que as punições existem, mas também são uma oportunidade para pensar por que certos comportamentos não são desejáveis ​​do ponto de vista dos mais velhos da casa e o que precisa ser feito para amadurecer e ganhar autonomia.

5 dicas para educar seus filhos pequenos sobre os limites

Os limites a serem impostos na educação de um menino ou de uma menina dependem tanto do contexto familiar como das características do menor. Mas, além disso, você pode se orientar a partir dessas dicas e ideias importantes ao aplicá-las e incluí-las em seu modelo de criação de filhos.

1. Certifique-se de que as regras são poucas e muito claras

Para que a criança seja capaz de se lembrar bem dessas regras, é importante que sejam relativamente poucas e simples, sem incluir muitas exceções ou variações. Dessa forma, sua memória virá à mente de forma espontânea quando ele for exposto a uma situação que pode levá-lo a se comportar de maneira inadequada.

Mas, para fazer isso, algumas regras de comportamento devem ter prioridade sobre outras; Na prática, é melhor que as menos importantes não sejam considerados “limites”, mas sim recomendações. Permitir que elas se integrem ao seu comportamento organicamente e sem serem fixadas por regras e proibições fará com que as normas importantes realmente assumam ainda mais valor.

2. Certifique-se de que a criança entendeu o porquê das regras

Para que esses limites não sejam percebidos simplesmente como imposições unilaterais, você tem que explicar ao seu filho ou filha o porquê, a razão de ser. Dessa forma, é criado um espaço de debate e negociação que pode até mesmo ajudar você a ter mais esse assunto em mente, e ajudá-lo a aprender.

3. Estabeleça regras consistentes

Uma vez que os padrões tenham sido definidos, certifique-se de que os critérios para determinar se eles são ou não atendidos não mudam. Caso contrário, eles serão rapidamente desconsiderados. Se essas regras não existirem na prática, em alguns dias também não existirão na teoria e você e seu filho ou filha se esquecerão delas.

4. Dê mais ênfase aos incentivos do que às punições

Desse modo, a relação do menino ou da menina com esses limites não dará lugar a tantos conflitos , pois ele os verá como uma espécie de andaime para ganhar validação e demonstrar seu nível de maturidade.

5. Caso ele não cumpra as regras e você tenha que puní-lo, faça logo

Não deixe passar muito tempo entre o descumprimento e a punição. Desta forma, evita-se que a situação seja considerada injusta e arbitrária.

Procura assistência psicológica profissional?

Como vimos, encontrar esse equilíbrio entre proteção e liberdade para os filhos menores é uma tarefa complexa e facilmente complicada. Felizmente, muitos psicólogos e psicólogos oferecem serviços de terapia infantil e adolescente e apoio aos pais para superar esse tipo de dificuldade.

***
Destaques Psicologias do Brasil, com informações de Psicologia y Mente.
Fotos: Reprodução.

RECOMENDAMOS






Uma seleção das notícias relacionadas ao universo da Psicologia e Comportamento Humano.