Nem todo mundo sabe consolar com palavras. A realidade é que a boa arte de apoiar, de dar carinho, oferecer conforto e consolo a quem está sofrendo não é fácil. Assim, embora a dor tenha muitas formas e múltiplas origens, na realidade, quando se trata de apoiar alguém, sempre existem estratégias comuns que podem nos ajudar.

O escritor sueco Stig Dagerman costumava dizer que a necessidade humana de conforto é insaciável. De alguma forma, esta é uma dimensão que sempre perdemos e que cria riscos, feridas e vazios. O consolo parte da compreensão do outro e talvez seja isso que muitas vezes almejamos, uma compreensão ou uma conexão autêntica dos outros com as realidades internas.

O consolo parte da dimensão invisível do afeto real e, sobretudo, daquela facilitação que nos convida a liberar fardos, a deixar de fora (e a compartilhar) o que dói por dentro.

Chaves para saber como confortar com palavras

Quando se trata de oferecer conforto, são múltiplos os recursos e expressões usadas que, em muitos casos, passam longe de cumprirem esse propósito, intensificando ainda mais o sofrimento. Um bom exemplo é: “Não liga pra isso, acontece com todo mundo!”, ou “Tenha coragem!”.

É verdade que por trás dessas expressões está a boa fé . É verdade que quem nos diz  “calma, já passei por isso e ficou tudo bem”, o faz sem maldade. Porém, quem pronuncia essa frase não sabe o tamanha da pressão que está colocando no outro (todo mundo supera e se você não superar é um erro seu).

Falta de sabedoria, falta de habilidade em termos de suporte emocional, falta tato… São muitos os erros que se cometem nessa prática e embora haja empatia , embora a outra pessoa se conecte com o nosso desconforto e dor, nem sempre a gente sabe o que fazer, o que dizer ou como responder. Compreender as chaves para saber como confortar de acordo com a ciência podem ser ferramentas de grande importância que todos devemos integrar.

1. Eu sei que você está passando por um mau momento e eu sinto muito

John Gottman , psicólogo clínico, pesquisador e especialista em relações de casal, também nos explica em seus trabalhos como realizar aquela área que, na realidade, também é determinante no vínculo afetivo. Assim, enfatiza que quando um dos integrantes sofre, o que eles esperam do outro é que seja sua caixa de ressonância – compreensão e empatia .

Gottman o define como uma “testemunha” próxima da dor da outra pessoa. Ser espelho e aquela presença próxima que entende e sabe estar presente. Portanto, uma das melhores frases ou expressões que podemos usar é, por exemplo “Eu sei que você está sofrendo e lamento muito”, “Lamento muito o que você está passando, entendo o seu desconforto, a sua dor , tristeza… “.

A chave é validar os sentimentos do outro, fazê-lo ver que tudo o que sente faz sentido . Portanto, é importante para facilitar o alívio, criar um refúgio para que a pessoa se sinta livre na hora de expressar o que precisa.

2. Nenhum raciocínio sábio, julgamentos ou referências às próprias experiências são necessários

Quando você vai oferecer conforto e apoio a uma pessoa, não precisa de pérolas de sabedoria ou raciocínio filosófico. Além disso, não vai ajudar a outra pessoa se explicarmos que passamos pela mesma coisa que ela e que no final tudo passa ou se resolve.

A realidade que cada indivíduo vive é única e excepcional; portanto, é melhor evitar comparações. Por outro lado, estudos como os realizados na University of Illinois (Estados Unidos) indicam algo importante. Para confortar com palavras é necessário levar em consideração os seguintes aspectos:

Os comportamentos conversacionais são essenciais no processo de conforto e apoio, mas neles devemos evitar julgamentos . Expressões como “isso aconteceu com você por causa de (…)” ou “o que você deveria ter feito é (…)” longe de ajudar, invalidam.

3. A pessoa que sofre não quer conselho

Dicas e recomendações podem ser dadas por um professor para seu aluno do ensino médio. Também quando um amigo (expressamente) nos pede orientação sobre um assunto específico. Porém, no campo do conforto, conforto emocional e apoio psicoemocional, não é útil que alguém nos diga o que fazer nessas circunstâncias.

O Dr. Xi Tian e outros cientistas da Universidade Estadual da Pensilvânia investigaram há um ano como se consolar com palavras e descobriram que conselhos bem-intencionados são contraproducentes. Além disso, o que muitas vezes gera é uma relutância psicológica, ou seja, uma tendência a rejeitar as indicações ou recomendações feitas.

Em essência, para evitar tal reação, é necessário evitar dizer ao outro o que fazer ou sentir. Expressões como “tire isso da cabeça ou não pense mais nisso” devem ser substituídas por “o que você sente é normal, entendo e sinto muito” .

4. Estou com você para tudo que você precisar (quando você me disser)

Quando se trata de se aprofundar em como confortar com as palavras, é quase mais importante deixar claro o que não fazer. Um erro que cometemos com frequência é ficar obcecado por “estar presente” . É verdade que a proximidade ajuda e é essencial, mas é preciso saber sair dos espaços, dar tempo e respeitar as próprias necessidades.

Apoiar sem invadir é uma arte. Estar perto sem ser opressor é um recurso inteligente e necessário. Para isso, recomenda-se que quem sofre saiba que pensamos nele, que o carregamos no coração e que tudo o que ele precisa está imediatamente à nossa disposição. Ser aquele ombro para chorar, aquele olhar para refletir e aquela presença que sabe ouvir é a chave na arte de apoiar.

Para concluir, tudo em algum momento, nos encontramos nesta situação complexa. Bom entre quem dá conforto e também entre quem precisa. Nenhuma das situações é simples, é verdade, no entanto, é bom normalizá-las e habilitar-nos nesta competência essencial da vida. Consolar requer prudência, sabedoria e aquela conexão emocional que conforta sem invadir.

***
Destaques Psicologias do Brasil, com informações de La Mente es Maravillosa.
Foto destacada: Reprodução.

RECOMENDAMOS






Uma seleção das notícias relacionadas ao universo da Psicologia e Comportamento Humano.