A dependência emocional é um estado psicológico que se manifesta nas relações sociais, ou seja, uma  relação de necessidade que a pessoa tem com o outro, podendo ser com o parceiro, amigos, colegas de trabalho ou familiares.

O dependente emocional tem uma relação submissa e de idealização com o outro. Portanto, ao encontrar a pessoa na sua figura idealizada, vê a “salvação” para todos os seus males. Atribui à pessoa “ideal” uma importância muito grande e ausência de defeitos, não se importando de privar-se de suas necessidades, sentimentos e desejos para que esta fique por perto.

O tratamento baseia-se praticamente na Psicoterapia, quando não associados a outras doenças. Uma proposta de metodologia é a psicoterapia comportamental, que são baseadas nos princípios de aprendizagem, na construção de estratégias de mudanças e ou repertórios mais flexíveis frente a situações de conflitos.

No caso da dependência emocional, a psicoterapia comportamental contribuirá para a capacitação do paciente em ter maiores opções de respostas frente a comportamentos não desejados, como por exemplo, medo, ansiedade e insegurança. Desta maneira, o paciente, adquire gradualmente novos comportamentos capazes de permitir o equilíbrio entre suas capacidades e limitações funcionais resultantes da deficiência em lidar com seu dia a dia.

5 Dicas para ajudá-lo a ser menos dependente

1- Consciência da dependência emocional – Reconhecer que há uma problema, é o primeiro passo para começar a vencer o sofrimento.

2- Trabalhar a autoestima – Identificar os valores internos e as conquistas, focar em pensamentos positivos sobre si, reconhecer as próprias limitações.

3- Autocontrole – Perceber o controle que tem sobre si, como das ações, sentimentos e emoções. O outro não deve controlar suas decisões.

4- Reconhecimentos das próprias necessidades – Observar as próprias necessidades e não depender apenas de uma única outra pessoa para se relacionar. Busque construir uma rede de relacionamentos, como a família, amigos, colegas.

5- Aprender a estar sozinho – Dialogar consigo é descobrir a força pessoal. Dar oportunidade de autodescobrimento.

Cuide de seu interior. As mudanças positivas fortalecem nosso equilíbrio emocional.

Imagem de capa: Shutterstock/Julija Erofeeva

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


*O conteúdo do texto acima é de responsabilidade do autor e não necessariamente retrata a opinião da página e seus editores.


Compartilhar

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Marcia Chacon
Psicóloga, com graduação e licenciatura pelo Instituto Senador Fláquer de Santo André 1983-1987 – CRP 06/34288. Pós Graduada em Gestão de Pessoas e Psicologia Organizacional pela Universidade Metodista de São Paulo.