Lev Nicoláievich Tolstoy nos deixou um romance que não é apenas um clássico da literatura universal, mas também serve como um reflexo daquele amor mais apaixonado, intenso e perigoso que sempre termina em circunstâncias trágicas, que tem sido chamado de síndrome de Anna Karenina.

Quando se trata de falar da síndrome de Anna Karenina, não nos referimos em absoluto àquele desfecho dramático que a protagonista feminina do romance escolheu, mas sim àquela paixão, aquela união afetiva onde, às vezes, perdemos os próprios limites.

Vamos falar hoje sobre os perigos daquelas paixões nas quais nos magoamos mais do que nos beneficiamos, relacionamentos obsessivos que são muito prejudiciais à nossa saúde.

1. Amor apaixonado e seus perigos

Diz-se que aqueles que viveram um amor muito apaixonado no passado, continuam a ansiar por esse sentimento, apesar da dor que podem ter sofrido ao perdê-lo.

As emoções intensas nos fazem sentir vivos. Sensações convulsivas onde a atração física, a união emocional, o compromisso mútuo e uma obsessão se misturam onde o “você e eu” adquire o seu significado máximo.

No entanto, há uma série de perigos que devemos levar em consideração. A síndrome de Anna Karenina é sofrida por aquelas pessoas que passaram por algo mais do que uma paixão.

Perigos para estar ciente

Na verdade, você sofre do que é conhecido como “transtorno afetivo-obsessivo” , e se caracteriza por um certo descontrole pessoal, por uma dependência absoluta onde deixamos de ver onde estão os limites.

Somos capazes de abandonar o nosso por aquele ente querido , de renunciar ao que nos define, de nos submeter ao controle do outro apenas para tê-lo perto.

O amor que se sente não oferece a verdadeira felicidade, pois o que mais se experimenta é a angústia. Isso se deve a não termos o ente querido ao nosso lado em todos os momentos, pois desconfiamos, tememos ser abandonados ou enganados.

Aos poucos, perdemos nossa autoestima, nossa integridade, nosso equilíbrio emocional. Centrar nossa vida em torno de outra pessoa de forma tão obsessiva significa perder a nossa, e não poderia haver nada mais destrutivo.

2. Amor apaixonado: como administrá-lo

Todos sabemos que, nas primeiras fases de uma paixão, é comum sentir essa paixão intensa e indescritível. No entanto, há uma série de aspectos que você deve levar em consideração para não cair na perigosa síndrome de Anna Karenina.

1. Nunca procure um parceiro com a ideia de “preencher lacunas”, ou de complementar essa “outra metade”.

A vida não é apenas encontrar a “melhor metade” . O que devemos fazer, antes de tudo, é crescer internamente, ser pessoas plenas, equilibradas e maduras, capazes de ser felizes individualmente.

Por sua vez, devemos ser capazes de dar felicidade aos outros . Não procure outros para cobrir seus vazios, seus medos. Trata-se de enriquecer um ao outro como casal.

2. Não estabeleça com seu parceiro um tipo de apego que não permita que você tenha liberdade

Amar é vencer, é crescer, não tirar ou limitar. E as obsessões nunca são boas, porque colocam limites em nossa vida. No momento em que coloca a outra pessoa como sua prioridade absoluta, você perde coisas. Você vai deixar de lado seus hobbies, seus amigos, vai até repensar seus próprios valores. E tudo isso não é bom.

Basta lembrar de Anna Karenina e de sua paixão absoluta pelo conde Vronsky. Chega um momento em que ela até deixa seu próprio filho para trás.

3. Nunca cometa o erro de amar cegamente.

Ame com os olhos abertos, com o coração aberto, ame conscientemente sabendo tudo o que você faz e, por sua vez, vendo tudo o que a outra pessoa faz por você.

Será que respeitar as suas necessidades? Ele te ouve e te leva em consideração? Permite que você cresça como pessoa e o ajuda, por sua vez, a crescer como casal ? O verdadeiro amor não é uma obsessão .

É uma felicidade quotidiana onde ambos os membros do casal sabem resolver problemas , onde se ouvem, onde o compromisso é respeitado, onde não há ciúme nem desconfiança, nem chantagem.

Lembre-se, a síndrome de Anna Karenina está muito presente hoje. Ame intensamente, ame apaixonadamente, mas nunca cegamente.

***
Destaques Psicologias do Brasil, com informações de Mejor con Salud.
Fotos: Reprodução/FILME: Anna Karenina- 2012.

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


Compartilhar

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




DESTAQUES PSICOLOGIAS DO BRASIL
Uma seleção das notícias relacionadas ao universo da Psicologia e Comportamento Humano.