De acordo com um estudo da Funcional Health Tech, o consumo de antidepressivos nos últimos cinco anos aumentou mais de 23%. Ainda segundo a companhia, as mulheres na faixa de 40 anos são as que mais utilizam antidepressivos. A Organização Mundial de Saúde (OMS), por sua vez, calcula que 6% da população do Brasil sofre com depressão, enquanto 9% tem transtorno de ansiedade. Os números correspondem ao triplo da média global.

Segundo a psicóloga Alessandra Sallum, um fator que contribui para o aumento nos índices da doença é o medo das pessoas em procurar ajuda profissional, principalmente porque há muitos estigmas e dúvidas entre o trabalhos realizado por psicólogos e psiquiatras. Além do medo de enfrentar os próprios problemas e de utilizar medicações. Ela ressata que a ciência avançou bastante e, atualmente, há ferramentas diversas para lidar com o sofrimento humano e adoecimento psíquicos. É importante procurar ajuda para que as pessoas não permitam que esses transtornos atrapalhem o funcionamento mental do indivíduo e sua a vida.

A profissional defende que a Psicologia aplica o horizonte de possibilidades de ações. “O paciente com sofrimento psíquico não enxerga saída para situações. O único caminho que a mente identificou é o caminho do adoecimento. Na terapia, com técnicas e ferramentas específicas, é possível trabalhar a ampliação do horizonte de ação e possibilidades de enfrentar situações do dia a dia de maneira assertiva e produtiva. Dessa forma, o indivíduo passa a ver as situações de outra forma, a interagir mais em sociedade e se tornar mais feliz com ele mesmo e suas decisões”.

Para a especialista, muitas pessoas evitam ajuda especializada por preconceitos, mas têm dificuldade de encarar um problema ou não sabem lidar com a situação. Ela ainda indica que as pessoas percam esses pré-conceitos e passem a procurar os profissionais que cuidam da saúde da mente com a mesma frequência que precorrem a outros profissionais da saúde.

PSICOLOGIA X PSIQUIATRIA

Muitos têm dúvidas sobre a ação de um psicólogo ou psiquiatra e acabam não procurando a ajuda necessária pela falta de conhecimento sobre as suas áreas de atuação. Segundo Alessandra, o psicólogo atende, principalmente, com técnicas de psicologia da palavra e associação livre para ajudar o paciente a lidar melhor com as próprias características. Já o psiquiatra é responsável por fechar os diagnósticos e prescrever medicações em caso de necessidade. Segundo ela, em ambos os casos, um profissional pode indicar o outro dependendo das análises realizadas na consulta. Ou seja, caso um indivíduo necessite de um psicólogo, o psiquiatra fará a recomendação, e o mesmo ocorre nas consultas com um psicólogo.

MEDICAÇÕES

Muitas vezes, o acompanhamento psicológico consegue obter uma melhora no quadro, mas em casos mais graves há a necessidade de um tratamento psiquiátrico para contribuir com a rotina do tratamento psicológico. Alessandra ressalta que a medicação não deve ser vista como um inimiga. “Com o tratamento medicamentoso, o paciente fica mais leve, consegue retomar o eixo dos pensamentos e ritmo de vida normal e consegue ter energia para produzir no dia. Os pensamentos se aquietam na mente e ele consegue ter o espaço emocional necessário para ouvir, acomodar e processar as informações trazidas na psicoterapias”, completa a psicóloga. Ainda segundo ela, as sessões de terapia podem trazer traumas e informações que o indivíduo não estava preparado.

***
Destaques Psicologias do Brasil, com informações de JM Online.
Foto destacada: Reprodução.

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


Compartilhar

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




DESTAQUES PSICOLOGIAS DO BRASIL
Uma seleção das notícias relacionadas ao universo da Psicologia e Comportamento Humano.