O amor, tido como o mais nobre dos sentimentos, atravessa séculos sendo alvo de muitas indagações e muitos debates. Talvez a mais antiga das discussões seja aquela que surge com uma pergunta: “o homem nasce bom e a sociedade o corrompe”, ou “o homem nasce mau e a sociedade o torna bom”?

Da sua própria vivência com o amor e com o ódio das pessoas externado em ações, o Ex-Presidente da África do Sul Nelson Mandela fez brotar a célebre frase: “Ninguém nasce odiando outra pessoa pela cor de sua pele, por sua origem ou ainda por sua religião. Para odiar, as pessoas precisam aprender, e se podem aprender a odiar, elas podem ser ensinadas a amar.”

Bem longe de encontrarmos uma reposta definitiva para este questionamento que parece ser inerente à experiência humana, nos satisfazemos com a sensibilidade de Mandela ao assumir que as crianças nascem boas, perfeitamente capacitadas para amar e serem amadas, e que, para que esse amor floresca, é presciso regá-lo constantemente.

O interior de uma criança pode ser gigantesco. Dentro delas vive um imenso jardim florido que precisa ser cuidado com carinho e afeição. Veja o amor em uma criança e faça-o surgir na sua forma mais pura e completa.

Entre a visão crua das coisas e a poesia, fiquemos com a poesia.

***
Destaques Psicologias do Brasil.
Imagens: Reprodução.

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


*O conteúdo do texto acima é de responsabilidade do autor e não necessariamente retrata a opinião da página e seus editores.


Compartilhar

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




DESTAQUES PSICOLOGIAS DO BRASIL
Uma seleção das notícias relacionadas ao universo da Psicologia e Comportamento Humano.