Esta bela história aconteceu em Minneapolis, Minnesota (EUA), quando Taylor Pikkarainen, uma enfermeira de profissão, decidiu generosamente doar um rim para um menino de apenas 18 meses de idade, que sofria de uma doença renal rara desde o nascimento.

Bodie Hall nasceu com a Síndrome Nefrótica Congênita, que causa muitas dificuldades para o desenvolvimento normal das pessoas causando insuficiência renal que leva a um transplante renal iminente.

Os pais de Bodie sabiam que sua situação era urgente, pois é muito difícil encontrar um doador de rim e também era mais complicado para eles, pois o pai da criança não é compatível com o tipo de sangue e a mãe não poderia ser doadora, pois ela deu seu rim para a irmã mais velha de Bodie, que também sofre da doença.

Por isso, Bodie ficou na lista de espera nacional para o transplante renal e também, por recomendação dos médicos, os pais também publicaram sua matéria nas redes sociais em busca de um doador.

E embora fossem positivos e esperançosos, sabiam que não há muita chance de encontrar um doador e que também é compatível com o pequeno.

Contrariando suas expectativas, logo depois Taylor respondeu e preencheu todos os formulários e os médicos determinaram que ela era a melhor opção para doar o rim, onde uma tecnologia correspondente chamada “mapeamento de epítopo” foi aplicada.

O Dr. Raja Kandaswamy, do Centro Médico da Universidade de Minnesota, M Health Fairview, comentou: “Esse tipo de correspondência permite que os médicos avaliem os órgãos em um nível mais completo e detalhado para determinar a força de uma correspondência entre um doador e um receptor.”.

E foi então que eles decidiram prosseguir com o transplante, que demorou alguns meses porque Taylor estava em New Jersey trabalhando como enfermeira com pacientes de Covid. Eles finalmente fizeram a operação em 9 de julho (exatamente no aniversário de Taylor).

O transplante foi bem-sucedido e Bodie está tomando medicamentos anti-rejeição e, embora provavelmente tenha que fazer isso pelo resto da vida, os médicos estão muito otimistas porque aplicaram a nova tecnologia de compatibilidade que aumenta as chances de aceitação.

Os pais de Bodie são muito gratos a Taylor, que agora se tornou parte da família por seu ato de bondade que lhe deu a oportunidade de melhorar a qualidade de vida da criança.

E, claro, Taylor está muito feliz por ter ajudado o pequeno e comentou com o ABC 7: “É definitivamente parte da minha vocação, ajudar as pessoas” e também espera que isso inspire muitas pessoas no mundo a aumentar a conscientização sobre a importância da doação de órgãos.

***
Destaques Psicologias do Brasil, com informações de Nation.
Fotos: Reprodução.

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


Compartilhar

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




DESTAQUES PSICOLOGIAS DO BRASIL
Uma seleção das notícias relacionadas ao universo da Psicologia e Comportamento Humano.